quarta-feira, 30 de dezembro de 2009

Bispo auxiliar de Luanda pede aos jovens que honrem os seus pais

O bispo auxiliar de Luanda, Dom Anastácio Cahango, exortou os seus jovens fiéis para que honrem mais os seus pais e sigam os seus ensinamentos, evitando assim os dissabores eventualmente causados pela desobediência.

Na homilia da festa da Sagrada Família Dom Anastácio, explicou que Jesus Cristo, durante a sua vida terrena foi um exemplo de filho obediente no lar.
 

Ao fazer uma comparação da juventude de hoje com a dos tempos passados, o bispo auxiliar de Luanda salientou que eventos tristes, como os que são enfrentados pela sociedade actual, também se verificaram em épocas passadas:
 

O bispo pediu também aos pais que administrem os seus lares com amor e lembrou que há jovens capazes de se dedicarem a causas justas.



Fonte: Rádio Vaticano 
Local: Cidade do Vaticano

Itinerário Espiritual Jovem em Aveiro termina em festa

Jovens «param em Deus» num fim-de-semana

O Itinerário Espiritual Jovem promovido pela Diocese de Aveiro terminou em Recardães, arciprestado de Águeda, e juntou mais de 700 pessoas entre jovens, familiares e párocos. Trata-se de um fim-de-semana alargado onde jovens de toda a diocese participam em momentos distintos e tendo experiências diferentes de fé.

Érica Ruela, do arciprestado da Murtosa, participou do C_Radical, “foi um dia muito atrativo com muitas atividades e reflexões. Gostei muito das atividades radicais apesar do frio. Viver a vida de Jesus Cristo de forma radical, adorei!” Este é um momento destinado a jovens entre os 14 e 15 anos que, durante o domingo, fazem atividades radicais que depois são relacionadas com o Cristo radical.

Outro momento deste itinerário designa-se por Nascer de Novo. Nele participaram mais de 30 jovens entre os 16 e os 18 anos num fim-de-semana de atividades onde a natureza é valorizada e a aproximação a Jesus Cristo, nesta faixa etária muitas vezes difícil, é renovada. “Não costumo ter tempo para pensar em mim, na minha vida, nos meus objetivos, nas minhas coisas… Neste fim de semana foi diferente… Consegui fazer uma introspectiva da minha vida e a partir de agora comprometo-me a tirar tempo para refletir no que vai acontecendo em mim. Consegui ver Jesus Cristo de forma diferente, no rosto de tantos novos amigos”, confessava o participante Álvaro Silva, da paróquia de Esgueira.

O movimento dos Convívios Fraternos é conhecido por todo o país. Em Aveiro este encontro integra o itinerário espiritual jovem e é sempre dos mais agraciados no encerramento, havendo sempre jovens convivas que renovam a sua identidade. No hino cantam “vai pelo mundo mostrar a tua herança, ser conviva da paz e do amor…” Foi assim que Dani, de Oiã, disse no seu testemunho “Não sabia o que esperar destes dias mas alguma coisa me dizia que ia levar umas valentes “cabeçadas”… É inacreditável como em poucas horas se forma uma família tão unida, diferente e única, com a chama de Cristo tão viva…”

Faz-te ao Largo é o nome do último momento, destinado a jovens mais maduros, que precisem parar na sua caminhada vocacional. Eliana Gonçalves, da Ponte de Vagos, testemunhou “Não sabia como estava a minha relação com Deus… Aprofundei aquilo que sou, que espaço tem Deus na minha vida, que significado dou à eucaristia na minha vida…”

O Padre Rui Barnabé, diretor da Pastoral Juvenil de Aveiro, realçou a disponibilidade dos sacerdotes orientadores espirituais de cada momento e dos “mais de meia centena de jovens voluntários que integram cada equipe dos vários momentos e dão naquele fim de semana do seu tempo para fortificar a fé de outros jovens.” O projeto é de muitos mas o “elo aglutinador é o próprio Jesus Cristo e só por ele vale a pena”, adiantou ainda.

D. Antônio Francisco dos Santos, Bispo de Aveiro, visitou todos os momentos do itinerário e marcou presença no encerramento. “Temos de dar graças por toda esta beleza e bem aqui encontrados em todos estes jovens, nos seus sorrisos e na sua alegria. Deus veio ao nosso encontro e ao encontro de cada um que fez C_Radical, Nascer de Novo, Convívio Fraterno ou o Faz-te ao Largo. Deus faz-se presença em cada um que sai daqui mais consciente da sua fé,” assinalou.



Fonte: Agência Ecclesia
Local: Portugal

Missionários Combonianos da Maia organizam marcha pela paz

Religiosos propõem também uma passagem de ano original

A cidade da Maia acolherá nesta Quarta-feira uma Marcha pela Paz que pretende “informar, divulgar e sensibilizar a população” para a consolidação de uma cultura baseada na convivência pacífica, sublinhando igualmente a importância dos Direitos Humanos.

O percurso iniciar-se-á às 19h30 na Praça do Município, terminando uma hora mais tarde no Auditório Venepor. Às 21h00 começará uma Mesa Redonda com a participação do presidente da Assistência Médica Internacional (AMI), Fernando Nobre, de uma responsável pelo Serviço Jesuíta aos Refugiados, Helena Costa, e do padre comboniano Leonel Claro. Pelas 22h30 será apresentado o “Concerto pela Paz”, interpretado pelo grupo Sol Maior.

Água pela paz

Ao longo do cortejo será lançado o convite à participação no projeto de construção de um poço de água na Etiópia, país que desde 1936 conta com a presença dos Missionários Combonianos.

O projeto, que custará entre 10 a 12 mil euros, inclui a construção da canalização até à aldeia de Tetich, província de Sidama.

A recolha de fundos não é a principal finalidade da Marcha, ainda que complemente os seus objetivos: “A paz não é só abraços e beijinhos, não é só desejos e palavras, mas consiste em contribuir para que algumas pessoas tenham melhores condições de vida”, explicou o Pe. Leonel Claro à Agência ECCLESIA.

A iniciativa reflete a Doutrina Social da Igreja, que defende uma relação causal entre o progresso dos povos e a sua pacificação.

“Um Estado que queira desenvolver-se a nível sócio-cultural, material e humano não o poderá fazer sem a paz”, afirmou o sacerdote. “Vemos países com vários anos de guerra, onde a escolaridade, a saúde e a organização social, política e religiosa não funcionam”, acrescentou. “Quem sofre são as populações” assegurou o religioso. Uma realidade que a sua experiência missionária em África não terá deixado de testemunhar.

A Marcha pela Paz resulta de uma parceria entre o Centro Vocacional Juvenil dos Missionários Combonianos e a Missão Jota, plataforma formada por jovens da Vigararia da Maia.

Passagem de ano «XL»

Cerca de 40 jovens começam às 18h00 desta Terça-feira a preparar a entrada em 2010. A «Passagem de Ano XL» atravessa três dias e três noites, mas essa não é a sua única originalidade.

Em entrevista ao Programa ECCLESIA na Antena 1, o Pe. Leonel Claro referiu que a iniciativa centra-se na “comunhão e solidariedade” entre os participantes, embora não esqueça “aqueles que estão fora”.

“É um fim de ano muito ativo, com atividades variadas, em que vivemos a nossa fé como jovens cristãos comprometidos, e também a nossa alegria”, acrescentou.

O tema escolhido para a edição de 2009/10 – “O Reino de Deus é Justiça, Paz e Alegria” – traduz as dimensões que este «réveillon» pretende acentuar: espiritualidade, convívio, atenção ao próximo e concórdia.

“Normalmente, a passagem do ano é feita em família e com pessoas conhecidas; aqui, encontramos gente que apenas conhecemos há um ou dois dias. Mas a festa é vivida como se a relação entre as pessoas já tivesse anos”, constatou o missionário.

O regresso de alguns jovens a esta iniciativa revela uma adesão que já ultrapassou o impacto da novidade: “Não é só o comer, beber, dançar, ouvir música e saltar; o tempo e o coração são preenchidos com outras coisas muito mais interessantes e importantes, como a solidariedade e a comunhão”, afirmou o Pe. Leonel Claro.

As zero horas do primeiro dia de Janeiro ocorrem sempre durante a celebração da missa. No ano passado a passagem foi assinalada com a antecipação do rito da paz, gesto que, nas palavras do religioso, decorreu “com uma alegria fantástica”.



Fonte:  Agência Ecclesia

Local: Maia

terça-feira, 29 de dezembro de 2009

Encontro Europeu na Polónia 30 mil jovens entram em 2010 rezando

De 29 de Dezembro de 2009 a 2 de Janeiro de 2010, 30 mil jovens de toda a Europa e dos outros continentes vão reunir-se em Poznan, na Polónia, a convite da Comunidade de Taizé.

Este trigésimo segundo Encontro Europeu de Jovens é organizado a convite do arcebispo e de responsáveis ecumênicos de Poznan. De Portugal à Rússia, da Suécia à Croácia, todos os países europeus estarão representados.

Os Encontros Europeus de cinco dias são animados pelos irmãos de Taizé desde 1978. Já tiveram lugar em Paris, Barcelona, Londres, Roma, e também em Praga, Viena, Munique, Budapeste, Milão, Lisboa, Zagreb, Genebra ou Bruxelas. Houve três Encontros Europeus na Polónia, dois em Wroclaw (1989 e 1995) e um em Varsóvia (1999). Estes encontros inscrevem-se numa «Peregrinação de Confiança através da Terra» lançada há trinta anos pelo irmão Roger, o fundador da Comunidade de Taizé.

