terça-feira, 31 de maio de 2011

2º Congresso Latino-americano e Caribenho do Diaconado Permanente encerra com Peregrinação a Aparecida

O 2º Congresso Latino-americano e Caribenho do Diaconado Permanente foi encerrado, no sábado, 28, com uma peregrinação ao Santuário Nacional de Aparecida e uma confraternização cultural na Casa de Retiros Vila Kostka, em Itaici, município de Indaiatuba (SP).

Em Aparecida, os 165 diáconos participaram da missa presidida pelo arcebispo de Aparecida, cardeal Raymundo Damasceno Assis e concelebrada por bispos e presbíteros dos países Latino-americanos e caribenhos presentes ao Congresso.

Dom Damasceno, durante sua homilia, manifestou alegria em receber as delegações: “Nossa alegria é muito grande e agradecemos as bênçãos da Mãe Maria para o importante ministério diaconal. Alegramos-nos porque as dioceses estão redescobrindo o grande valor do serviço prestado pelos diáconos, em especial por ministrar os sacramentos do Batismo e do Matrimônio e no serviço da caridade, junto às pastorais sociais.”

Após a missa, os congressistas foram conhecer as instalações do Santuário Nacional. A Peregrinação terminou com almoço servido no subsolo do Santuário.

Confraternização

À noite foi realizado um Momento Cultural de Confraternização no Salão Vieira, do Centro de Espiritualidade Inaciana, Vila Kostka de Itaici.

Com cânticos populares, danças e poesias, as delegações mostraram seus traços culturais, enriquecendo o evento. Apresentaram seus principais traços artísticos e culturais: Uruguai, Paraguai, Costa Rica, Porto Rico, México, Chile, Venezuela, Colômbia, Cuba, República Dominicana e Brasil. A diversidade cultural trouxe a unidade cristã e social ao evento.

O 2º Congresso Latino-americano e Caribenho do Diaconado Permanente foi promovido pelo Departamento de Vocações e Ministérios do Conselho Episcopal Latino-americano (CELAM). Aconteceu na Casa de Retiros Vila Kostka, em Itaici, município de Indaiatuba (SP) e reuniu 256 pessoas: 20 bispos, 30 presbíteros, 165 diáconos, 40 esposas e 1 leigo. O lema do evento foi “Os diáconos: apóstolos nas novas fronteiras”.


Fonte: CNBB

Regional Nordeste 5 promove curso de formação para agentes da Pascom

A Pastoral da Comunicação do Regional Nordeste 5 da CNBB (Maranhão) realizou no mês de maio mais um Curso de Formação para os agentes da Pascom. O evento aconteceu no Centro Diocesano de Pastoral, na diocese de Grajaú (MA), cidade de Barra do Corda.  O curso teve como tema: Radio Jornalismo, e foi assessorado por Ed Wilson Ferreira Araújo, professor do Curso de Comunicação Social da Universidade Federal do Maranhão (UFMA), na habilitação Rádio e TV. O conteúdo programático incluiu aulas teóricas e atividade práticas sobre redação de noticias e linguagem radiofônica.

O objetivo foi qualificar os agentes da Pascom, afim de que o trabalho da evangelização e transformação social possa atender, a contento, as demandas sociais. Tendo em vista que a formação cristã, teórica e técnica dos comunicadores foi uma das prioridades assumida na ultima assembleia do Regional em 2009, na diocese de Viana (MA), cidade de Santa Inês.

No curso estiveram presentes cinco dioceses: Bacabal, Balsas, Brejo, Coroatá e Grajaú, com a participação de 29 comunicadores. O evento teve inicio no dia 20 com a acolhida dos participantes que chegavam das dioceses. No sábado, 21 foi realizada uma dinâmica de abertura, onde foi construída uma teia de aranha com um barbante, foi observado o grau de comunicação contido em cada participante e a importância do trabalho em equipe.

O professor Ed Wilson iniciou o curso com o gênero jornalístico que é o instrumento que dispõe o rádio para atualizar seu público por meio da divulgação, do acompanhamento e da análise dos fatos. Depois foi trabalhado cada gênero jornalístico de acordo com sua necessidade. Os participantes foram divididos em quatro oficinas de gêneros: Sonoplastia, Produção e Edição, Redação e Reportagem.

Ao final do curso foi produzido um programa Rádiojornalistico onde houve a participação de todas as equipes e mais uma vez foi ressaltado a importância do trabalho em equipe para que se possa levar aos ouvintes uma programação de qualidade.

Fonte: CNBB

Arquidiocese de São Paulo promete animar a juventude em sintonia com Jornada Mundial da Juventude

Setor Juventude da arquidiocese de São Paulo convida a população a participar dos projetos de Missão Jovem. Em sintonia com a Jornada Mundial da Juventude (JMJ) que acontecerá de 16 a 21 de agosto, em Madri, Espanha, o Setor Juventude da arquidiocese de São Paulo (SP) convida a população a participar um dos projetos de Missão Jovem que serão realizados no mês de julho.

São várias e diferentes propostas de ações missionárias coordenadas por Pastorais, Movimentos Eclesiais e Novas Comunidades que integram o Setor Juventude da arquidiocese. Este projeto de Ação Missionária do Setor Juventude é um dos frutos da Oficina Arquidiocesana do I Congresso de Leigos, "Vida e Missão junto à juventude", realizada em 2010, no Colégio São Luís.

O detalhamento das propostas de cada Projeto está no portal da arquidiocese de São Paulo na Internet, no endereço www.arquidiocesedesaopaulo.org.br ou no blog do Setor Juventude: www.setorjuventudesp.blogspot.com

Fonte: CNBB

segunda-feira, 30 de maio de 2011

Missa de envio para o 7º Mutirão Brasileiro de Comunicação

No sábado, 4 de junho, às 9h, será celebrada a missa de envio para o 7º Mutirão Brasileiro de Comunicação (Muticom), na Igreja do Sagrado Coração de Jesus, na PUC-Rio. A Celebração Eucarística será presidida pelo arcebispo do Rio de Janeiro, dom Orani João Tempesta, e transmitida ao vivo pela Rede Vida, TV Nazaré e WEB TV Redentor.

A missa do “Rio Celebra” já é tradição nessas emissoras e a cada sábado é celebrada em uma Igreja da cidade. É a primeira vez que a PUC-Rio recebe a celebração. O evento conta com a participação de todas as pessoas envolvidas com a comunicação na arquidiocese do Rio.

A missa de envio acontece às vésperas do 45º Dia Mundial das Comunicações, quando o mundo inteiro estará voltado para a mensagem do papa Bento XVI, “Verdade, anúncio e autenticidade de vida, na era digital”. O Pontífice pede que as novas formas de comunicação sejam utilizadas apenas no pensamento do bem coletivo, guiando, portanto as atividades do Muticom.

O Coordenador do evento, padre Omar Raposo, convida todos para participarem da missa e em oração transmitir, para além da mera tecnologia, o acolhimento, respeito e afetividade do povo carioca. “Pensar comunicação social dentro da pluralidade do Rio de Janeiro é um desafio que o Cristo soube fazer muito bem porque é o grande comunicador. Vamos pedir a intercessão dele para que o Brasil perceba como o povo carioca é capaz de se comunicar e comunicar sua beleza, alegria e fé”, disse o padre.

A Igreja do Sagrado Coração de Jesus fica no Campus da PUC-Rio, na Rua Marquês de São Vicente, 225, na Gávea.


Fonte: CNBB

JMJ-Madri: mensagens do Papa através do celular

Os organizadores da Jornada Mundial da Juventude Madri 2011 (JMJ), expressaram sua “esperança de poder fazer chegar um SMS do Papa Beto XVI a todos os jovens participantes na JMJ todos os dias entre 16 e 21 de agosto”. Destacaram que para receber a mensagem, os jovens deverão preencher um formulário que está no site do evento.

Os organizadores afirmaram que na atualidade mais de 250 mil jovens seguem a organização da JMJ através das redes sociais, por isso exortaram os responsáveis de grupos que chegarão à capital espanhola, a enviar “duas mensagens a todos os jovens que estejam inscritos em seus grupos”.

“Faltam só 82 dias para a JMJ 2011 Madri! Temos muita vontade de receber todos aqui em Madri!”, afirmaram. (SP)

O formulário de inscrição para receber os SMS do Papa está em: http://www.madrid11.com
 

Fonte: Rádio Vaticano
Local: Madri    

sexta-feira, 27 de maio de 2011

Caminho Neocatecumenal prepara missão na Europa pela JMJ

40.000 jovens de todo o continente vão neste fim de semana a Düsseldorf
 
Em preparação da Jornada Mundial da Juventude de Madri, que acontece em agosto, Kiko Argüello e Carmen Hernández, iniciadores do Camino Neocatecumenal, e o padre Mario Pezzi, vão se reunir com 40.000 jovens de toda a Europa.

O encontro será celebrado no dia 29 de maio, na Arena de Düsseldorf, e será presidido pelo cardeal Joachim Meisner, arcebispo de Colônia. Veja a entrevista de Kiko Argüello a ZENIT.

- Porque este encontro preparatório para a JMJ?

Kiko Argüello: A Jornada de Madri será um acontecimento muito importante para o futuro da Europa, e queremos preparar os jovens. Em Madri, haverá cerca de 200.000 jovens das comunidades neocatecumenais de todo o mundo, e cada grupo dedicará alguns dias para evangelizar um bairro ou uma cidade.

- Por que deseja apresentar aos jovens no encontro da Alemanha a sinfonia “O sofrimento dos inocentes”, obra de sua autoria, como reflexão preparatória para a Jornada de Madri?

Kiko Argüello: Nessa pequena obra se mostra a Virgem Maria sob a cruz, contemplando o suplício de seu filho, sempre obediente ao escândalo do sofrimento dos inocentes em sua carne, na carne de seu filho. Que mistério é o sofrimento de pessoas inocentes que pagam pelos pecados dos demais.

- Este concerto foi realizado também em Israel frente a um numero grupo de judeus, que ficaram muito impressionados. Por que, nessa ocasião, dedicou o concerto às vítimas do Holocausto?

Kiko Argüello: Alguns dizem que depois do horror de Auschwitz não se pode crer em Deus. Nietzsche escreveu: “se Deus existe e não ajuda os que sofrem, é um monstro. E se não pode ajudá-los, não é Deus, não existe”. Não. Isso não é certo. Um guarda de Auschwitz conta que quando viu a fila de prisioneiros que iam morrer teve uma dor profunda em seu coração e escutou uma voz que não sabia de onde vinha, que lhe disse: “coloca-te nu em fila com eles e vê a morte”. Isso foi o que Jesus fez. Ele é inocente, completamente inocente, o cordeiro levado ao matadouro que não abriu a boca, ele carregou o pecado de todos. Sustenta-nos a Virgem, que aceita a espada que, de acordo com o profeta Ezequiel, Deus preparou pelos pecados de seu povo, e agora atravessa a alma desta pobre mulher; e também Jesus quando, no jardim de Getsêmani, um anjo o ajuda a beber do cálice preparado para os pecadores. O profeta Ezequiel fala desta espada e deste cálice.

- Que significa essa profecia de Ezequiel?

Kiko Argüello: Deus viu que seu povo, eleito para ser testemunha de seu amor por todos os homens, abandona-o e se torna pior que os demais. Então o profeta enumera a quantidade de pecados cometidos. Deus também tinha dito a seu povo que não se alinhasse com o Egito, que era então o maior poder e, portanto, tinha maior segurança humana, mas que confiasse n’Ele. Mas as pessoas não o escutaram e continuaram até o abismo da violência e da perversão. O profeta tem uma impressionante lista de todas as abominações cometidas, e depois grita: “Espada, espada afiada para matar”. Então chega Nabucodonosor, e a espada entra em Jerusalém, corre sangue pelas ruas, o templo é queimado, e todo povo é exilado para a Babilônia: cumpriram-se todas as profecias de Ezequiel.

- Alguns entendem a profecia da espada como um castigo.

Kiko Argüello: Não, esta espada não é um castigo de Deus. Na realidade, Deus é paciente e evita que o desastre ocorra, porque não quer a morte do pecador, mas que ele se converta e viva. Mas chega um momento em que os homens, com seus pecados, separando-se de Deus, eles mesmos se lançam num abismo.

Um abismo físico, mas que é um abismo moral, que é o inferno, a separação total de Deus. O fato é que chegam a ser tão pérfidos que caem em um abismo de auto-destruição.

Não só não é um castigo, mas Deus envia seu filho. O Pai envia seu Filho, para que salve os homens deste inferno, e associa sua mãe a esta obra de levar sobre si os pecados. Cristo beberá deste cálice da amargura e o beberá até o fim, para que nós possamos receber o perdão dos pecados; mas sobretudo para que possamos ser curados do inferno mais profundo; e sua mãe o ajuda, deixando o coração ser atravessado pela espada.

- Também o Papa, quando convidou os jovens a irem a Madri, falou do inferno, sobretudo em relação com a situação atual na Europa e no Ocidente.

Kiko Argüello: A situação na Europa e no Ocidente é muito grave. Esta profecia de Ezequiel está sempre presente, também para nós hoje: não pode existir no mundo incesto, matar as crianças como no aborto, roubar, matar... É uma profecia poderosa que a Virgem assumiu acompanhando seu filho sobre a cruz, sobretudo para salvar a humanidade do inferno, porque o maior sofrimento não é a morte física, ou outros desastres: o mais terrível é a morte do espírito. Vemos hoje a enorme quantidade de suicídios que há, o abismo em que afunda o homem e a sociedade, por se separar de Deus.

- Por que esta profecia neste encontro?

Kiko Argüello: Neste evento animarei os jovens a que sejam fortes. Cristo bebeu do cálice e a Virgem se deixou atravessar pela espada. Agora já podemos evangelizar o mundo e dar às pessoas o fruto do cálice de Jesus Cristo e da espada da Virgem: a ressurreição e a vitória sobre a morte.

Em resumo, tudo isso está relacionado com a nova evangelização: dar aos jovens esta alegria e esta força. A música fala das profundidades de nosso ser e nos leva a amar a Virgem, que faz tudo para que possamos evangelizar e salvar a humanidade.

Na Alemanha, o Caminho está presente em 16 dioceses, com 80 comunidades e dois seminários Redemptoris Mater para a Nova Evangelização, nas dioceses de Berlim e Colônia. Há cinco Missio ad Gentes enviadas pelo Santo Padre, duas em Chemnitz e três na diocese de Colônia.

São grupos de famílias numerosas, cada uma acompanhada por um sacerdote, que vão viver em áreas onde a Igreja está ausente. Chemnitz, por exemplo, era a antiga Karlmarxstadt, que seria a cidade modelo do “paraíso” comunista. Ali, os não batizados são 98% da população e eles não sabem quem é Jesus. O comunismo deixou um vazio que não se pode superar politicamente, mas que só Cristo pode preencher. Inclusive na Rússia, nos últimos dias, Putin reconheceu que a maior ameaça para a futuro é a crise da família e a falta de filhos. Ele propôs que não se ofereça o aborto como serviço médico. O cardeal Joachim Meisner, no dia 25 de março de 2011, firmou o decreto para o estabelecimento da missão ad gente em sua diocese, que é uma nova forma de tornar presente a Igreja, não através da paróquia tradicional, mas através de uma comunidade de pessoas que vivem no meio do povo, como era na Igreja primitiva.

O Caminho Neocatecumenal é um caminho de iniciação cristã reconhecido oficialmente pela Igreja Católica para que batizados e não batizados possam iniciar um percurso de fé através do qual possam redescobrir o batismo e realizar uma experiência pessoal de Cristo e da salvação.


Fonte: Agência Fides

Aprovada a destruição. Que fazer?

Vivemos um eterno retorno quando se trata da proteção aos latifundiários e grandes empresas internacionais. No Brasil contemporâneo, pós-ditadura, nunca houve um governo sequer que buscasse, de verdade, uma outra práxis no campo. Todos os dias, nas correntes ideológicas do poder, disseminadas pela mídia comercial – capaz de atingir quase todo o país via televisão – podemos ver, fragmentadas, as notícias sobre a feroz e desigual queda de braço entre os destruidores capitalistas e as gentes que querem garantir vida boa e plena aos que hoje estão oprimidos e explorados.
Nestes dias de debate sobre o novo Código Florestal, então, foi um festival. As bocas alugadas falavam da votação e dos que são contra o código como se fossem pessoas completamente desequilibradas, que buscam impedir o progresso e o desenvolvimento do país. Não contentes com todo o apoio que recebem da usina ideológica midiática, os latifundiários e os capatazes das grandes transnacionais que já dominam boa parte das terras brasileiras, ainda se dão ao luxo de usar velhos expedientes, como o frio assassinato, para fazer valer aquilo que consideram como seu direito: destruir tudo para auferir lucros privados.
Assim, nos exatos dias de votação do novo código, jagunços fuzilam Zé Claudio, conhecido defensor da floresta amazônica. Matam ele e a mulher, porque os dois incomodavam demais com esse papo verde de preservar as árvores. Discurso tolo, dizem, de quem emperra a distribuição da riqueza, deles próprios, é claro. E o assassinato acontece, sem pejo, no mesmo dia em que os deputados discutem como fazer valer – para eles – os seus 30 dinheiros sujos de sangue.
Imagens diferentes, mas igualmente desoladoras. De um lado, a floresta devastada e as vidas ceifadas à bala, do outro, a tal da “casa do povo”, repleta de gente que representa, no mais das vezes, os interesses escusos de quem lhes enche o bolso. Pátria? País? Desenvolvimento? Progresso? Bobagem! A máxima que impera é a do conhecido personagem de Chico Anísio, o deputado Justo Veríssimo: eu quero é me arrumar!
No projeto construído pelo agronegócio só o que se contempla é o lucro dos donos das terras, dos grileiros, dos latifundiários. Menos mata preservada, legalização da destruição, perdão de todas as dívidas e multas dos grandes fazendeiros. Assim é bom falar de progresso. Progresso de quem, cara pálida? Ao mesmo tempo, os “empresários” do campo, incapazes de mostrar a cara, lotam as galerias com a massa de manobra. 