China
O irmão Alois vai publicar, para o Encontro de Poznan, uma «Carta da China», que será traduzida em mais de cinco dezenas de línguas e que os jovens vão receber quando chegarem à Polônia. Taizé mantém relações com os cristãos da China há mais de vinte anos. Como sinal de amizade, a Comunidade, através da "Operação Esperança", mandou imprimir este ano um milhão de Bíblias em chinês, que estão a ser distribuídas em todas as regiões do país.

Acompanhado por dois irmãos da Comunidade, um Chinês e um Coreano, o irmão Alois acaba de terminar uma viagem de três semanas à China continental. Ele falará sobre essa experiência em Poznan.

"A fé entre os cristãos deste país é muito dinâmica, escreve o irmão Alois. Admiramos a sua perseverança e a sua fidelidade. Houve várias pessoas que nos falaram sobre o sofrimento que os seus pais ou os seus avós atravessaram por causa da fé. Encontramos cristãos que, no seu humilde lugar, contribuem ativamente na construção do futuro do seu país. Na Província de Sichuan, por exemplo, depois do grande tremor de terra de 2008, alguns foram ajudar no auxílio às vítimas e ainda lá se encontram, sendo a sua presença muito apreciada pela população local."

Temas de reflexão
À chegada a Poznan, no dia 29 de Dezembro, os jovens vindos de toda a Europa e também dos outros continentes para esta etapa da «peregrinação de confiança através da terra» vão receber a «Carta da China» do irmão Alois.

Durante o Encontro na Polônia, de manhã os jovens estarão em 150 paróquias das Dioceses de Poznan e de Gniezno. Na parte da tarde vão encontrar-se no Parque de Exposições da cidade para as refeições, as orações comunitárias e workshops sobre questões relacionadas com a sociedade e a vida interior.

Para as tardes dos dias 30 e 31 de Dezembro, o programa do Encontro propõe uma lista de workshops com cerca de vinte temas à escolha. «Prestar atenção àquilo que se encontra no mais profundo de nós próprios...»; «Deus leva a sério as dúvidas e a revolta» e «o que fizeste da tua liberdade?» são expressões da «Carta da China» que vão inspirar alguns deles. Também haverá workshops com propósitos mais sociais, como por exemplo um «encontro com jovens empenhados no serviço aos mais pobres, lutando pelo respeito da dignidade de todos», ou sobre assuntos culturais: entre estes um que apresentará a « Vida e história da Polónia através da pintura de Jacek Malczewski (1854-1929)» e outro com «testemunhos de jovens vindos do Chile, das Filipinas e da Índia.»

Na tarde de dia 1 de Janeiro haverá encontros por país ou região de origem, com o tema: «Renovar a nossa coragem.» Estes encontros, animados por irmãos de Taizé, são uma ocasião para descobrir iniciativas locais e refletir sobre como continuar a «peregrinação de confiança» de regresso a casa.

Durante o Encontro, os jovens vão reunir-se todos os dias às 13:15 e às 19:00 no parque de exposições de Poznan (MTP) para as orações comunitárias, que terão lugar em dois pavilhões especialmente decorados para a ocasião. O irmão Alois falará aos jovens todos os dias durante a oração da noite; estas meditações serão publicadas aqui.

Mensagens de apoio
Já chegaram a Taizé várias mensagens de apoio à Comunidade e aos participantes no Encontro e outras mensagens são ainda esperadas.

Bento XVI diz que "o Papa confia em vós para ir ao encontro dos homens e mulheres que perderam o sentido de Deus, que o procuram como que tacteando, às vezes sem disso se aperceberem".

Também o Secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki Moon, se quis unir à iniciativa, saudando "a ênfase que a Peregrinação deste ano coloca nas questões sociais, nomeadamente sobre o sentido da liberdade".

O Presidente da Comissão Europeia, Durão Barroso, lembra por seu turno que a cidade de Poznan e a Polônia, escolhidas pela Comunidade de Taizé para o encontro deste ano, evocam duas datas cruciais para a nossa história: "O deflagrar da II Guerra Mundial, em Agosto de 1939, e a queda da cortina de ferro, no Outono de 1989, que permitiu o regresso da democracia na Europa central e abriu caminho à reunificação do nosso Continente".

No site de Taizé, há uma página onde alguns jovens vão publicar testemunhos sobre a sua vivência do Encontro

2010

Depois de Poznan, a «Peregrinação de Confiança» terá duas etapas no mês de Fevereiro de 2010: uma Asiática, em Manila, e uma Ibérica, no Porto.

A convite de D. Manuel Clemente, no Carnaval do próximo ano, milhares de jovens de toda a Península Ibérica vão procurar as Fontes da Alegria «no louvor, na partilha e no testemunho».

As seguintes palavras do irmão Alois vão certamente interpelar os jovens nessa procura: «Ao entrar na idade adulta, há jovens que perdem a sua ligação à comunidade cristã. Muitas vezes não se trata de uma decisão amadurecida, mas de uma cadeia de circunstâncias que remetem a fé para o fundo da escala de prioridades... Uma fé que permaneça ao nível das expressões que se aprendem no período da infância terá dificuldades em enfrentar as interrogações da idade adulta. Podemos alegrar-nos ao aprofundar a nossa compreensão do mistério da fé em cada etapa da nossa vida... Alegremo-nos pela sede que Deus depositou em nós! Ela dá uma vitalidade renovada a toda a nossa vida.»


Fonte: Agência Ecclesia

segunda-feira, 28 de dezembro de 2009

Mensagem de Natal do patriarca latino - A esperança continua viva

O patriarca latino de Jerusalém Fouad Twal lançou na semana passada um apelo de paz para toda a Terra Santa, no âmbito da tradicional Mensagem para o Natal.


Paz para todos os habitantes da Terra Santa: para os israelenses e os palestinos, para os cristãos, os muçulmanos, os judeus e os drusos: são os votos de Natal do patriarca de Jerusalém, que não omite as dificuldades: "os nossos sonhos de uma reconciliação... parecem ser uma utopia - afirma - apesar dos louváveis esforços por parte de políticos e de homens de boa vontade... faliram todas as tentativas voltadas a alcançar a paz, tanto por parte dos palestinos quanto por parte dos israelenses".


"Os palestinos ainda não têm um Estado próprio", sofrem por causa da ocupação, da difícil situação econômica, da destruição de numerosas casas, da separação de muitas famílias divididas pelo muro construído pelos israelenses, sofrem por causa da poluição das águas.


Jerusalém corre o risco de tornar-se uma cidade "exclusiva" ao invés de universal. Por outro lado, os israelenses "vivem num grande medo que lhes impede de tomar decisões corajosas para pôr fim ao conflito".


"Todavia - prossegue Dom Twal - a nossa esperança continua viva. A esperança é a capacidade de <>... Há alguns sinais positivos": o bloqueio parcial da construção dos assentamentos e a remoção de mais de cinqüenta postos de controle na Cisjordânia; a generosidade da comunidade internacional, com o seu apoio financeiro, é um grande sinal de esperança.

No mais, a visita do papa em maio passado está dando os seus frutos: o maciço afluxo de peregrinos; a construção em Belém de uma nova Clínica Pediátrica, intitulada a Bento XVI; o projeto da Universidade de Madaba na Jordânia, cuja pedra fundamental foi abençoada pelo próprio pontífice; a construção em Jerusalém de um complexo residencial para 72 jovens casais; a convocação de um Sínodo para o Oriente Médio, que se realizará em outubro de 2010; a beatificação de Irmã Maria Alfonsina, nascida em Jerusalém e fundadora da Congregação das Irmãs do Rosário.

Dom Twal afirma inda que "o maior dom que podemos desejar, mais do que o dinheiro e a riqueza, é o dom da paz... A paz é um dom de Deus aos homens de boa vontade. Devemos conquistar esse dom".

O patriarca de Jerusalém conclui com a profecia de Isaías na esperança de que um dia os habitantes desta terra "transformarão as suas espadas em relhas, as suas lanças em foices" (Is 2, 4).


Fonte: Rádio Vaticano
Local: Jerusalém




Missionários portugueses

São 783 as missionárias e os missionários Ad gentes portugueses, atualmente empenhados na evangelização na África, América, Europa e Ásia. Segundo as informações do último número da revista das Pontifícias Obras Missionárias de Portugal, de fato, os missionários portugueses são 284, as missionárias 439 e os leigos 60. 


O maior número de missionários, 165, atua em 10 países da África (em primeiro lugar, as nações lusófonas de Moçambique, com 79 missionários, e Angola, com 39), depois vem a América com 64 missionários em 7 nações (50 no Brasil), a Europa com 29 missionários em 8 nações, e a Ásia, com 26 missionários em 7 nações (10 no Timor).
 

As 439 missionárias portuguesas atuam na África, são 190 em 14 nações (principalmente em Moçambique, 81, e em Angola, 69); na Europa, onde são 118 em 11 nações; na América são 103 em 11 nações (em primeiro lugar o Brasil); e na Ásia, são 28 missionárias em 7 nações (17 no Timor).
Os leigos portugueses que têm uma experiência missionária de longa duração, 1 ou 2 anos, são 60 no total: 48 nas 5 nações da África, 5 na América (todos no Brasil) e 7 em 3 nações da Ásia. Somam-se a eles outros 321 voluntários que, em 2009, tiveram uma experiência missionária breve, de um a três meses.