Pequenos produtores que acreditam estar defendendo o seu progresso. De que lhes valerá alguns metros a mais de terra na beira de um rio se na primeira grande chuva, o rio, sem a proteção da mata ciliar, transborda e destrói tudo? Que lógica tacanha é essa que impede de ver que o homem não está descolado da natureza, que o homem é natureza.
Que tamanha descarga de ideologia os graúdos conseguem produzir que leva os pequenos produtores a pensar que é possível dominar a natureza, como se ao fazer isso não estivessem colocando grilhões em si mesmo? Desde há muito tempo – e gente como Chico Mendes, irmã Dorothy e Zé Claudio já sabia - que o ser humano só consegue seguir em frente nesta terra se fizer pactos com as outras forças da natureza. E que nestes pactos há que se respeitar o que estas forças precisam sob pena de ele mesmo (o humano) sucumbir.
O novo código florestal foi negociado dentro das formas mais rasteiras da política. Por ali, na grande casa de Brasília, muito pouca gente estava interessada em meio ambiente, floresta, árvore, rio, pátria, desenvolvimento. O negócio era conseguir cargo, verba, poder. Que se danem no inferno pessoas como Zé Cláudio, que ficam por aí a atrapalhar as negociatas. Para os que ali estavam no plenário da Câmara, gente como o Zé e sua esposa Maria não existem. São absolutamente invisíveis e desnecessárias. Haverão de descobrir seus assassinos, talvez prendê-los por algum tempo, mas, nas internas comemorarão: menos um, menos um.
Assim, por 410 x 63, venceram os destruidores. Poderão desmatar à vontade num tempo em que o planeta inteiro clama por cuidado. Furacões, tsunamis, alagamentos, mortes. Quem se importa? Eles estarão protegidos nas mansões. Não moram em beiras de rio. Dos 16 deputados federais de Santa Catarina apenas Pedro Uczai votou não. Até a deputada Luci Choinacki, de origem camponesa, votou sim, contrariando tudo o que sempre defendeu.
Então, na mesma hora em que a floresta chorava por dois de seus filhos abatidos a tiros, os deputados celebravam aos gritos uma “vitória” sobre o governo e sobre os ecologistas. Daqui a alguns dias se verá o tipo de vitória que foi. Mas, estes, não se importarão. Não, até que lhes toque uma desgraça qualquer. O cacique Seatlle, da etnia Suquamish, já compreendera, em 1855, o quanto o capitalismo nascente era incapaz de viver sem matar: “Sabemos que o homem branco não compreende o nosso modo de viver. Para ele um torrão de terra é igual ao outro. Porque ele é um estranho, que vem de noite e rouba da terra tudo quanto necessita. A terra não é sua irmã, nem sua amiga, e depois de exauri-la, ele vai embora. Deixa para trás o túmulo de seu pai sem remorsos. Rouba a terra de seus filhos, nada respeita. Esquece os antepassados e os direitos dos filhos. Sua ganância empobrece a terra e deixa atrás de si os desertos. Suas cidades são um tormento para os olhos do homem vermelho, mas talvez seja assim por ser o homem vermelho um selvagem que nada compreende”.
Zé Claudio e Maria eram assim, vistos como “selvagens que nada compreendem”. Mas, bem cedo se verá que não. Eles eram os profetas. Os que conseguiam ver para além da ganância. Os que conseguiam estabelecer uma relação amorosa com a terra e com as forças da natureza. Eles caíram à bala. E os deputados vende-pátria, quando cairão?
Já os que gritam e clamam por justiça, não precisam esmorecer. Perdeu-se uma batalha. A luta vai continuar. 

Pois, se sabe: quem luta também faz a lei. Mas a luta não pode ser apenas o grito impotente. Tem de haver ação, organização, informação, rebelião. Não só na proteção do verde, mas na destruição definitiva deste sistema capitalista dependente, que superexplora o trabalho e a terra. É chegada a hora de uma nova forma de organizar a vida. Mas ela só virá se as gentes voltarem a trabalhar em cada vereda deste país, denunciando o que nos mata e anunciando a boa nova.

Fonte: Cimi - Conselho Indigenista Missionário

quinta-feira, 26 de maio de 2011

Novo centro de formação sobre mídia para os jovens locais

Foi inaugurado há pouco em Ranchi, capital de Jharkhand, o Lievens' Institute of Film and Electronic Media (LIFE), um novo centro da Companhia de Jesus para oferecer aos jovens das populações locais competências para se tornarem profissionais da mídia com uma visão ética, para que se empenhem a fazer sentir a voz de suas comunidades em nível nacional e internacional. Segundo as informações enviadas à Agência Fides pela Cúria Geral dos Jesuítas, durante a cerimônia de inauguração Pe. Francis Kurien, Superior Provincial de Hazaribagh, expressou a esperança de que os estudantes do centro se tornem agentes da comunicação, enquanto "hoje os meios de comunicação não oferecem muitas informações sobre o que acontece em Jharkhand". O Superior Provincial de Ranchi, Pe. Xavier Soreng, também ele presente na cerimônia, abençoando o edifício o definiu “um novo capítulo na vida de Jharkhand e um dom dos provinciais da Índia central às populações da região”. O centro oferecerá cursos de produção cinematográfica e televisiva. No final dos estudos, os alunos receberão um diploma do "Xavier Institute of Communication" de Mumbai com base em um acordo já estipulado. O programa prevê em breve também o início de cursos sobre comunicação eletrônica.

Fonte: Agência Fides

Na pista com os jovens, nas ruas com os pobres, na escola com os portadores de deficiência para anunciar Cristo

Ir os jovens, aos pobres e aos deficientes com um renovado impulso pastoral: é o estilo que os guanelianos relançam das Filipinas após a conclusão do GYM CONTEST, um evento muito aguardado pelos jovens de Manila, em que é oferecida a oportunidade de exibir-se na música, dança e performance em que os jovens são protagonistas e não meros espectadores. Eles aprendem a se conhecer, conhecem seus limites e potencialidades, para participar e partilhar num ambiente familiar. Segundo um comunicado enviado à Agência Fides pela Congregação dos Servos da Caridade, também as famílias dos jovens se entusiasmaram tanto com aqueles envolvidos em primeira pessoa quanto aqueles que são novamente chamados pelo evento, muitas vezes meninos de rua, que vivem às margens da comunidade. Mais de 300 presentes, para um dia de festa realizada na quadra de basquete do centro guaneliano. "Nstes dias estamos desenvolvendo alguns instrumentos da animação missionária para apresentar o catecismo aos pobres, e a partir de junho – disse Pe. Luigi De Giambattista, Superior Província da Divina Providência, que inclui os EUA, Índia, Filipinas e Vietnã – cuidaremos da preparação catequética dos portadores de deficiência em 18 escolas públicas, fecharemos a pequena creche anexa ao nosso centro para atender as crianças e jovens nas ruas, levando segundo o estilo do oratório, momentos de jogos e oração, cuidando da relação familiar. "Foi recentemente restaurado e abençoado uma parte da "Casa de Acolhimento João Paulo II", que acolhe até 12 pessoas, dotado de cozinha e sala comum. "Dedicamos ao Papa polonês, recentemente beatificado, que em Manila encontrou e encorajou os nossos bons filhos"- concluiu Pe. Giambattista. "Será uma casa aberta para a hospitalidade, orientada para a promoção vocacional e ao acolhimento de voluntários que desejam experimentar o que significa viver nas obras de misericórdia". 



Fonte: Agência Fides

7º Mutirão Brasileiro de Comunicação

Já estão abertas as matrículas para as oficinas do 7º Mutirão Brasileiro de Comunicação, que acontecerá entre os dias 17 e 22 de julho na Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC - Rio). O participante, já inscrito no evento, deve acessar o site www.muticom.com e efetuar o cadastro nas vagas disponíveis. As atividades estão catalogadas por dia para facilitar a escolha dos participantes. A matrícula é gratuita.

O Mutirão Brasileiro de Comunicação oferece oficinas técnicas e pastorais, que são aulas práticas e dinâmicas. O objetivo das oficinas é estimular o aprendizado das técnicas de comunicação e de atuação pastoral, como as de texto jornalístico e de comunicação e liturgia na mídia. Haverá também oficinas-visita a instituições relacionadas à comunicação, como por exemplo, ao Projac da TV Globo e ao projeto Nós do morro, no Vidigal, e grupos de trabalho para discussão teórica da comunicação na Igreja e na sociedade. Entre os temas destacam-se “Cinema e Religião” e “O sagrado e a comunicação”.  A lista de todas as atividades do evento está disponível no site do Muticom.

O valor da inscrição do evento é de R$ 80 e dá acesso a todas as atividades da programação como as oficinas técnicas e pastorais e os grupos de trabalho, exceto as oficinas-visita, que têm um custo adicional de R$ 35 pelo transporte.

Mais informações: Guilherme Simão pelo telefone 3527-1140/ 9479-1447 ou pelo e-mail assessoria.comunicar@puc-rio.br

Fonte: CNBB

Coordenação Nacional da Pastoral da Juventude discute caminhada da PJ à luz das DGAE

Dialogar sobre a caminhada da Pastoral da Juventude (PJ) à luz das Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora da Igreja no Brasil (DGAE), e discutir a defesa da vida da juventude. Foi o que aconteceu em Ceilândia (DF), entre os dias 19 e 22 de maio, na reunião da Coordenação Nacional e Comissão de Assessores da Pastoral da Juventude.

De acordo com o membro da Coordenação Nacional da PJ e representante do regional Centro-Oeste da CNBB (Distrito Federal, Goiás e Tocantins) Luis Duarte, a reunião “foi um forte momento para partilha, troca de experiências, organizar e potencializar a ação evangelizadora da PJ junto às juventudes, diante do cenário eclesial existente após a 49ª Assembleia Geral da CNBB, realizada no início de maio, e de reafirmar o compromisso com a vida da juventude por meio da participação na Comissão Organizadora da 2ª Conferência Nacional de Juventude, promovida pelo Governo Federal, em dezembro de 2011.

O Plano Pastoral da PJ para os próximos seis anos vai ser encaminhado nos próximos meses, assim como subsídios visando dinamizar a participação da juventude católica nas Conferências Estaduais e Municipais de Juventude e outros materiais da Campanha Nacional contra a violência e o extermínio de jovens.

Discussões

Os jovens e assessores se debruçaram sobre diversos assuntos, entre eles: avaliação da Ampliada Nacional da PJ, ocorrida em janeiro deste ano na diocese de Imperatriz (MA); elaboração do Plano de Ação Pastoral da PJ (2011-2016) e os Projetos Nacionais da PJ; X Encontro Nacional da PJ, a ser realizado em janeiro de 2012, na Arquidiocese de Maringá (PR); Análise de conjuntura eclesial; Caminhada da PJ nos regionais; Jornada Mundial da Juventude; II Conferência Nacional de Juventude; Campanha Nacional contra a violência e o extermínio de jovens; e Projeto de Revitalização da PJ na América Latina.

A reunião contou com a presença de jovens de dezesseis Regionais da CNBB, do Secretário Nacional da PJ, Thiesco Crisóstomo; da Comissão Nacional de Assessores e ainda com participação especial do assessor nacional do Setor CEBs na CNBB, Sérgio Coutinho.

Para outras informações sobre a ação evangelizadora da PJ, acesse o site: www.pj.org.br.