Fonte: Agência Fides
Local: Portugal

quarta-feira, 23 de dezembro de 2009

"Missão e Partilha"


Encontro "Missão e Partilha"


Missão e Partilha

"Missão e Partilha" é o tema da Campanha Missionária, para o mês de outubro de 2010. 

Com o objetivo de intensificar a sua divulgação, representantes dos principais meios de comunicação missionários, organismos ligados ao Conselho Missionário Nacional - COMINA e assessoria de imprensa da CNBB, reuniram-se no dia 15 de dezembro, na sede das Pontifícias Obras Missionárias - POM, em Brasília.

Imprensa Missionária Reunião na sede das POM em Brasília. Para o diretor das POM, padre Daniel Lagni, que promoveu e coordenou os trabalhos, a reunião foi "altamente positiva e serviu para aprofundar o processo de divulgação da Campanha Missionária no Brasil, como instrumento de formação, animação e cooperação". Em sua opinião, "o fato de reunir um grupo que representa os meios da imprensa católica já é o início do processo de articulação e divulgação da Campanha", avaliou padre Daniel.

Anualmente as Pontifícias Obras Missionárias, para animar o mês das Missões, elaboram e enviam a todas as dioceses do Brasil, subsídios como a mensagem do Papa, santinhos com a Oração Missionária, folhetos informativos, textos e reflexões para as celebrações. Para 2010, além da divulgação da Campanha nos principais veículos de comunicação, uma das propostas aprovadas foi a produção de um DVD contendo uma Novena e testemunhos de missionários e missionárias atuando em diversas partes do mundo. Padre Cireneu Kuhn, diretor da Verbo Filmes, destacou que "uma imagem vale por mil palavras". O objetivo da novena é popularizar o tema da Campanha e incentivar os cristãos para o compromisso concreto com a Missão. "O DVD oferecerá vários horizontes de experiências missionárias que podem servir de referência para um projeto de vida a serviço do Reino", explicou Cireneu que coordenará a produção.

Segundo o padre Paulo de Coppi, diretor do jornal Missão Jovem, "os Conselhos Missionários em todas as instâncias têm um papel importante na animação das comunidades". A Coleta feita no Brasil, no Dia Mundial das Missões, por meio do envelope enviado pelas POM a cada comunidade é destinada ao Fundo Mundial de Solidariedade Missionária para financiar projetos de evangelização em diversas frentes.



Fonte: Assessoria de Imprensa Missionária
Local: Brasília - Brasil

Mensagem de Natal do patriarca latino de Jerusalém: esperança continua viva

O patriarca latino de Jerusalém Fouad Twal lançou esta manhã um apelo de paz para toda a Terra Santa, no âmbito da tradicional Mensagem para o Natal.

Paz para todos os habitantes da Terra Santa: para os israelenses e os palestinos, para os cristãos, os muçulmanos, os judeus e os drusos: são os votos de Natal do patriarca de Jerusalém, que não omite as dificuldades: "os nossos sonhos de uma reconciliação... parecem ser uma utopia – afirma – apesar dos louváveis esforços por parte de políticos e de homens de boa vontade... faliram todas as tentativas voltadas a alcançar a paz, tanto por parte dos palestinos quanto por parte dos israelenses".

"Os palestinos ainda não têm um Estado próprio", sofrem por causa da ocupação, da difícil situação econômica, da destruição de numerosas casas, da separação de muitas famílias divididas pelo muro construído pelos israelenses, sofrem por causa da poluição das águas.

Jerusalém corre o risco de tornar-se uma cidade "exclusiva" ao invés de universal. Por outro lado, os israelenses "vivem num grande medo que lhes impede de tomar decisões corajosas para pôr fim ao conflito".

"Todavia – prossegue Dom Twal – a nossa esperança continua viva. A esperança é a capacidade de <>... Há alguns sinais positivos": o bloqueio parcial da construção dos assentamentos e a remoção de mais de cinqüenta postos de controle na Cisjordânia; a generosidade da comunidade internacional, com o seu apoio financeiro, é um grande sinal de esperança.

No mais, a visita do papa em maio passado está dando os seus frutos: o maciço afluxo de peregrinos; a construção em Belém de uma nova Clínica Pediátrica, intitulada a Bento XVI; o projeto da Universidade de Madaba na Jordânia, cuja pedra fundamental foi abençoada pelo próprio pontífice; a construção em Jerusalém de um complexo residencial para 72 jovens casais; a convocação de um Sínodo para o Oriente Médio, que se realizará em outubro de 2010; a beatificação de Irmã Maria Alfonsina, nascida em Jerusalém e fundadora da Congregação das Irmãs do Rosário.

Dom Twal afirma inda que "o maior dom que podemos desejar, mais do que o dinheiro e a riqueza, é o dom da paz... A paz é um dom de Deus aos homens de boa vontade. Devemos conquistar esse dom".

O patriarca de Jerusalém conclui com a profecia de Isaías na esperança de que um dia os habitantes desta terra "transformarão as suas espadas em relhas, as suas lanças em foices" (Is 2, 4).
 
Fonte: Rádio Vaticano
Local: Jerusalém   

 

sexta-feira, 18 de dezembro de 2009

1001 - Missão: uma atividade eclesial

Quando Jesus fundou sua Igreja, enviou-a em missão. Ele mesmo fez questão de preparar seus missionários e envia-los pessoalmente. Deixou claro, desde o começo, que o missionário não é um aventureiro ou um franco-atirador que escolhe “sua” missão, mas é um escolhido e enviado Dele e por Ele. Afinal, a missão é Dele. Jesus é o grande Missionário do Pai. O envio é tão importante que a Igreja formalizou um Rito próprio, incluído no Ritual das bênçãos, onde se destaca a presença do bispo (ou algum seu delegado), para ficar bem claro que aquele que parte não o faz em nome próprio, mas da Igreja.
Conheci alguns missionários estrangeiros que sonhavam com a África, prepararam-se durante anos e, na véspera da partida, receberam sua designação para o Brasil. Vieram felizes da vida, como se aqui fosse sua sonhada África (e fazem um belo trabalho!), vendo nisso a vontade de Deus para suas vidas. Entenderam que não são turistas (que escolhem seu destino e preparam a mala á gosto) mas são enviados de Deus, através da Igreja por Ele fundada. Sem dúvida, têm ministérios frutuosos. Entenderam que o/a missionário/a é alguém que, enviado pela Igreja, age como Igreja. Não busca suas satisfações pessoais, sua “promoção”, uma aventura, mas satisfazer a fome de Deus que existe no coração de toda humanidade (ainda que muitos não tenham clara consciência disso).
A missão, seja local, seja além fronteiras, é sempre missão da Igreja. Deve, portanto, ser realizada em profunda sintonia (comunhão) com o pároco, o Bispo local, a Conferência dos Bispos e o Papa. Se algum elo desta cadeia é rompido, pode-se até fazer um bonito trabalho de animação, de promoção humana, etc, etc, mas não será missão da Igreja.
Ao iniciarmos mais um ano, peçamos a Deus por nossos missionários espalhados pelo mundo inteiro para que saibam sempre “sentir com a Igreja”, agir como membros e enviados dela, que se mantenham sempre em profunda comunhão com os Pastores legítimos, que garantem a apostolicidade da única Igreja de Cristo.


Pe. Edson Assunção
Sec. Nac. Infância e
Adolescência Missionárias


Não havia lugar para eles

Estudiosos estimam que no mundo, hoje, seriam mais de 200 milhões as pessoas em situação de migração! Deixam seus países, por escolha ou necessidade, fugindo de guerras, perseguições e desastres ambientais, da miséria e da fome. A globalização abateu muitas fronteiras, abriu novas perspectivas para o trabalho, facilitou a comunicação, a superação das distâncias e estimulou o deslocamento das pessoas. Também no Brasil: ao mesmo tempo que continua a receber imigrantes, hoje há cerca de 5 milhões de cidadãos vivendo fora do País. Sem falar das migrações internas, que levaram cerca de 30% dos brasileiros a pôr o pé na estrada.

No entanto, na era da globalização, as migrações estão marcadas por uma série de contradições: os sonhos despertados, a vontade de partir e as novas oportunidades criadas permanecem uma miragem para muitos e não estão ao alcance de todos; aumentaram o desemprego, a fome e a miséria, as tensões sociais e as guerras; cresceu a concentração da riqueza e se aprofundou o abismo das desigualdades entre Norte e Sul do mundo; a sociedade eletrônica ignora fronteiras, mas na vida real levanta novos muros para se proteger contra as ameaças do novo; reapareceram velhas formas de violência, de exploração da pessoa, até de escravidão, estimuladas pela perspectiva do proveito imoral da situação; a nova mistura de povos e culturas também fez emergirem velhas fobias, preconceitos e racismos em relação aos migrantes e estrangeiros, considerados uma ameaça ou, simplesmente, indesejados. No Brasil, as migrações desgovernadas produziram o avanço sobre a natureza, a ocupação descontrolada do território, o inchaço das metrópoles.

Diante de uma realidade tão impressionante, que atinge praticamente todos os países, ainda não há uma atitude adequada dos governos e da comunidade internacional. O fato migratório é deixado, sobretudo, à iniciativa e à liberdade pessoais: cada um migra se quiser, vai para onde desejar, procura o que lhe interessar. No entanto, o fenômeno e suas consequências não são apenas individuais; o fluxo migratório é estimulado por enormes interesses econômicos e, muitas vezes, "governado" por organizações criminosas, que não hesitam em traficar seres humanos, expondo-os à insegurança total, como acontece com os clandestinos abandonados nas fronteiras, ou em navios à deriva, depois de terem sido explorados economicamente; ou, quando conseguem atravessar a fronteira, são mantidos em regime de semiescravidão. Os direitos humanos são violados sem piedade.

No contexto atual da comunidade humana, as pessoas geralmente migram por necessidade, bem mais que por outros fatores. Há uma realidade inegável: a riqueza, o conforto, as oportunidades e perspectivas de vida melhor estão muito concentradas em alguns países ou em algumas regiões. E é para lá que o povo quer ir. Quando o pão falta em algum lugar, as pessoas saem à sua procura e batem à porta de quem o tem em abundância. Se as portas não se abrirem, o desejo de entrar, a necessidade e a fome levam a forçar as portas ou a pular os muros para entrar lá... Nem as políticas repressivas da imigração clandestina conseguem evitar o problema, e até o agravam com novos ingredientes. Nosso mundo globalizado precisa encarar com realismo e grandeza de alma esta situação.

Também o papa Bento XVI, na encíclica Caritas in Veritate, tratou das migrações na atualidade: "Um fenômeno impressionante pela quantidade de pessoas envolvidas, pelas problemáticas sociais, econômicas, políticas, culturais e religiosas que levanta, pelos desafios dramáticos que coloca à comunidade nacional e internacional" (n. 62). A responsabilidade pela administração adequada desse fato social e humano epocal, de dimensões imensas e complexas, não pode ser descarregada nas costas, muitas vezes frágeis, dos países de origem dos migrantes, mas requer uma forte e clarividente política de cooperação internacional, bem como a estreita colaboração entre as comunidades de origem e os países que recebem os fluxos de migratórios.

Nenhum país está em condições de enfrentar sozinho esse problema; por isso o papa pede que sejam feitas normas internacionais capazes de harmonizar os diversos sistemas legislativos para salvaguardar as exigências e os direitos das pessoas e das famílias emigradas e, ao mesmo tempo, das sociedades que acolhem os emigrantes. Nas relações de trabalho, os imigrados não podem ser tidos, simplesmente, como peças do jogo econômico e seria indigno e desumano reservar-lhes o tratamento dado a qualquer "fator de produção": são pessoas humanas, com dignidade e direitos fundamentais inalienáveis, que devem ser respeitados sempre (cf. n. 62).

A questão dos migrantes faz-me lembrar a história do nascimento de Jesus: César Augusto havia ordenado um recenseamento em todo o Império Romano e cada família tinha de se deslocar para seu lugar de origem, para se inscrever nas listas de controle da população. José e Maria, grávida de nove meses, também partiram de Nazaré para Belém, de onde eram originários. A pé, ou de burrinho, era longe! Não era turismo, mas migração forçada. Ordens do grande imperador. Chegando a Belém, não houve quem os acolhesse: "Não havia lugar para eles." E o menino nasceu num abrigo para animais (cf. Lc 2,6-7). Teríamos nós aberto as portas? Também hoje, na pessoa dos migrantes, Ele continua a vir ao nosso encontro e, um dia, poderá surpreender-nos com este convite: "Era eu o forasteiro, e tu me acolheste. Agora vem, sê bem-vindo à casa do teu Senhor!" (cf. Mt 25,35). Palavras boas de serem lembradas no tempo do Natal. 



Dom Odilo P. Scherer
Cardeal-Arcebispo de Sã Paulo

Mensagem do Papa Bento XVI para o 96º Dia Mundial do Migrante e do Refugiado (2010)

"Os migrantes e os refugiados menores de idade"

Queridos irmãos e irmãs,
 

A celebração do Dia Mundial do Migrante e do Refugiado oferece-me novamente a ocasião de manifestar a solicitude constante que a Igreja alimenta por aqueles que vivem, de vários modos, a experiência da emigração. Trata-se de um fenômeno que, como escrevi na Encíclica Caritas in veritate, impressiona pelo número de pessoas envolvidas, pelas problemáticas sociais, econômicas, políticas, culturais e religiosas que levanta, pelos desafios dramáticos que apresenta às comunidades nacionais e internacional. O migrante é uma pessoa humana com direitos fundamentais inalienáveis que devem ser respeitados sempre e por todos (cf. n. 62). O tema deste ano, «Os migrantes e os refugiados menores de idade», refere-se a um aspecto que os cristãos avaliam com grande atenção, recordando-se da admoestação de Cristo, que no juízo final considerará referido a Ele mesmo tudo o que é feito ou negado «a um só destes pequeninos» (cf. Mt 25, 40.45). E como não considerar entre os «pequeninos» também os migrantes e refugiados menores de idade? 


O próprio Jesus, quando era criança, viveu a experiência do migrante porque, como narra o Evangelho, para fugir às ameaças de Herodes, teve que se refugiar no Egito juntamente com José e Maria (cf. Mt 2, 14).
Embora a Convenção sobre os Direitos da Criança afirme com clareza que deve ser sempre salvaguardado o interesse maior da criança (cf. art. 3), à qual se devem reconhecer os direitos fundamentais da pessoa ao mesmo nível do adulto, infelizmente na realidade isto não acontece. Com efeito, enquanto aumenta na opinião pública a consciência da necessidade de uma ação pontual e incisiva em proteção às crianças e adolescentes, de fato muitos são abandonados e, de vários modos, encontram-se em perigo de exploração. Da condição dramática em que eles vivem fez-se intérprete o meu venerado Predecessor, João Paulo II, na mensagem enviada a 22 de Setembro de 1990 ao Secretário-Geral das Nações Unidas, por ocasião da Cúpula Mundial para as Crianças. «Sou testemunha – ele escreveu – da condição lancinante de milhões de crianças de todos os continentes. Elas são mais vulneráveis, porque menos capazes de fazer ouvir a sua voz» (Insegnamenti XIII, 2, 1990, pág. 672). Formulo votos de coração para que se reserve a justa atenção aos migrantes menores de idade, necessitados de um ambiente social que permita e favoreça o seu desenvolvimento físico, cultural, espiritual e moral. Viver num país estrangeiro sem pontos de referência efetivos cria-lhes, especialmente àqueles que estão desprovidos do apoio da família, inúmeros e por vezes graves incômodos e dificuldades.
 

Um aspecto típico da migração de menores de idade é constituído pela situação dos jovens nascidos nos países receptores, ou então por aquela dos filhos que não vivem com os pais emigrados depois do seu nascimento, mas que se reúnem a eles sucessivamente. Estes adolescentes fazem parte de duas culturas, com as vantagens e as problemáticas ligadas à sua dúplice pertença, condição esta que todavia pode oferecer a oportunidade de experimentar a riqueza do encontro entre diferentes tradições culturais. É importante que lhes seja oferecida a possibilidade da frequência escolar e da sucessiva inserção no mundo do trabalho, e que seja facilitada a integração social graças a oportunas estruturas formativas e sociais. Nunca se esqueça que a adolescência representa uma etapa fundamental para a formação do ser humano.
Uma categoria particular das crianças e adolescentes é a dos refugiados que pedem asilo, fugindo por vários motivos do próprio país, onde não recebem uma proteção adequada. As estatísticas revelam que o seu número está a aumentar. Por conseguinte, trata-se de um fenômeno que deve ser avaliado com atenção e enfrentado com ações coordenadas, com oportunas medidas de prevenção, de salvaguarda e de acolhimento, segundo quanto prevê também a própria Convenção sobre os Direitos da Criança (cf. art. 22).
Dirijo-me agora particularmente às paróquias e às muitas associações católicas que, animadas por um espírito de fé e de caridade, envidam grandes esforços para ir ao encontro das necessidades destes nossos irmãos e irmãs. Enquanto exprimo gratidão por quanto se está realizando com grande generosidade, gostaria de convidar todos os cristãos a tomar consciência do desafio social e pastoral que apresenta a condição das crianças e adolescentes migrantes e refugiados. Ressoam no nosso coração as palavras de Jesus: «Era peregrino e me acolhestes» (Mt 25, 35), assim como o mandamento central que Ele nos deixou: amar a Deus com todo o coração, com toda a alma e com toda a mente, mas unido ao amor ao próximo (cf. Mt 22, 37-39). Isto leva-nos a considerar que cada uma das nossas intervenções concretas deve nutrir-se antes de tudo de fé na ação da graça e da Providência divina. De tal modo, também o acolhimento e a solidariedade para com o estrangeiro, especialmente se se trata de crianças e adolescentes, torna-se anúncio do Evangelho da solidariedade. A Igreja proclama-o, quando abre os seus braços e trabalha para que sejam respeitados os direitos dos migrantes e dos refugiados, estimulando os responsáveis das Nações, dos Organismos e das Instituições internacionais, a fim de que promovam iniciativas oportunas em seu benefício. Vele materna sobre todos a Bem-Aventurada Virgem Maria, e ajude-nos a compreender as dificuldades daqueles que estão distantes da própria pátria. A quantos estão empenhados no vasto mundo dos migrantes e refugiados, asseguro a minha oração e concedo de coração a Bênção Apostólica.
Vaticano, 16 de Outubro de 2009.

BENEDICTUS PP. XVI

quinta-feira, 17 de dezembro de 2009

Curso profissionalizante gratuito para jovens abre inscrições no próximo dia 20

 A partir do dia 20 deste mês, jovens moradores da região metropolitana de São Paulo (SP), com idade entre 17 e 20 anos, poderão se inscrever no curso profissionalizante Administração com ênfase em Gestão Empresarial, do Instituto Proa.