Fonte: CNBB

quarta-feira, 25 de maio de 2011

Um novo Catecismo para os jovens em vista da JMJ

Um novo Catecismo para os jovens em vista da Jornada Mundial da Juventude: esta é a iniciativa da Conferência Episcopal da Coreia que, através de um trabalho sinergético entre a Comissão para a Catequese e a Comissão para os Jovens, publicou o sétimo e último volume do “Catecismo para os Jovens”, ultimando uma série intitulada "Amar a Deus e amar o próximo". Segundo as informações enviadas à Agência Fides pela Igreja coreana, o novo Catecismo, aprovado na última reunião de primavera da Conferência Episcopal, explica o Decálogo com textos sintéticos, de fácil leitura e através de estórias exemplares. Aprovada três anos atrás, a obra foi concluída e apresentada hoje, com tempestividade em relação a um evento que já catalisa, nesses últimos tempos, a atenção dos jovens coreanos: a Jornada Mundial da Juventude, que se realizará em Madri em agosto. Nos próximos dois meses, o Catecismo será objeto de estudo e de aprofundamento nas paróquias e associações. Durante a JMJ, os jovens coreanos terão modo de ler também "Youcat", o subsídio ao Catecismo da Igreja Católica realizado com a fórmula de perguntas e respostas dedicado aos jovens e editado em diversas línguas. A Comissão pretende traduzi-lo para o coreano.

Fonte: Seul

oração . a banda mais bonita da cidade

Curso de Liderança Juvenil reúne 400 jovens na diocese de Montenegro

Cerca de 30 grupos do Curso de Liderança Juvenil (CLJ), 400 jovens aproximadamente, da diocese de Montenegro (RS) participaram de atividades variadas como caminhadas, dinâmicas, missa e plantio de árvores.  As atividades aconteceram no Santuário Nossa Senhora Aparecida do Sul, em São Sebastião do Caí. Todas as cinco Áreas Pastorais do movimento foram representadas.

O diretor espiritual do CLJ na diocese, padre Ludinei Vian, destaca que o espírito de mútua ajuda que perpassou o encontro reflete o empenho e a oração para a comunhão e a unidade do CLJ. “Mas não podemos nos acomodar, quanto mais grupos se envolverem nesta caminhada que estamos realizando, mais eficaz será o cumprimento de nossa missão: evangelizar”, sublinhou.

Evangelização em Bagé

Todas as dioceses do Rio Grande do Sul se reuniram na cidade de Bagé para a grande missão “Jesus na Fronteira”. A mobilização contou com 40 jovens. Da diocese de Montenegro, participaram seis missionários da paróquia São João Batista e dois da paróquia Nossa Senhora do Rosário, de Teutônia.

A atividade, realizada de 13 a 15 de maio, teve como objetivo incendiar os corações dos jovens da diocese de Bagé. A organização foi do Ministério Jovem da Renovação Carismática Católica do RS.

Fonte: CNBB

Jovens Indígenas apresentam seus pedidos para Fórum da ONU

Por ocasião do 10° Período de Sessões do Foro Permanente para as Questões Indígenas das Nações Unidas (ONU), que está sendo realizado em Nova York desde 16 de maio e segue até o dia 27 de maio, a juventude indígena latino-americana apresentou seus pedidos. Os jovens participaram da Assembleia Global de Jovens Indígenas, que faz parte da Sessão, na qual formularam a declaração com ações contra a discriminação.

No documento, dirigido para a presidência do Fórum Permanente, os jovens afirmam "a importância de dar continuidade aos nossos povos e culturas”. Nesse sentido, expressam suas preocupações, solicitações e recomendações. Re-planejamento das metodologias dos censos, articulação entre os órgãos das Nações Unidas e a defesa da cultura e identidade indígena são as bases dos pedidos apresentados.

Os jovens criticam a falta de informação sistemática e de qualidade, levando em consideração que os censos populacionais "não refletem as cifras reais da população indígena”. Eles avaliam que "as variáveis utilizadas não se adéquam para a realidade, a diversidade cultural dos nossos países, nem para a auto-identificação”.

Nesse sentido, propõem o re-planejamento das metodologias dos censos e dos procedimentos de aplicação. Dizem que os censos da população devem ser feitos com amplos processos de consulta e devem incorporar dados desvinculados e variáveis étnico-culturais, etárias e de gênero, indo além das pesquisas domiciliares e registros básicos.

Ademais das metodologias dos censos, também são colocadas como prioridade de ação as múltiplas manifestações de violência; a rara presença da juventude indígena em espaços de participação política, como o Fórum Permanente, o Mecanismo de Especialistas sobre Povos Indígenas, e outros órgãos e mecanismos da ONU; e o distanciamento das crianças e jovens indígenas de sua própria cultura.

Como uma das formas de melhorar a realidade exposta, os jovens propõem uma ação coordenada e articulada das agências das Nações Unidas a fim de que se iniciem programas especialmente dirigidos para melhorar as condições nos campos da educação e saúde da criança, adolescência, juventude, e das mulheres indígenas.

Indicam também remuneração de recursos econômicos "dignos e suficientes” para a implantação de políticas e programas dirigidos para os povos indígenas e em especial para a infância e a juventude.

Diante de problemas de violência, tráfico, exploração sexual, suicídio, perda de laços culturais, entre outros, os indígenas propõem a realização de estudos referentes a migração da infância e dos adolescentes dando ênfase nessas problemáticas enfrentadas.

Também sobre essas problemáticas, os jovens solicitam uma atenção especial, do ao Relator Especial, sobre a situação dos indígenas em relação à venda de crianças, à prostituição infantil e à utilização de crianças na pornografia, e para outros Relatores Especiais que possuem o poder de analisar a situação da infância.

Finalmente, para intensificar a participação dos jovens, eles sugerem que as agências da ONU, ONG’s de apoio e doadores em geral assegurem recursos financeiros destinados a participação de jovens indígenas em espaços internacionais como o Fórum Permanente.

Fonte: Camila Maciel - Adital

terça-feira, 24 de maio de 2011

E eu, onde estou? ARSENAL DA ESPERANÇA - Brasil - dados Nações Unidas

O jovem é solução e não problema

É-nos por demais grato e com razões até de sobra, apresentar o tema da juventude, com muita alegria no coração e um abraço bem caloroso a todos quantos possam acolher nossa mensagem, suplicando fervorosamente a paz tão sonhada para os nossos jovens, que com muita garra lutam em favor da sua própria dignidade, querendo vê-los mais gente, criatura humana mais digna e, portanto, mais imagem e semelhança de Deus, o esplendor da verdade, que  brilha em todas obras do Criador (cf.Gn 1,26).

Na primeira viagem do Papa Bento XVI fez à América Latina, por ocasião da realização da V Conferência da América Latina e do Caribe, quando nós brasileiros tivemos o privilégio e alegria de acolhê-lo, em Aparecida, no Santuário Nacional. Foi no dia 10 de maio de 2007, que o Sumo Pontífice se dirigiu aos jovens do Brasil, no Estádio do Pacaembu, com a seguinte frase, logo no início do seu discurso: “Desejei ardentemente encontrar-me convosco nesta primeira viagem à América Latina”.  E diz também com veemência: “São vocês que vão traçar os rumos desta nova etapa da humanidade” e ainda acrescentou: “Por isso eu vos envio para a grande missão de evangelizar os jovens, que andam por este mundo errantes, como ovelhas sem pastor. Sede apóstolos dos jovens”.  E o Papa fez uma afirmação extremamente oportuna, ao encorajar nossa juventude, muito amada por Deus: “Sem o rosto jovem a Igreja se apresentaria desfigurada”.

Na Igreja tivemos a força de uma figura humana fascinada por Deus, que exerceu tal fascínio vendo Deus através juventude empobrecida de seu tempo. Trata-se do dom maravilhoso de São João Bosco, italiano de Turim (1815-1888), uma das pessoas mais populares da nossa civilização cristã. Seu grande e maior legado foi de se preocupar com a educação integral dos jovens, num tempo em que essa porção da sociedade começava a ser profundamente atingida por perigos de toda natureza, quis ele ser apóstolos dos jovens. Para bem desempenhar sua missão libertadora em favor dessa gente tão querida por Deus, jamais lhe faltaram sabedoria e dons humanos e sobrenaturais. Jesus, o bom Pastor, iluminou sua inteligência e a modelou, de modo que, foi levado a conhecer e a amar o Senhor, como tão bem expressa o Salmo: “Fazei brilhar sobre nós, Senhor, a luz da vossa face” (Sl 4, 7).

Ele pensava de ser sacerdote e sempre afirmava: "Quando crescer quero ser sacerdote para tomar conta dos meninos. Os meninos são bons; se há meninos maus é porque não há quem cuide deles". A Divina Providência atendeu os seus anseios. Em 1835 entrou para o seminário de Chieri, perto de Turim, Itália.

Ordenado Sacerdote no dia 05.06 1841, logo deu provas do seu zelo apostólico. No dia 8 de dezembro do mesmo ano iniciou o seu apostolado juvenil em Turim, catequizando um humilde rapaz de nome Bartolomeu Garelli. É aí que iniciou a origem da sua grande obra, que nós a conhecemos como os oratórios salesianos destinados aos jovens pobres, em tempos difíceis. Sua intenção era de ampará-los, preservando-os da ignorância religiosa e de todo tipo mal que os envolviam. Em 1846 estabeleceu-se definitivamente em Valdocco, bairro de Turim, onde fundou o Oratório de São Francisco de Sales. Ao oratório juntou uma escola profissional, depois um ginásio, um internato etc. Em 1855 deu o nome de Salesianos aos seus colaboradores, fundando assim, em 1859, com os seus jovens salesianos a Sociedade ou Congregação Salesiana, que para eles foi pai e guia no caminho da salvação, sempre pronto a prevenir em de reprimir. Criou ainda a Associação dos Cooperadores Salesianos, como prodígio da providência divina. Podemos, evidentemente, contemplar todo trabalho de Dom Bosco como hino de louvor, com um poema de Deus Pai, que tem sua razão ser, na fé, esperança e caridade.

Amou em profundidade a criatura humana, com um carinho especial para com os jovens de seu tempo, a ponto de sensibilizá-los através de seus pensamentos e frases, a saber: "Basta que sejam jovens para que eu vos ame.", "Prometi a Deus que até meu último suspiro seria para os jovens.", "O que somos é presente de Deus; no que nos transformamos é o nosso presente a Ele", "Ganhai o coração dos jovens por meio do amor", "A música dos jovens se escuta com o coração, não com os ouvidos."

O método educativo e apostólico de Dom Bosco se inspirou num humanismo cristão, buscando motivações e energia nas fontes da sabedoria evangélica, de partilhar em tudo a vida dos jovens; para isto concretizou seu desejo, abrindo escolas de alfabetização, artesanato, casas de hospedagem, ambiente de diversão, com catequese e qualificação profissional. E é exatamente por isso que a Igreja reza: "Ó Deus suscitastes São João Bosco para educador e pai dos adolescentes, fazei que, inflamados da mesma caridade, procuremos a salvação de nossos irmãos” (Missal Romano, pg. 546).

O uso didático de suas frases e pensamentos, relacionados aos meninos pobres dos oratórios, padres e irmãs, que se tornaram seus parceiros e colaboradores, foram de tal modo vital, que o tornou um extraordinário bem feitor da humanidade. Embora esses seus pensamentos sejam do século XIX, os temos como atuais e profundamente carregados de sabedoria, demonstrando o imenso carinho que Dom Bosco nutriu pelos jovens. Tratando-os jamais como um problema, mas como uma solução, tornando-se patrimônio da humanidade, na sua larga visão do mundo, dentro de uma realidade desafiadora, olhando para o futuro.

De estatura atlética, memória descomunal, inclinado à música e a arte, Dom Bosco tinha uma linguagem fácil, espírito de liderança, além de ser um escritor de raríssima qualidade.  O grande apóstolo da juventude partiu para o céu aos 31 de janeiro de 1888, na cidade de Turim, deixando indelevelmente sua marca espalhada por diversos países da Europa e da América. Sua vida e seu ideal perseguido foi o do amor ao próximo, como costumava afirmar que Deus o colocou no mundo, não para viver para si e sim para Deus, através do próximo, vendo com os próprios olhos sua obra crescer e prosperar. Ele mesmo enviou seus filhos salesianos em 1883, para fundar o Colégio Santa Rosa em Niterói, primeira casa salesiana do Brasil, de ensino fundamental. A segunda casa dos filhos de Dom Bosco, foi em 1886, com a fundação do Liceu Coração de Jesus, na cidade de São Paulo.

Homem que marcou em profundidade uma época, até mesmo com visões e sonhos. Ele que viveu na Itália, teve visões reveladoras, inclusive o grande sonho que viria a ser revelado, tornando-se realmente importante nas últimas decisões de Juscelino Kubitschek, no que diz respeito à Capital Federal no Planalto Central. No seu sonho, revelou que foi arrebatado pelos anjos, entre os paralelos 15º e 20º graus, onde havia uma enseada bastante extensa e larga, partindo de um ponto onde se formava um lago. Eis o sonho do Dom Bosco, verdade ou não, a cidade de Brasília, tornou-se realidade.

 

Pe Geovane Saraiva, Pároco de Santo Afonso

*pegeovane@paroquiasantoafonso.org.br

http://twitter.com/pegeovane
((85)3223-8785

 http://www.paroquiasantoafonso.org.br
 

Fonte: CatolicaNet - Pe Geovane Saraiva
Local: Fortaleza (CE)    

Realizada 1ª Formação de Multiplicadores da Campanha contra o Extermínio de Jovens na diocese de Caxias do Sul

Nos dias 21 e 22, a diocese de Caxias do Sul sediou a Formação de Multiplicadores da Campanha Contra a Violência e o Extermínio de Jovens, que reuniu cerca de 60 jovens de municípios da região leste do estado (Caxias, Porto Alegre, Canoas, Gravataí, Alvorada e Cachoeirinha), integrantes das Pastorais da Juventude e entidades da sociedade civil parceiras.

A iniciativa tem por objetivo formar novos agentes para a execução da Campanha contra a Violência e Extermínio de Jovens localmente, nas dioceses e municípios. E também incentivar a criação de comitês da Campanha, firmando parcerias entre as Pastorais da Juventude e as entidades da sociedade civil, na intenção de efetivar ações práticas.

“Foi um momento muito proveitoso, e agora o trabalho continua nas cidades, procurando envolver jovens de diversos grupos, escolas e movimentos sociais”, disse o assessor estadual da Campanha, Tiago Klein.

A Campanha Nacional Contra a Violência e o Extermínio de Jovens é organizada pelas Pastorais da Juventude, em parceria com entidades da sociedade civil organizada. No Regional Sul 3 da CNBB (Rio Grande do Sul), a Campanha conta  com a parceria das Pastorais da Juventude, Levante Popular da Juventude e Juventude LibRe. Além do apoio da ONG Trilha Cidadã, Regional Sul 3 e Reju-Sul.
 

Fonte: CNBB
Local: Caxias do Sul  
  

segunda-feira, 23 de maio de 2011

Jovens, vamos a Madrid?

Aproxima-se a Jornada Mundial da Juventude de Madrid, de 16 a 21 de agosto próximo. Nos dias precedentes, haverá a Pré-Jornada, durante a qual jovens de todas as partes do mundo serão acolhidos nas dioceses da Espanha e, ali, terão seus encontros e missões com os jovens da própria Espanha.

Prevê-se uma grande movimentação de jovens, que seguirão para Madrid, onde também terão o encontro com o Papa Bento XVI. A organização desse grande evento está na responsabilidade do Pontifício Conselho para os Leigos, mas contará muito com o apoio da Conferência Episcopal espanhola e com as organizações dos jovens espanhóis. Mais de 10 mil jovens do Brasil já estão com o passaporte pronto para viajar para a Espanha; e também mais de 60 bispos!

As Jornadas, iniciadas pelo Papa João Paulo II, têm o objetivo de estabelecer uma nova interação da Igreja com a Juventude; certamente, isso tem sido alcançado em boa parte, mas ainda há muito por fazer, quer porque os jovens evoluem e os protagonistas são sempre novos, quer porque a grande massa dos jovens ainda não está envolvida nas iniciativas pastorais da Igreja.

Ninguém duvida da importância fundamental da evangelização da juventude para que as novas gerações possam ser iniciadas na experiência do encontro com Cristo e na vivência da fé cristã e eclesial. As Jornadas criam boas oportunidades para verdadeiros “mutirões” de evangelização da juventude e seria pena não tirar todo o proveito dessa ocasião ímpar para o envolvimento dos jovens com a Igreja.

O Papa Bento XVI escolheu um belo tema para a próxima Jornada: “Arraigados e edificados em Cristo, firmes na fé” (cf Cl 2,7). O tema faz referência a uma passagem da Carta de S.Paulo aos Colossenses, na qual o Apóstolo, depois de falar das suas lutas e fadigas, como missionário do Evangelho, encoraja a comunidade, que recebe a carta para, a ficar firme naquilo que aprendeu do Evangelho: “Todos sejam encorajados, unidos no amor, para alcançar a riqueza do pleno entendimento e o conhecimento do mistério de Deus, que é Cristo. Nele estão escondidos todos os tesouros da sabedoria e do conhecimento”. E exorta, que ninguém se deixe levar “por discursos enganadores”.

A advertência de Paulo aos Colossenses tinha um motivo: Naquela comunidade cristã tinham se infiltrado falsos “pregadores” e “mestres”, que apresentavam teorias esotéricas e da mitologia e cosmologia grega sobre diversas divindades e forças cósmicas a governar a vida dos homens... Pretendiam também apresentar novas “revelações” e novos “conhecimentos” sobre Deus, ainda não manifestados... E os cristãos começavam a vacilar na fé. A toda hora, esses “mestres” aparecem também em nossos dias e levam consigo pouco firmes na fé. Ainda há poucos dias, fora do Brasil, alguém anunciava o dia e a hora exatas do “fim do mundo”... Errou de novo! Já o próprio Jesus ensinou que “ninguém sabe o dia e a hora, mas somente Deus”; e advertiu contra os enganadores e falsos profetas (cf Mt 24,3-8). A lição ainda não foi aprendida!

O texto de São Paulo continua e pede que os cristãos, “tendo acolhido Cristo, continuem caminhando com ele”. De fato, não basta ter tido um encontro fugaz com ele e, depois, ir atrás de outros mestres, ou continuar pela vida afora como se Cristo nada significasse. “Continuem caminhando com ele”, exorta Paulo, indicando que a vida cristã se expressa como “discipulado”, com Cristo, nos eu caminho, atrás dele. A CNBB destaca isso nas novas Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora (2011-2015). São Paulo usa ainda outras expressões semelhantes para dizer a mesma coisa: Viver “com” Cristo, “por” Cristo, “em” Cristo. Tudo isso coloca em evidência mais uma vez que a fé cristã, antes de ser adesão a um ensino e doutrina, é adesão firme a uma pessoa: a Jesus Cristo, Filho de Deus.

No texto proposto pelo Papa para a Jornada Mundial da Juventude toma como referência estas indicações muito expressivas de São Paulo: “Continuai enraizados nele, edificados sobre ele, firmes na fé, tal qual vos foi ensinada, transbordando em ação de graças. Que ninguém vos faça prisioneiros de teorias e conversas sem fundamento” (Cl 2,7-8). Quantos se deixam desviar da fé cristã, com tanta facilidade, “por qualquer vento de doutrina”, como folhas levadas pelo vento, planta sem raiz, casa construída sobre a areia...