O curso é gratuito tem duração de sete meses e é destinado aos jovens que estão cursando o último ano do ensino médio ou que tenham concluído seus estudos recentemente. Podem se inscrever aqueles que tenham renda per capita mensal de até um salário mínimo. As inscrições devem ser feitas no site da instituição (www.proa.org.br).

O curso disponibiliza 200 vagas e os candidatos devem passar por um processo de seleção. Lissa Collins, superintendente do Proa, explica que, no momento da inscrição, os jovens preencherão um formulário e farão uma prova de Língua Portuguesa e Matemática, como primeira etapa de seleção. Em seguida, devem ser convocados para entrevista e depois para dinâmica de grupo.

Lissa comenta que muitos jovens concluem seus estudos do ensino médio e alimentam o sonho de cursar uma faculdade, porém, nem sempre têm condições para isso. "Com o curso, eles podem conseguir um emprego melhor", explica. Ela esclarece que os alunos são encaminhados para o mercado de trabalho. "Nós fazemos um acompanhamento por três anos", completa.

Segundo ela, 30% dos jovens que fizeram o Curso estão empregados e conseguindo pagar faculdade com seu próprio salário. "Em média, eles recebem R$ 650. Esse valor é acima da médica do mercado para essa faixa etária", informa.

Com base no conceito de ensinar e orientar, a ideia do Instituto é criar oportunidades para a inserção de jovens no mercado formal de trabalho. As inscrições vão até março de 2010.

Mais informações pelo site: www.proa.org.br



Fonte: Adital - Tatiana Felix

Acampamento Intercontinental de Juventude - FSM 10 Anos terá feira orgânica e moeda social

 Forum Social Mundial 2010 acontecerá novamente de forma descentralizada, com programação simultânea em Porto Alegre/RS e diversas cidades vizinhas que integram sua Região Metropolitana. Enquanto a capital gaúcha realizará grandes seminários de avaliação e projeção das próximas edições durante as manhãs dos dias 26 a 28 de janeiro, nos demais municípios acontecerão, nos três turnos, as atividades autogestionárias, propostas pelos movimentos sociais.

Novo Hamburgo, localizada a 40 km de Porto Alegre, abrigará, além de um dos principais eixos do FSM, também o Acampamento Intercontinental da Juventude - 10 anos. Com o tema "Os Movimentos em Movimento", o AIJ-10 anos propõe o resgate de espaços significativos das edições anteriores, avançando, ao mesmo tempo, na prática de novos conceitos construídos pelos jovens na última década. Resgatará, ainda, campanhas emblemáticas como a Bandeira das Bandeiras e proporá novas, vinculadas à realidade contemporânea e à necessidade de reflexão sobre o papel do AIJ e das iniciativas juvenis nos contextos local e global.

Localização

O AIJ-10 anos acontecerá na Sociedade Gaúcha Lomba Grande, parque municipal com 14 hectares de área e situado no bairro de mesmo nome, na divisa entre as zonas rural e urbana de Novo Hamburgo. O acesso é facilitado em função do parque também estar próximo da estação final do metrô, em São Leopoldo, de onde haverá conexão direta, e de outros cinco municípios vizinhos, além do próprio Centro de Novo Hamburgo.

A opção pelo local objetiva uma reflexão prática sobre as questões de acessibilidade, ocupação espacial dos territórios e, principalmente, a inclusão das comunidades rurais, em sua maioria excluídas dos processos democráticos e afastadas das possibilidades culturais.

Espaços

O AIJ-10 anos concentrará suas atividades em 12 espaços temáticos, divididos e organizados conforme os eixos propostos pelos movimentos que participam de sua construção. Até o momento, estão previstos os seguintes espaços:

ELOs (Espaços de Livre Ocupação) - Os ELOs, conforme o nome sugere, farão a interface e aproximação das atividades do Acampamento com as comunidades. Estão programados, conforme demandas e proposições dos movimentos sociais da região, 5 ELOs, nos seguintes bairros: Santo Afonso, Roselândia, Canudos, Boa Saúde e o ELA(AVALIAÇÃO) situado no próprio Acampamento será o de Avaliação dos FSMs e AIJs, no qual serão realizadas diversas plenárias, com o objetivo de redigir-se uma carta a ser integrada às demais, na grande plenária do FSM - 10 anos, no dia 29/01, em Porto Alegre.

Tenda da Saúde Mercedes Sosa - Será o espaço destinado a todos os movimentos, debates, ações e práticas relacionadas à saúde como um todo, considerando o ser humano como um ente holístico e combatendo o conceito corrente de que Saúde está ligada a Doença; incentivará o resgate das medicinas populares e conhecimentos empíricos;

Tenda Ambiental - Abrigará todos os temas relacionados ao uso da Terra e dos recursos naturais, à educação ambiental, à responsabilidade social relacionada ao meio-ambiente e demais assuntos que envolvam o ser e sua relação com tudo que o cerca;

Tenda da Reforma Urbana - Espaço para os debates e ações focados na ocupação dos espaços geográficos, das barreiras naturais e políticas, bem como da acessibilidade universal, da propriedade e dos modelos de cidade vigentes, construídos sem a menor preocupação com a qualidade de vida de seus habitantes;

Cidade Hip-Hop - Evolução da primeira Cidade Hip-Hop, construída no AIJ 2005, será o espaço de convergência de todos os movimentos ligados às culturas de rua, sobretudo urbanas e marginalizadas, na perspectiva de uma construção coletiva de propostas e debates ligados principalmente à temática de juventude e suas expressões. Propõe-se a aproximar as diversas vertentes do Movimento e também propiciar a integração com outras entidades e organizações da sociedade;

Aldeia da Paz - Espaço proposto pelos movimentos místicos, principalmente ligados ao Calendário Maia, como referência para os debates e práticas transcendentais e ligados à dimensão humanista do ser, bem como sua ligação com o Cosmos, sua fé e religiosidade;

Mundo pela Diversidade - Eixo que aglutinará todas as temáticas relacionadas à diversidade, seja ela de gênero, etnia, nacionalidade, credo, origem e tudo o mais que nos torna diferentes mas ao mesmo tempo iguais: humanos.

Palco MPB - Proposta de um novo, mas consistente movimento intitulado Música para Baixar, reunirá, além dos shows e apresentações de músicos, artistas e outras expressões culturais, debates relacionados ao direito autoral e o acesso público a obras;

Feira Orgânica - Será constituída pelos produtores rurais orgânicos que vivem no local e proporcionam uma alimentação ecológica e sem agrotóxicos, em parceria com o Movimento de Economia Solidária regional e nacional;

Feira de Trocas Solidárias - Será elaborado pelos fóruns regional e local de Economia Solidária, tendo moeda própria chamada PILA;

Espaço Acampadinhos - Direcionado às crianças que freqüentarão o evento com seus pais, oferecerá às mesmas práticas pedagógicas diferenciadas e atividades relacionadas à educação ambiental;

Laboratório de Conhecimentos Livres - Espaço para convergência dos debates relacionados à comunicação e o acesso democrático a ela, bem como de construção de práticas de educomunicação e descentralização da informação;

Acesse a página do AIJ - FSM 10 Anos - http://www.fsm10.org/

A notícia é de Leonardo Pinho - Extraída do site do Forum Brasileiro de Economia Solidária (FBES) - www.fbes.org.br 



Fonte: Adital 

Jovens têm até 30 de dezembro para se inscreverem nos cursos da TV Pelourinho

Na Bahia, jovens das cidades de Salvador, Itamaraju e Irecê, têm até o próximo dia 30 para se inscreverem nos cursos gratuitos da TV Pelourinho. São 800 vagas divididas entre os municípios para diversas áreas do audiovisual. A iniciativa do Projeto TV Pelourinho é da ONG Ação pela Cidadania em parceria com a Secretaria de Desenvolvimento Social e Combate à Pobreza.

De acordo com André Actis, presidente da TV Pelourinho, o objetivo é oferecer qualificação profissional para jovens com idade entre 16 e 24 anos a fim de facilitar a inserção no mercado de trabalho. André ressalta que, nessas atividades, o jovem resgata sua autoestima, valores e cidadania. "Esse projeto é importante porque os jovens estão vivendo na Era da Tecnologia e da Comunicação. É uma oportunidade de entrar no mercado de trabalho", explica.

Para participar, os candidatos devem cursar ou ter cursado o ensino médio em escola da rede pública e ter renda familiar mensal de até meio salário mínimo por pessoa. A inscrição deve ser feita na sede da TV, na Rua das Laranjeiras, no Centro Histórico de Salvador, com comprovante de residência e de matrícula escolar, cópia da identidade e do CPF, além de duas fotos 3x4.

Após a inscrição, será anunciada a data e o local onde deve acontecer a seleção. As oficinas são nas áreas de roteiro, direção, direção de fotografia, áudio, direção de arte, produção, edição e interpretação. As aulas acontecem duas vezes por semana e os escolhidos receberão bolsa-auxílio no valor de R$ 130 em Salvador, e R$ 100 para as outras cidades.

Segundo André, os cursos da TV Pelourinho já beneficiaram mais de 800 jovens; cerca de 50% deles estão no mercado de trabalho, atuando, principalmente, na Cooperativa de Mão de Obra. A Cooperativa, criada recentemente, tem a função de oferecer serviços audiovisuais às empresas interessadas em contratar serviço terceirizado.