A feliz escolha do tema da Jornada vai proporcionar uma reflexão importante para jovens e não-jovens sobre a nossa ligação e relação constante com Cristo (“enraizados” nele”); sobre o fundamento da nossa fé e vida cristã (“edificados” sobre ele); e sobre a necessária firmeza na fé, para não vacilar diante das mil dificuldades do caminho (“firmes na fé, como vos foi ensinada”).

Card. Odilo P. Scherer
Arcebispo de São Paulo

Publicado em O SÃO PAULO, ed de 17.05.2011


sexta-feira, 20 de maio de 2011

Infância e Adolescência Missionária completam 168 anos de atuação no mundo

Nesta quinta-feira, 19, a Infância e Adolescência Missionária (IAM) completaram 168 anos de atuação. A data é comemorada em todo o mundo. No Brasil, a IAM chegou em 1858 e sempre priorizou os seus objetivos. “Evangelizar, salvar e ajudar as crianças de todo o mundo as despertando para a dimensão missionária além-fronteiras”, conforme o secretário nacional da IAM, padre André Luiz de Negreiros.

Atualmente o Brasil conta com 30 mil grupos de Infância e Adolescência Missionária, articulação que teve início na década de 1990. De acordo com padre André o trabalho missionário com crianças e adolescentes sempre procurou seguir, no Brasil, o lema “Criança ajuda e evangeliza criança”, que segundo ele quer dizer que “por meio de nossos compromissos pessoal, material e espiritual criaremos comunhão com todas as crianças do mundo”.

O secretário lembra às crianças de não esquecerem nessa data histórica do maior bem da IAM: “As crianças batizadas podem ajudar muito oferecendo suas orações e sacrifícios em união com Jesus Menino, pois o socorro da fé é de valor muito grande para todos que sofrem”, exortou.

Por ter uma presença marcante na Igreja no Brasil, o secretário destacou nessa data que a Infância Missionária vive uma época frutuosa. A prova disso, segundo ele, é a abertura para a universalidade da missão e a oferta dos cofrinhos das crianças e adolescentes que em 2010 chegou a cerca de 15 mil reais. O secretário comemora também a presença da IAM nas comunidades, paróquias, escolas e creches, além das parcerias com entidades como Conselhos Tutelares e Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI).

Ao longo desses 168 anos de presença junto às crianças de todo o mundo, padre André faz questão de lembrar o que de mais significativo aconteceu na história da IAM. “Com certeza não podemos deixar de destacar que é muito significativo o número de crianças que foram salvas em todo o mundo por meio da ajuda de outras crianças e também Jesus que se torna conhecido e amado como diz o primeiro compromisso desta obra tão bonita”.

No Brasil a presença da IAM se faz necessária também, segundo o secretário, pelas diferenças sociais tão presentes em nossa realidade. Para ele, a presença da IAM tem como um dos seus objetivos trabalhar a dimensão da partilha e com isso aliviar a dor que as crianças sentem.

Ainda para comemorar a data, padre André convida as crianças e adolescentes de todo o Brasil a plantar uma árvore em sinal de vida em abundância, inspirados na Campanha da Fraternidade e, de modo particular, na Campanha Missionária que traz nas suas palavras iniciais “Vida abundante ao mundo ofereço”.
 

Fonte: CNBB
Local: São Paulo (SP)

6º Festival da Cultura Coreana

Promovido pela Associação Coreana do Brasil, o Festival da Cultura Coreana chega à sua sexta edição em 2011. O principal objetivo do evento é divulgar e compartilhar a cultura coreana com os brasileiros.


Recentemente, o bairro do Bom Retiro foi reconhecido oficialmente pelos órgãos governamentais de São Paulo como pólo de cultura coreana na cidade de São Paulo. “O evento também tem o objetivo de afirmar e homenagear esse fato, comemorando-o junto à comunidade coreana, bem como divulgando à população brasileira”, diz Yoo Na Kim, responsável pelo marketing do evento.

O festival contará com exposição de fotos, cerâmicas, artes plásticas, pintura, caligrafia hangul (o alfabeto coreano) e casamento tradicional coreano, com vestimentas e adereços.

Haverá também oficina de dobradura para crianças e de escrita hangul, apresentação de músicas, danças, tae kwon do, grupos de break dance, além da tradicional culinária coreana.

6º Festival da Cultura Coreana
Quando: 21 e 22 de maio, das 11:00 às 19:00
Onde: Oficina Oswald de Andrade, Rua Três Rios, 363
Bom Retiro, São Paulo-SP
Quanto: Gratuito

Todos devem apoiar a missão pastoral da Igreja com as crianças

 "É preciso formar os nossos filhos em todos os seus aspectos, espiritual, moral e físico", disse recentemente, o Cardeal John Njue, Arcebispo de Nairóbi, dirigindo-se ao clero, religiosos, religiosas, professores e aos pais no Encontro Pontifícia Obra Missionária da Infância (POIM), realizada na capital do Quênia. "Todos devem apoiar a Igreja em sua missão pastoral com as crianças. Cada um de nós – prosseguiu o cardeal segundo o Catholic Information Service for Africa devemos nos sentir obrigados a participar na educação dos nossos filhos". Dirigindo-se aos 500 crianças membros da POIM na Arquidiocese de Nairóobi, o Cardeal Njue recordou que com o lema "as crianças ajudam crianças" devem apoiar todas as outras crianças que sofrem, que têm fome ou não têm o que vestir, embora não pertençam aPOIM. O cardeal também agradeceu aos líderes missionários já engajados na missão pastoral com os mais jovens. 

Fonte: Agência Fides
Local: Nairóbi - Quênia

Fronteiras Móveis - Núcleo Artérias

Fronteiras Móveis discute incerteza, medo e vulnerabilidade sob a perspectiva do corpo. Neste trabalho, o Núcleo Artérias investigou dispositivos de conexão que geram oposições e tensões entre os performers provocando sucessivas instabilidades em seus corpos.

A partir da interferência de câmeras instaladas no palco, imagens em vídeo são captadas e manipuladas em tempo real. Estas imagens vigiam e expandem o espaço da cena criando ao mesmo tempo novos problemas e desestabilizações para os performers.

Tendo como suporte teórico o livro Medo líquido, do sociólogo Zygmunt Bauman, Fronteiras Móveis é a segunda parte da Trilogia Líquida do Núcleo Artérias. O trabalho recebeu o prêmio APCA em 2008 para criação em dança.

 “(...) Uma pessoa que tenha interiorizado uma visão de mundo

 que inclua a insegurança e a vulnerabilidade

 recorrerá rotineiramente, mesmo na ausência de ameaça genuína,

 às reações adequadas a um encontro imediato com o perigo;

o “medo derivado” adquire a capacidade da autopropulsão.”

Zygmunt Bauman, Medo Líquido

Arquidiocese de Niterói realiza 1º Encontro de Jornalistas

Acontece nesta sexta-feira, 20, o 1º Encontro de Jornalistas da arquidiocese de Niterói (RJ) cujo tema é “A Igreja e a Mídia”. Um dos pontos a ser discutido no evento será o regulamento da profissão do jornalista.

O Encontro começa às 19h na mitra arquidiocesana de Niterói. O setor de comunicação da arquidiocese informou que ainda há algumas vagas. Aos interessados ligar para 3602-1700.


Fonte: CNBB

Em encontro, arquidiocese de BH refletirá realidade da Pastoral da Comunicação

No próximo dia 4 de junho, a arquidiocese de Belo Horizonte (MG) realizará, na PUC - Minas Coração Eucarístico, o e-Pascom, encontro que refletirá a realidade da Pastoral da Comunicação (Pascom) nas paróquias, tendo como tema a mensagem do Papa Bento XVI para o 45º Dia das Comunicações, “Verdade, Anúncio e Autenticidade na era digital”.

Estão programadas palestras e apresentação de iniciativas de sucesso desenvolvidas por Pastorais da Comunicação. O objetivo é contribuir para uma comunicação ainda mais atuante e eficiente nas paróquias, dinâmica e em sintonia com os dias de hoje.
Todos os fieis, religiosos e seminaristas que se interessam por comunicação ou pretendem trabalhar na Pascom das paróquias estão convidados a participar deste encontro.

Fonte: CNBB

Pastorais Sociais do Regional Sul 1 refletem mudanças climáticas e definem programação de Seminário

O Fórum das Pastorais Sociais do Regional Sul 1 da CNBB (São Paulo) definiu nesta quinta-feira, 18, os últimos detalhes da programação do Seminário que será realizado nos dias 1º a 3 de julho, no Centro de Pastoral Santa Fé, em São Paulo (SP).

Com o tema “Mudanças Climáticas e Justiça Social”, a assessoria do Seminário das Pastorais Sociais será feita pelo Fórum Mudanças Climáticas, de Brasília.

Na reunião de ontem, 18, o Fórum fez reflexões sobre as mudanças climáticas que afetam a humanidade e a natureza criada por Deus. O bispo de Santos e presidente da Comissão Episcopal para o Serviço da Caridade, Justiça e Paz no Regional Sul 1, dom Jacyr Francisco Braido, encerrou as reflexões com oração e bênção.

Toninho Evangelista, da Campanha da Fraternidade, falou sobre a avaliação da CF-2011, realizada nos dias 13 a 15, em Itaici (SP), com o objetivo de trazer subsídios ao tema do Seminário. De acordo com ele, “a avaliação mostrou que a sociedade buscou participar do tema da CF deste ano com mais empenho que a própria Igreja, pois despertou a necessidade de discutir mais os efeitos da ação do homem que prejudica a natureza e a vida no planeta”, disse.

Ainda segundo Evangelista, “a Igreja poderia avançar um pouco mais na discussão e na ação”, afirmou. “Entre as propostas que as dioceses trouxeram destaca-se a necessidade da Igreja se posicionar com relação ao Código Florestal e dar continuidade aos debates com o Poder Público iniciados com êxito durante a Campanha da Fraternidade 2011. A Campanha não deve parar no início da outra Campanha, mas ter continuidade, pela abrangência do tema”, completou.