Entre as novidades, André destaca que as vagas para Salvador, que antes eram 200, agora são 400. A outra metade das vagas disponíveis para 2010 estão divididas entre as cidades de Itamaraju e Irecê. Além disso, foram criados novos cursos como computação gráfica, comunicação em rádio e web design.

Os vídeos produzidos pelos alunos podem ser assistidos no site da TV, no YouTube, ou ainda pelo Canal Futura, da Fundação Roberto Marinho, novo parceiro do Projeto TV Pelourinho.

Mais informações pelo telefone  (71) 3419-2070  ou pelo site www.tvpelourinho.com.br.



Fonte: Adital - Tatiana Felix

quarta-feira, 16 de dezembro de 2009

Mensagens de Bento XVI, Dr. Williams e Bartolomeu I aos jovens de Taizé

O Papa Bento XVI, o Arcebispo de Cantuária, Dr. Rowan Williams, e o Patriarca Ecumênico de Constantinopla, Bartolomeu I, enviaram mensagens a trinta mil jovens europeus que participarão do 32° Encontro de Jovens promovido pela Comunidade de Taizé, em Poznan, na Polônia, de 29 de dezembro a 2 de janeiro de 2010.

"O papa e os líderes das Igrejas cristãs da Europa confiam nos jovens e esperam deles um testemunho de esperança no mundo" – ressalta o pontífice em sua mensagem. O Santo Padre espera que os jovens encontrem aquelas pessoas que perderam o sentido de Deus.

"Elas precisam encontrar verdadeiras testemunhas a fim de que resplandeça para elas o rosto de Cristo. Que Deus inspire em vocês gestos e palavras acessíveis aos outros, a esperança para viver e o impulso que o seu Espírito quer dar a cada ser humano" – frisa o papa.

O Arcebispo de Cantuária, Dr. Rowan Williams, ressalta em sua mensagem aos jovens que hoje a humanidade está desfigurada e ferida por causa das falsas riquezas, falsas ideias de segurança, falsas ideias de liberdade. "A nossa vocação de cristãos é revelar ao mundo a verdade de nosso destino humano" – sublinha o arcebispo anglicano.

"Isso requer uma generosidade sem limites, determinação diante do perigo e do sacrifício, alegria em prosseguir neste caminho. Esta é a verdade, a humanidade, a vida"- disse ainda ele.

O Patriarca Bartolomeu I convida os jovens a serem testemunhas vivas de Cristo ressuscitado, testemunhas do Deus que entrou na história, do Deus da criação. Como viver este testemunho nos diz o Evangelho de São João: "Se vocês tiverem amor uns para com os outros, todos reconhecerão que vocês são meus discípulos" (Jo 13, 35). "Não tenham medo" – acrescenta o patriarca.

O presidente da Comissão Europeia, José Manuel Durão Barroso, também enviou uma mensagem aos jovens, sublinhando que "a cidade de Poznan e a Polônia, escolhidas pela Comunidade de Taizé para o encontro deste ano, evocam duas datas importantes da história da humanidade: "o início da II Guerra Mundial, em agosto de 1939, e a o fim da Guerra Fria no outono de 1989, que permitiu o retorno da democracia na Europa central e abriu o caminho para a reunificação de nosso continente" – conclui Barroso.

Fonte: Rádio Vaticano
Local:Cidade do Vaticano   
 

A Diocese de Caraguatatuba realiza nos próximos dias três momentos fortes

Dia 19 de Dezembro a partir das 22h na Catedral em Caraguatatuba,  'JOVENS SOIS FORTES". Uma noite de Adoração, louvor e Cristoteca, reunindo a juventude até às 3h.
Presença do Grupo Cordeiro de Deus de São Jose dos Campos.

Dia 22 de Dezembro, abrindo a temporada de verão, na arena de shows do SUPER VERÃO CARAGUÁ, Missa e Show com Pe. Juarez de Castro. O novo ícone da música católica estará se apresentando, logo após a Santa Missa, em apresentação aberta.

Dia 26 de Dezembro, ainda em clima natalino, a Diocese de Caraguatatuba traz FAMÍLIA LIMA, também no espaço de shows do SUPER VERÃO CARAGUÁ. Os ingressos estarão à venda na próxima semana, nas secretarias paroquiais e postos autorizados.

O projeto "A Fé que constrói" quer motivar a pessoas, moradores e turistas,  a participar de eventos que reúnam a família, oferecendo momentos de entretenimento e evangelização, além de colaborar com a construção do Centro de Formação diocesano.

Fonte: Assessoria de Imprensa Diocese de Caraguatatuba (SP)
Local:Caraguatatuba (SP)  

terça-feira, 15 de dezembro de 2009

Jovens Delta


Jovens Delta estão finalizando gravação do cd!

 Se o destino é o infinito, o caminho é nas alturas!!!

Jovens amazonenses enfrentam o desafio da carreira de músicos em São Paulo.
Há quase um ano, esses jovens vieram tentar na cidade grande, e graças ao trabalho árduo, estão finalizando a gravação do cd....


Visitem o blog dos meninos e apreciem sua história e as músicas!!


102 anos de Oscar Niemayer

Novo olhar 'prolonga' centenário de Niemeyer


Nasceu como um concurso 'online' em 2007, ano em que Oscar Niemeyer comemorou o centenário.
'Olhar/Look At Niemeyer' é hoje apresentado

No dia em que o arquitecto Oscar Niemeyer faz 102 anos, o livro Olhar/Look At Niemeyer, que reúne 300 fotografias recolhidas num concurso online, será lançado a propósito do centenário do génio brasileiro.

Ao DN, o coordenador do projecto, Carlos Oliveira Santos, autor de um estudo sobre a obra do carioca em 2001, disse ter sido surpreendido com a participação no referido concurso. "Na primeira reunião com a Comissão para as Comemorações dos 100 Anos de Oscar Niemeyer - Portugal, eu expliquei que poderia ser difícil ter mais do que 50 participações. Pois bem, acabámos por ter mil e cinquenta, o que mostra bem o impacto que a obra dele consegue atingir", lembra.

A transversalidade na arquitectura de Niemeyer revela-se, por exemplo, no interesse que gerações díspares demonstram. Raphael Iruzun Martins tem 15 anos, nasceu em Londres, filho de pais brasileiros e a sua paixão é a arquitectura. Em Olhar/Look At Niemeyer escreve um texto em que declara a paixão pelo arquitecto seu conterrâneo. "Oscar Niemeyer foi um dos que mais me inspirou e assim será no futuro", lê-se. Hoje, o adolescente vencedor dos School Energy Awards estará na sala Jorge de Sena, do Centro Cultural de Belém, para a apresentação do livro, marcada para as 21.00. Carlos Oliveira Santos espera da noite de hoje "uma grande festa com muitas pessoas que admiram Oscar Niemeyer". A cerimónia irá contar também com representantes da embaixada do Brasil.



Quem também contribui para Olhar/Look At Niemeyer é o arquitecto português Álvaro Siza Vieira, a quem Niemeyer trata por "rapaz", revela Carlos Oliveira Santos. "O Álvaro fica todo contente", revela ainda o coordenador deste projecto. Siza Vieira assina um desenho inédito e escreve ainda três textos. "A arquitectura de Niemeyer respira naturalidade e intemporalidade, superando as noções estereotipadas de tradição e modernidade. A construção faz natureza", lê-se sobre a Casa em Canoas, onde vive no Rio de Janeiro.

Para além da dimensão artística, Oliveira Santos, que com ele contacta desde 2001, releva "a dimensão humana profundíssima" que vem da "tradição do humanismo comunista". Já a longevidade explica-se "pela magia da condição humana". E quanto à importância da obra de Niemeyer, Oliveira Santos lembra que "ele rompeu com o racionalismo da geometria dos anos 30/40" e que "essa atitude continua a influenciar muitas gerações". Ainda na semana passada, Niemeyer lançou a nova revista O Meu Caminho.



Fonte: DN Artes - Davide Pinheiro

A marcha pelo mundo


Uma marcha está percorrendo o mundo. É a Marcha pela Paz e pela Não-violência.

Saiu da Nova Zelândia, no dia 2 de outubro, para um percurso que inclui mais de 100 países, contando com a adesão de presidentes, prêmios nobel da paz, militantes, artistas e todas as pessoas que concordam com a necessidade de criar uma consciência global a respeito do desarmamento e da não-violência.

Dia 20 de dezembro, após percorrer mais de 130.000 km, essa Marcha chega a São Paulo.
Nesse dia, queremos unir as vozes de todos os movimentos, organizações e pessoas, em uma marcha no coração da cidade, para expressar nosso repúdio a toda forma de discriminação e violência (econômica, de gênero, racial, religiosa, psicológica, física,...).

Convidamos você a participar ativamente, trazendo sua bandeira, seu sentimento e seus ideais!

A Marcha tem como principais reivindicações:

- o desarmamento nuclear mundial;
- a retirada imediata das tropas invasoras dos territórios ocupados;
- a redução progressiva e proporcional dos armamentos de destruição massiva;
- a assinatura de tratados de não-agressão entre países;
- a renúncia dos governos a utilizar as guerras como meio para resolver conflitos.
- o repúdio a toda forma de violência (econômica, sexual, de gênero, racial, moral, psicológica, religiosa, física) e discriminação.

Participe!

Dia 20/12, concentração às 14h na Rua Barão de Itapetininga para Marcha pelo Centro com cortejo do bloco afro Ilú Obá de Min, até o Vale do Anhangabaú.

Vale do Anhangabaú, às 16h

SHOW com
Simoninha, Max de Castro,
Luciana Melo, Jair de Oliveira,
Orquestra de Berimbaus,
Madan, banda e convidados,
Teatro União e Olho vivo,
Babado de Chita e outros convidados.

www.marchamundial.org.br

Mais informações:
Érica Naomi (11) 9128-9469
naomiskw@yahoo.com.br

Marcha Mundial Pela Paz e Não-Violência


Mianmar: “O testemunho dos leigos traz esperança para a Igreja

O empenho dos leigos, o testemunho de fé e o entusiasmo dos jovens para a missão sono "a promessa e a esperança para a Igreja em Mianmar": é o que declara à Agência Fides Dom Salvatore Pennacchio, Delegado Apostólico em Mianmar, de volta de uma viagem há alguns dias à ex-Birmânia para a Ordenação episcopal do Bispo Auxiliar de Loikaw, Dom Stephen Tjepe, e para a Ordenação sacerdotal de dois diáconos.

O Núncio ficou muito comovido com a fé genuína e o entusiasmo da comunidade local, que continua a viver e proclamar o Evangelho, apesar das limitações e dificuldades: "Mais uma vez, pude ver de perto a fé simples e genuína dos fiéis de Loikaw. É uma comunidade que está crescendo na fé, com os dons de muitas vocações ao sacerdócio e à vida consagrada. O testemunho dos "zetaman" (literalmente "pequenos evangelizadores"), que são um Instituto secular diocesano para a catequese, traz esperança para o futuro da Igreja em Mianmar. A diocese de Loikaw foi enriquecida com um Bispo auxiliar e dois novos sacerdotes. As perspectivas são muito encorajadoras, principalmente pelo entusiasmo que se respira. Há muita gratidão por aqueles que trouxeram a Boa Notícia a Mianmar: a comunidade ainda é ligada e reconhece os sacerdotes do Pontifício Instituto Missões Externas, que levaram o Evangelho há cem anos para essa região", declarou à Fides Dom Pennacchio.

Dom Pennacchio- junto com o Bispo Sotero Phamo de Loikaw e com o Arcebispo metropolita Matthias U Shwe de Taunggyi - conferiu a ordenação episcopal a Dom Stephen Tjephe, Auxiliar di Loikaw. O rito foi precedido da procissão de mais de 200 sacerdotes provenientes também de outras dioceses. Na homilia, o Delegado Apostólico recordou as três características do Bispo: a fidelidade, a prudência e a bondade, fazendo referência a uma homilia do Papa Bento XVI. A liturgia foi muito bem cuidada e acompanhada por cantos em latim e nas línguas locais. Foi acompanhada por cerca de 30 mil fiéis, espalhados pelos espaços que cercam a Catedral.

Depois do rito religioso, Dom Pennacchio abençoou o edifício de dois planos do novo Centro pastoral diocesano de Loikaw, dedicado ao Bom Pastor.

O representante pontifício presidiu também a Santa Missa para a ordenação sacerdotal de dois diáconos e a Primeira Comunhão de uma centena de crianças.



Fonte: Agência Fides

segunda-feira, 14 de dezembro de 2009

Missão continental 2010 dirigida aos jovens

Vários jovens chilenos provenientes de paróquias, universidades, movimentos, congregações e instituições eclesiais, se reuniram ontem na catedral de Santiago do Chile para participar da celebração eucarística do envio missionário.

A missa foi presidida pelo responsável nacional da Missão Continental, Pe. Cristián Precht.

A celebração eucarística marcou um momento particular da Missão Continental, iniciativa pastoral que se realiza em toda a América Latina e no Caribe.

"A missão propõe a todos os católicos entrar num processo de renovação de sua fé que permite o encontro pessoal com Jesus Cristo" – frisou Pe. Precht.

Em 2010 a Missão Continental será endereçada, sobretudo aos jovens, sempre mais vulneráveis, e aos educadores. Vários jovens chilenos estão se preparando para fazer uma experiência de missão no país, em janeiro próximo, através da organização "Misión País" e da Pastoral Universitária.

Outros jovens aproveitarão o período de férias para participar de encontros de formação nas paróquias e nos movimentos apostólicos.



Fonte: CatólicaNet
Local: Santiago- Chile

sexta-feira, 11 de dezembro de 2009

Havana realizará Festival Internacional de Cinema Latino-americano

O festival teve ínicio no dia 3 de dezembro, e vai até o dia 13 do mesmo mês, em Havana, Cuba, o 31º Festival Internacional de Novo Cinema Latino-americano, que tem como proposta o reconhecimento e a divulgação de obras cinematográficas que contribuam ao enriquecimento e a reafirmação da identidade cultural latino-americana e caribenha.

A sessão oficial do festival contará com 110 filmes da Argentina, Bolívia, Brasil, Canadá, Chile, Colômbia, Cuba, Espanha, México, Nicarágua, Paraguai, Peru, Porto Rico, Reino Unido, África do Sul, Uruguai e Venezuela, das quais 104 competirão pelos prêmios Coral nas categorias de longa metragem de ficção, ópera prima, curta-metragem de ficção, documentário e animação.

Também ocorrerão encontros e seminários sobre diversos temas de interesse cultural e, em especial, cinematográfico.

Para mais informações, visite http://www.habanafilmfestival.com/

“Jovens alegres e engajados em favor de nossos direitos e deveres, por um mundo melhor"

Congresso Juvenil sobre Direitos Humanos


Guiados pelo slogan "Jovens alegres e engajados em favor de nossos direitos e deveres, por um mundo melhor", mais de 300 jovens de Ciudad Juárez participaram, em 28 e 29 de novembro, do I Congresso juvenil sobre Direitos Humanos, promovidos pelo Movimento Juvenil Salesiano (MGS) da cidade. O evento deu aos jovens a oportunidade de sobre a refletir sobre a importância, os fundamentos e a realidade atual do respeito da dignidade de todas as pessoas. Um exercício realizado num ambiente juvenil, iluminado pela fé e pelas típicas expressões da espiritualidade salesiana. Diante da difícil situação da cidade, considerada uma das cidades mais violentes do México, pela sistemática violação dos direitos individuais e coletivos, os jovens expressaram o desejo de não perder a esperança, uma esperança que pode se tornar realidade com o compromisso de toda pessoa. Por meio de várias atividades os jovens puderam identificar as situações negativas que os tocaram em particular e nas realidades em que vivem, trabalham e estudam. Os jovens evidenciaram aquelas práticas consideradas boas para prevenir as violações e promover o respeito pela dignidade de toda pessoa. Como resultado dos dois dias de reflexão, realizados no seminário diocesano de Ciudad Juárez, os jovens produziram uma declaração conjunta, publicamente proferida durante a celebração eucarística que concluiu o congresso. 


 Fonte: Agência Fides 
Local: México

quarta-feira, 9 de dezembro de 2009

A Campanha Nacional contra o extermínio dos jovens “para construir uma cultura de paz, para defender a vida dos jovens, denunciando as estruturas sociais que geram violência e morte”

Lançada no dia 28 de novembro em Ipatinga (MG), a “Campanha Nacional contra o extermínio dos jovens” mobiliza vários Grupos da Pastoral Juvenil do Brasil. A Campanha Nacional teve origem em 2008, durante a preparação da 15a Assembleia Nacional da Pastoral Juvenil no Brasil. O objetivo é construir uma cultura de paz, para defender a vida dos jovens, denunciando as estruturas sociais que geram violência e morte.
 

A iniciativa baseia-se em três pontos fundamentais. O primeiro refere-se à formação política e ao trabalho de base, com ações que promovem a sensibilização dos jovens para os debates sobre a segurança pública e os direitos humanos. O segundo concentra-se nas ações de mobilização da sociedade e na divulgação da campanha, e o terceiro ponto diz respeito ao controle e a denúncia das violações dos direitos humanos realizados pelos meios de comunicação. Pensou-se também em realizar estudos e seminários sobre os temas que envolvem a questão da violência contra os jovens.
 

Felipe Freitas, representante da pastoral juvenil na campanha contra o extermínio dos jovens, ressalta que, além da violência criminal, é importante recordar que a violência está presente também através da discriminação nas escolas, no ambiente cultural e na intolerância religiosa. Com esta campanha, procura-se provocar um grande debate nacional, com o objetivo de educar a sociedade e o governo sobre a questão. "Queremos denunciar as violações dos direitos humanos cometidas por diferentes entidades" disse.
 

A situação de violência contra os jovens é cada vez mais preocupante. Segundo as Nações Unidas (ONU), os jovens entre os 15 e os 24 anos sofrem mais agressões físicas, principalmente mulheres e homens negros. No âmbito das iniciativas para essa campanha, está previsto um Seminário Nacional de avaliação e acompanhamento da própria campanha, em julho do próximo ano, e das Marchas de âmbito local como preparação para a Grande Marcha Nacional que acontecerá em 2011.




Fonte: Agência Fides
Local: Ipatinga - MG

Convite para a festa da Marcha Mundial pela Paz e pela Não-violência.

Convite para a festa que acontecerá nesta quinta 10/12, para apoiar a Passagem da Equipe base Internacional da Marcha Mundial pela Paz e pela Não-violência.
Quem estiver na cidade de São Paulo não deixe de vir!
Teremos vídeos, música e muito mais dessa Grande mobilização mundial!