Fonte CNBB

Papa escolhe o tema da Jornada Mundial da Paz de 2012

O papa Bento XVI anunciou ontem, 19, o tema para a celebração da próxima Jornada Mundial da Paz, a ser realizada em primeiro de janeiro de 2012. A Jornada, que estará na sua edição de número 45, será guiada pela temática “Educar os Jovens à Justiça e à Paz”.

Escutar e valorizar as novas gerações na realização do bem comum e na afirmação de uma ordem social justa e pacífica, na qual possam ser expressos e realizados plenamente os direitos e as liberdades fundamentais do ser humano. Promover essa ideia é um dos objetivos do evento, levando em consideração que é um dever das atuais gerações dar condições às futuras para que construam um “mundo novo”, baseado nesses valores.

Segundo comunicado da Santa Sé para essa Jornada, os responsáveis públicos são chamados a operar de modo que instituições, leis e ambientes sociais sejam permeados por uma humanidade capaz de oferecer às novas gerações oportunidade de realização pessoal e profissional. E que assim seja possível construir a civilidade do amor fraterno, coerente com as mais profundas exigências de verdade, liberdade, amor e justiça para todos os seres.

O tema escolhido por Bento XVI insere-se no contexto da “pedagogia da paz”, delineada por João Paulo II: em 1985, com “a paz e os jovens caminham juntos”; em 1979, com “para chegar à paz, educar à paz”; e, em 2004, “um empenho sempre atual: educar para a paz”.

Fonte: CNBB

Começa primeira etapa da Escola de Assessores de Jovens em Maringá

Neste fim de semana, dias 21 e 22, começa em Maringá (PR) a primeira etapa da Escola de Assessores de Jovens (EAJO). Trata-se de um projeto da Pastoral da Juventude (PJ) arquidiocesana em parceria com a Casa da Juventude e apoio do Regional Sul 2 da CNBB (Paraná).

Destinado à formação de pessoas que desenvolvem ou desejam atuar no acompanhamento da juventude em suas mais diversas realidades, a Escola recebeu inscrições de padres, religiosas, seminaristas e leigos de Maringá, outras dioceses do Regional e até de outros estados.

O curso será realizado em quatro etapas entre os meses de maio e novembro deste ano. “Realidade juvenil: desafios e perspectivas” é o tema da primeira etapa, assessorada pelo mestre em Educação e um dos idealizadores da Casa da Juventude do Paraná, Antonio Carlos Frutuoso.

Temáticas

O tema “História da organização juvenil e do magistério da Igreja sobre a juventude” será abordado nos dias 9 e 10 de julho, “Ministério e Identidade do Educador/Assessor de jovens”, nos dias 13 e 14 de agosto. Na última etapa, dias 26 e 27 de novembro, a temática “Planejamento Pastoral e Pessoal” completará a programação da escola.

Outras informações e formulário de inscrição estão disponíveis no site da EAJO www.pjmaringa.com/eajo e também pelo e-mail eajo@pjmaringa.com Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.

Fonte: CNBB

Em encontro, arquidiocese de BH refletirá realidade da Pastoral da Comunicação

No próximo dia 4 de junho, a arquidiocese de Belo Horizonte (MG) realizará, na PUC - Minas Coração Eucarístico, o e-Pascom, encontro que refletirá a realidade da Pastoral da Comunicação (Pascom) nas paróquias, tendo como tema a mensagem do Papa Bento XVI para o 45º Dia das Comunicações, “Verdade, Anúncio e Autenticidade na era digital”.

Estão programadas palestras e apresentação de iniciativas de sucesso desenvolvidas por Pastorais da Comunicação. O objetivo é contribuir para uma comunicação ainda mais atuante e eficiente nas paróquias, dinâmica e em sintonia com os dias de hoje.
Todos os fieis, religiosos e seminaristas que se interessam por comunicação ou pretendem trabalhar na Pascom das paróquias estão convidados a participar deste encontro.


Fonte: CNBB

3º Encontro da Juventude Missionária de Alagoas discute “A Missão à luz da Palavra de Deus”

“A Missão à luz da Palavra de Deus”. Foi com este tema que aconteceu na última semana, dias 13 a 15, na diocese de Penedo, o 3º Encontro Estadual da Juventude Missionária de Alagoas. A formação reuniu cerca de 40 jovens da diocese anfitriã, da arquidiocese de Maceió e da diocese de Palmeira dos Índios.

O secretário nacional da Propagação da fé e Juventude Missionária, padre Marcelo Gualberto, assessor do encontro, discutiu com os participantes, no dia 14, “A Fundamentação Bíblica da Missão”, segunda etapa da formação continuada da Juventude Missionária no Brasil.

Sobre a temática, padre Marcelo trabalhou os textos bíblicos do Antigo e Novo Testamento; de modo particular, no Novo Testamento, o Livro dos Atos dos Apóstolos e Evangelhos. Divididos em grupos após a exposição, os jovens apresentaram com o apoio de um texto-base, em plenária, a “Missão à luz da Palavra de Deus”.

A Missão na realidade social

No dia 15, durante sua fala, padre Marcelo tomou por base o Compêndio da Doutrina Social da Igreja, na parte que destaca a missão da Igreja. Segundo ele, a formação daquele dia teve por objetivo proporcionar aos jovens e assessores participantes um conhecimento mais aprofundado a respeito da missão nas diversas realidades sociais que o missionário pode se inserir.

Padre Marcelo fez sua exposição a partir dos laços profundos entre evangelização e promoção humana. Ele lembrou que a Doutrina Social da Igreja atenta para a importância da Igreja não se esquecer de “promover na justiça e na paz o verdadeiro e autêntico progresso do homem”. De acordo com o secretário, é dever e corresponsabilidade do jovem não apenas saber disso, mas viver a missão onde quer que ela aconteça tendo em vista a realidade à qual ele (missionário) está inserido.

“O interesse pelo Evangelho requer justiça social. Não há evangelização se não há interesse em sanar ou auxiliar pessoas nas mais diversas injustiças que acontecem no mundo”, disse ele. Questionado sobre as motivações dessa preocupação da Doutrina Social da Igreja em evangelizar a partir das diversas realidades sociais, Gualberto afirmou que no âmbito da Juventude Missionária, por exemplo, “é importante estar consciente da realidade do povo que ele está evangelizando, seja em missão local ou ad gentes”.

A partir da exposição do secretário nacional, a coordenadora da JM em Alagoas, Luane Lira, disse que o encontro abriu horizontes para entender que a missão é um trabalho que nasceu de Deus. “O encontro foi a oportunidade de percebermos que a missão não é criação da Igreja, mas é de fato a obra-prima que Deus quis desde a encarnação enviando seu filho, Jesus Cristo, para nos salvar e que também Jesus Cristo nos envia hoje”.

Além dos jovens participantes, a formação contou ainda com a visita do padre Osmar José de Sousa, da paróquia Santíssima Conceição de Craíbas, que enriqueceu o encontro e se animou com a juventude já propondo a criação de grupos de JM em sua paróquia. Apoiaram o encontro o arcebispo de Maceió (AL), dom Antônio Muniz; o bispo de Penedo (AL), dom Valério Breda; e o bispo de Palmeira dos Índios, dom Dulcênio Fontes de Matos.

Fonte: CNBB

Site explica às escolas a Jornada Mundial da Juventude

Com o objetivo de explicar às escolas, na aula de ensino religioso, o que é a Jornada Mundial da Juventude (JMJ) o Grupo Editorial Luis Vives, de Madri, disponibilizou online o material preparado para a delegação diocesana de ensino. Dividido em três seções, o site é destinado aos professores de religião.

Na primeira seção foram recolhidas as informações sobre a Jornada Mundial da Juventude e a sua história, enquanto a segunda se concentra na mensagem do papa para a Jornada de Madri, e a terceira contém informações detalhadas sobre o tema específico da JMJ 2011.

Nesta seção se destaca também como esse conjunto de valores foi bem representado por figuras como Madre Teresa de Calcutá, mas também por organizações como a Cáritas e Manos Unidas da Igreja Católica, que está empenhada no combate à fome, pobreza, subdesenvolvimento e às suas causas.

Cada tema é desenvolvido através de uma apresentação multimídia e mais de 50 atividades. A iniciativa, que se destina à instrução religiosa em todas as escolas, tanto públicas como privadas, católicas ou não, levou inicialmente à criação de um DVD. Mas o DVD se esgotou em apenas quatro semanas, e se decidiu colocar online os materiais instrucionais.

Acesse o site em: http://www.edelvivesjmj2011.com


Fonte: CNBB

quinta-feira, 19 de maio de 2011

Eleita a nova presidência do Conselho Episcopal Latino-americano

No início da noite de ontem, 18, na Reunião Ordinária do Conselho Episcopal Latino-americano (CELAM) procedeu à eleição da nova presidência do CELAM. O novo presidente escolhido foi dom Carlos Aguiar Retes, arcebispo do México, que atualmente é presidente da Conferência Episcopal Mexicana e presidente do Departamento de Comunhão Eclesial e Diálogo do CELAM. Foi ainda, como primeiro vice-presidente, dom Rubén Salazar Gómez, atual presidente da Conferência Episcopal da Colômbia. Para segundo vice-presidente o escolhido foi o arcebispo de Campo Grande (MS), dom Dimas Lara Barbosa.

Dom Carlos Aguiar Retes, nasceu em 09 de janeiro de 1950 em Tepic, Nayarit. Ele foi ordenado padre em Tepic em 1973. A partir de 1997 ele foi bispo de Texcoco. Ele terminou seus estudos em Ciências Humanas e Filosofia no Seminário de Tepic (1961-1969), e estudou teologia no Seminário de Montezuma, Estados Unidos (1969 - 1972) eo Seminário de Tula, Hidalgo (1972-1973).

Em março de 2007, o papa Bento XVI o nomeou membro do Conselho Pontifício para o Diálogo Inter-religioso. De 2003 a 2007 foi presidente do Centro Pastoral do CELAM.
 