Equipe organizadora da Marcha Mundial em SP

terça-feira, 8 de dezembro de 2009

E agora o que você faz??


“Vão pelo mundo inteiro e anunciem o Evangelho!” (Mc 16,16)

“Posso eu ir pelo mundo inteiro e anunciar o Evangelho a todos, sem sair de minha casa, de minha cidade? Como vou realizar esta tarefa, eu que não estou preparado, não recebi um chamado especial?”

Muitíssimas pessoas se põem essas perguntas. E quando em suas igrejas ouvem falar de “missões”, pensam nos missionários espalhados pelo mundo, e não sabem que as palavras de Jesus: “Vão pelo mundo e anunciem o Evangelho a todas as pessoas...” não foran dirigidas a uma classe especial de pessoas, e sim a todos que nascem neste mundo e acreditam em Jesus, que disse: “Eu vim para que todos tenham vida e esperança de salvação!” (João 10,10).

Cada um de nós – declararam os Bispos reunidos na Conferência de Aparecida em maio 2007 – por ser discípulo de Jesus, é também missionário: todos, com nossa maneira de viver, somos responsáveis pelo anúncio da Boa Notícia do Evangelho.

Se pela nossa condição de vida nos podemos sair de casa para gritar ao mundo que Jesus veio trazer vida e esperança de salvação para todas as pessoas, também assim podemos e devemos ser missionários:

+ Com o nosso anseio e nossa oração para que todos conheçam o amor infinito de Deus Pai, que enviou seu Filho Jesus para dar sua vida por todos. Um amigo, muito simples e com pouca cultura, me dizia: “Eu me faço missionário ao rezar a todo momento “Pai nosso, seja feita a Tua vontade; venha a nós o Teu Reino!”

+ Com nossos esforços para, no dia-a-dia, defender e promover a vida de todos, especialmente dos pequenos e dos injustiçados.

+ Com nossa coragem e confiança em resistir a tantas mentiras e maldades, que os grandes deste mundo despejam sobre o povo.

+ Com a simplicidade e a alegria de quem acredita que é filho/filha de Deus e repassa aos outros essa mesma certeza.

+ Com nossa ajuda material aos missionários, que andam pelo mundo, fortalecidos pela nossa fé e amparados pela nossa solidariedade.


Amigo! Amiga! Não diga mais que você não tem uma vocação especial. Você tem sim; todos temos. A nossa grande vocação é a VIDA, que recebemos de Deus; é o Batismo que nos faz semelhantes a Jesus, Filho de Deus. Vida e batismo são a grande vocação e o chamado especial de cada um.

Se você não se deixar sacudir e alegrar com isso, vai se deixar engolir pela idéias deste mundo: corre perigo de perder a sua vida e de deixar que muitas outras vidas sejam destruídas!

Padre Lino, Missionário Comboniano

segunda-feira, 7 de dezembro de 2009

Oscar Romero é o tema do fim de semana de espiritualidade missionária

 No âmbito do caminho de reflexão missionária para o 30° aniversário do assassinato de Dom Oscar Arnulfo Romero, Arcebispo de San Salvador (El Salvador), ocorrida em 24 de março de 1980, a Consulta Missionária Juvenil (CoMiGi) propõe a todos os jovens, cotidianamente engajados no anúncio da Boa Nova, um fim de semana de espiritualidade missionária intitulada "Romero: pastor, profeta e mártir. Um sinal do sonho" que se realizará de 30 de abril a 2 de maio de 2010, em Rocca di Papa, no Centro de espiritualidade Mundo Melhor. Durante estes meses os jovens estão de fato seguindo um percurso de formação e de reflexão sobre Oscar Arnulfo Romero, cuja recordação é particularmente viva a fim de redescobrir, por meio de diretrizes pastorais, subsídios e documentos, o significado da proclamação "do Evangelho do amor". No final deste caminho, o fim de semana de abril irá propor testemunhos, reflexões, laboratórios de oração. As inscrições se abrem no dia 3 de dezembro, Festa de São Francisco Xavier, padroeiro das Missões.


Fonte: www.fides.org

Curso de Verão 2010 acontece em janeiro

De 10 a 17 de janeiro de 2010, acontece a 23ª edição do Curso de Verão, na Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP). O tema tratado será "Políticas e Comunidades Humanas: Por uma prática Popular Transformadora". Promovido pelo Centro Ecumênico de Serviços à Evangelização e Educação Popular (Cesep), o curso é direcionado a jovens e pessoas comprometidas com trabalhos pastorais, comunitários e com os movimentos populares e suas causas.


Várias discussões integram o curso, entre elas, Políticas publicas e reforma política - ética e participação popular, cuja assessora é da deputada federal e ex-prefeita de São Paulo, Luiza Erundina; e Política, teologia e educação popular - a formação do militante na mística do serviço, assessorado pelo sociólogo e educador popular da Universidade Federal do Ceará (UFCE), Luiz Eduardo Torres Bedoya. Haverá ainda duas mesas redondas. Uma dos movimentos e iniciativas populares em favor da ética e da reforma política e a outra das escolas de formação em fé e política.


O Curso de Verão é um programa de formação popular no campo sócio-cultural, a partir da realidade e dos seus desafios, à luz da Bíblia, Teologia, Pastoral e do compromisso cristão na sociedade. É um espaço ecumênico e inter-religioso de convivência, partilha, troca de experiências, celebração e compromisso.


De acordo com os organizadores do evento, essa nova edição manterá um formato mais compacto, com duração de oito dias, combinando reflexão teórica e espaços de criatividade. Quem se inscrever até o dia 20 terá desconto no valor da taxa.


Informações pelo telefone (11) 3105-1680.


Fonte: www.cnbb.org.br

sexta-feira, 4 de dezembro de 2009

De Puebla a Aparecida


O Setor Juventude da CNBB promove a partir de hoje dia 4 até 6 de dezembro de 2009, no Centro Mariápolis Ginneta, em Vargem Grande Paulista (SP), o Seminário Nacional sobre os 30 anos da Conferência de Puebla, um momento forte de celebração e memória da importante opção que a Igreja da América Latina fez em 1979.



 A Igreja confia nos jovens. São para ela sua esperança. A Igreja vê na juventude da América Latina um verdadeiro potencial para o presente e o futuro de sua evangelização. Por ser verdadeira dinamizadora do corpo social e especialmente do corpo eclesial, a Igreja faz uma opção preferencial pelos jovens em vista de sua missão evangelizadora no Continente.
(Puebla, 1186)
    

Concurso de Música


Ele se fez pobre para nos enriquecer


Ele se fez pobre para nos enriquecer

Desde 1998 a Igreja no Brasil dedica o 3º domingo do Advento para a Campanha Nacional de Evangelização. Nela, além de sensibilizar os católicos brasileiros para o imenso campo apostólico que é nosso país, com suas mais de cem mil comunidades, a Igreja no Brasil vem pedir a seus membros uma colaboração material especial para ajudar a manter-se com seus projetos de evangelização.

A evangelização é todo um processo, que, de acordo com o Projeto da Missão Continental, segue um itinerário bem marcado: o primeiro passo é o encontro pessoal com Jesus (que para os pagãos se faz através do primeiro anúncio da Palavra e da Pessoa de Jesus), que deve levar a uma autêntica conversão (resposta inicial de quem crê em Jesus Cristo e se esforça por segui-lo), que levará ao discipulado, ou seja, o amadurecimento constante no seguimento de Jesus (graças á catequese permanente e á vida sacramental). O discipulado, por sua vez, exige a comunhão, isto é, a vida em comunidade (pois nenhum discípulo de Jesus vive sozinho) e atinge seu cume na missão (quando o discípulo sente que não pode guardar só para si a imensa riqueza que recebeu no seu batismo).

E aqui entre o tema da Campanha de Evangelização deste ano. Jesus, sendo rico (é Deus), esvazia-se a si mesmo ao assumir nossa natureza humana. O Criador torna-se criatura. Santo Agostinho vai nos dizer, eloquentemente, que “ao assumir nossa humanidade, Deus nos torna participantes de sua divindade”, isto é, enriquece-nos com uma riqueza que o “ladrão não rouba e a traça não destrói” (cf. Lc 12,33).

O tempo do Advento, escolhido para a Campanha da Evangelização, nos ajuda a preparar o presépio de nossos corações para celebrar esta riqueza que nos é dada, o próprio Filho de Deus (cf. Is 9,5), fonte de todo bem e de tudo que é bom.

Mas, como já disse acima, não podemos acumular este tesouro só para nós, mas precisamos reparti-lo com os outros, s que estão ao nosso redor e também os que estão no mundo inteiro e que, este ano, mais uma vez não irão celebrar o natal por não saberem do que se trata, quem é o dono da festa. Ajudemos nossas paróquias, dioceses, Igreja no Brasil a realizar bem seu trabalho evangelizador, oferecendo nosso tempo, nossos talentos e também parte de nossos bens materiais. Quantos projetos deixam de ser realizados por falta de recursos humanos e materiais! Não aconteça de ser por mão fechada de nossa parte que alguém morra sem ter a oportunidade de ter feito uma opção livre e consciente por Jesus. Afinal, Ele confiou a cada um de nós a urgente (mesmo depois de dois milênios) tarefa de torná-lo conhecido por todo o mundo (cf. Mt 28,19). Somos ricos, possuímos a consciência do amor de Jesus por nós. Partilhemos esta riqueza com o Brasil e a humanidade inteira.
 



Pe. Edson Assunção - Secretário Nacional da IAM