Vice-presidente

Dom Rubén Salazar Gómez nasceu em Bogotá, Colômbia, em 22 de setembro de 1942. Frequentou o seminário Ibagué onde estudou o ensino médio e, em seguida, o ciclo filosófico. Em Roma, na Universidade Gregoriana tem bacharelado em Teologia. No Pontifício Instituto Bíblico, ganhou sua licenciatura em Sagradas Escrituras.

Foi membro do Pontifício Conselho "Cor Unum" e representante dos países bolivarianos no Conselho Executivo da Caritas Internationalis. Em 1999 o papa João Paulo II o nomeou arcebispo de Barranquilla.
 
Segundo vice-presidente

Dom Dimas Lara Barbosa é o arcebispo recém-nomeado de Campo Grande (Mato Grosso do Sul, Brasil). Nasceu em Boa Esperança (MG) no dia 01 abril de 1956. Frequentou a Faculdade de Filosofia do Instituto de Filosofia de São Bento (SP) e Teologia no Instituto Teológico Sagrado Coração de Jesus, em Taubaté (SP. Ele obteve seu doutorado em Teologia Sistemática na Universidade Gregoriana, em Roma. Ele também se formou em Engenharia Eletrônica pelo Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA), São José dos Campos (SP), depois de trabalhar como engenheiro no Instituto de Atividades Espaciais. Dom Dimas foi por quatro anos secretário geral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), mandato 2007 a 2011.


Fonte: CNBB

Jornada da Juventude da diocese de Guarabira reúne 2 mil jovens

No domingo, 15, a diocese de Guarabira (PB) reuniu 2 mil jovens na sua 1ª Jornada Diocesana da Juventude. Para o evento foram acolhidos jovens de todas as paróquias da diocese, que participaram inicialmente de um café comunitário.

O bispo diocesano, dom Francisco de Assis Dantas de Lucena, presidiu a missa na qual sinalizou os jovens para a vida, missão e protagonismo. Durante sua homilia, dom Lucena refletiu o tema da Jornada Mundial da Juventude (JMJ-2011) que acontecerá em agosto, na Espanha e destacou que “costumamos dizer que a juventude é o futuro, hoje podemos dizer que a juventude é presente para a Igreja, e disse ainda: "Busquem a Jesus, o Bom Pastor, e serão felizes", lembrando que o domingo se celebrava a Festa do Bom Pastor.

2Após a Celebração os jovens caminharam com o auxílio de dois trios elétricos que animaram a multidão de jovens embalados ao som de músicas cristãs. Ao longo de todo o percurso a juventude demonstrou nítida satisfação e alegria incontida.

A programação variada, organizada pelo Setor Juventude, aliou momentos de animação, Adoração ao Santíssimo Sacramento, apresentação de teatro e dança, palestra, testemunho, partilha das experiências realizadas na semana da Juventude por Regiões Pastorais, exposição vocacional e a Palavra do bispo.

O ritmo animado e espiritualizado de Campina Grande marcou o encerramento da Jornada Diocesana da Juventude 2011, e levou às ruas de Guarabira, uma multidão de jovens que louvaram, dançaram e meditaram ao som dos mais variados estilos, entre eles axé e frevo.
Share/Save/Bookmark


Fonte: CNBB

quarta-feira, 18 de maio de 2011

Ouvir o inaudível é imprescindível - A questão dos moradores de rua

Anteontem, manhã do dia 15 de maio de 2011, oito moradores de rua foram envenenados, em uma praça da região da Pampulha, em Belo Horizonte, MG. Enquanto dormiam, foi deixada ao lado deles uma garrafa de cachaça com chumbinho, veneno para matar rato, adicionado,. Hoje, dia 17/05/2011, o Jornal Estado de Minas fez reportagem de Capa sobre “os moradores de rua” de Belo Horizonte, MG. Ouviu a prefeitura, comerciantes, sociedade incomodada pelo povo da rua e, perifericamente, ouviu dois peregrinos em situação de rua membros do povo da rua. Todavia, faltou ouvir com profundidade o povo da rua, vez que não ouviu os integrantes da Pastoral de Rua ou do Centro Nacional de Defesa dos Direitos Humanos da População em Situação de Rua e Catadores de Material Reciclável – CNDDH -, que se localiza em Belo Horizonte, MG, na Rua Paracatu, 969, Santo Agostinho, tel. 031 3250 6360, e-mail: centronddh@gmail.com.
Todas essas questões são bastante complexas e somente após ouvir muito e sentir muito o que pessoas que fazem da rua o seu lar e o seu modo de vida têm a nos ensinar é que podemos compreender o que está por trás de tudo isso.
Cotidianamente o povo da rua está sendo crucificado. Assassinatos, desaparecimentos, torturas, agressões, roubo de seus poucos pertences, injúria, discriminação. Cada vez mais estão sendo encurralados. Não podem mais ficar na rua, pois “a rua é dos carros”, dizem uns. Estima-se que haja  em Belo Horizonte mais de 2 mil pessoas sobrevivendo nas ruas. Não dá mais para taparmos os ouvidos diante dos clamores desse povo. Feliz de um povo que ouve os gritos do povo da rua, composto por pessoas que não são só um poço de miséria, mas são, acima de tudo, um poço de sabedoria, de humanidade e de dignidade humana que deve ser respeitada.
Um amigo me confidenciou, em São Paulo: “Outro dia eu estava parado no semáforo. Chegou um peregrino – povo da rua, injustamente chamado de mendigo - para pedir dinheiro. Eu disse para ele todo cheio de moral: “- Se você não fosse beber pinga, eu te daria dinheiro.” O peregrino, sorrindo e de braços abertos, me disse: “- Você disse que não me dá dinheiro, porque sou um vagabundo cachaceiro. Se você viesse dormir comigo umas duas noites aqui na calçada, neste frio lascado, você veria que a pinga é o meu cobertor. Bebo para esquentar meu corpo. Senão não agüento o frio e morro, como muitos outros colegas meus já morreram. Mas como você dorme no seu quarto quentinho, com ar condicionado, com 2 ou 3 cobertores, é muito fácil para você me chamar de cachaceiro. Bem dizia meu amigo: “Vemos o mundo a partir de onde estão os nossos pés.” Os seus pés estão em um bom apartamento e de lá você contempla o mundo.”
As políticas públicas para a População em Situação de Rua ainda estão muito aquém do necessário. Em Belo Horizonte, por exemplo, os albergues estão superlotados. Foi aprovada no Orçamento Participativo a construção de mais dois albergues, mas isso não saiu do papel ainda. Essa é uma questão social que diz respeito a todos nós, sobretudo ao poder público que tem, muitas vezes, considerado essas pessoas como “obstrução do espaço público, da via pública” e para desobstruir, manda a guarda municipal, os fiscais e a polícia militar limpar a área, “ir circulando”.
Para a População em Situação de Rua, em Belo Horizonte, tem sido aplicada a Lei municipal “Código de Posturas” do Município, sobretudo a parte que se refere às penalidades previstas neste código. A Municipalidade parece não saber que existe um Decreto Federal que regulamenta as Políticas Públicas para estes atores e, além disso, estão sendo “rasgados” os tratados internacionais de Direitos Humanos e os princípios basilares do nosso ordenamento jurídico como a defesa da vida.
O jornalista Pedro Rocha encontrou o Sr. Luiz Vida, que aos 50 anos, sobrevivendo na rua, rejeita o rótulo de morador de rua. Diz ser um peregrino. “O termo ‘morador de rua’ não condiz com a verdade”, diz. “As ruas são ocupadas pelos carros, não há espaço para outros”, reclama. Sr. Luiz abandonou o álcool, a maconha, a cocaína e o crack. Eloquente, expressa-se muito bem. Trabalha todos os dias na reciclagem de materiais, que são doados. “Uma boneca jogada fora pode ganhar vida e uma criança vai se realizar com ela”, conta o andarilho. “Somos como os extraterrestres. Viemos para invadir um terreno ocupado”, diz Luiz, que sabe o incômodo que representa para o “resto da população”.  Luiz diz rejeitar a mendicância, em troca de um modo de vida mais “espiritual”. Questionado sobre como consegue comida para sobreviver, aponta para os pombos que sobrevoam a Praça da Assembleia Legislativa de Minas e faz referência a uma passagem bíblica: “Eles não plantam nem colhem e todos os dias comem para sobreviver. Eu sou muito mais importante. É claro que Deus também iria me abençoar.” Luiz se compra a uma tartaruga, carregando seu casco para onde vai. A “casa” se restringe a duas malas, onde guarda os utensílios da cozinha e do quarto. A sala de estar é o banco de praça e as honras da casa são feitas por ele mesmo, disposto a conversar com quem se aproxima. “Renunciamos a uma vida para nos adaptar a outra. Cansei da vida que eu tinha. Tudo que é repetitivo é enjoativo”, resume.

As populações de classe média e alta vivem “protegidas” dentro de muros, pela cidade anda nos seus automóveis. Muitos vêem o povo da rua à distância, passam rápido por eles quando, raramente, cruzam a pé  a cidade. Muitos os rotulam como “mendigos”, “cachaceiros”... A “sociedade” sente-se ameaçada e cobra à prefeitura que “limpe a cidade”. Muitos não sabem que nos bancos das praças, nas calçadas, nas marquises está o Sr. José, o Sr. Pedro, a dona Thereza, a Maria... Que estas pessoas têm uma história de vida bonita para contar. Que são seres humanos e que têm todos os direitos garantidos pela Constituição e consagrados na Bíblia. Que merecem respeito e querem simplesmente ser tratados com humanidade. Desça do automóvel, ande pelas ruas, escute o povo de rua e ouça o inaudível. Isso é imprescindível e nos humaniza. Devemos abominar todo tipo de violência contra a vida, principalmente contra os nossos irmãos mais vulneráveis que só dispõem dos espaços públicos urbanos para a sua proteção.

Fonte: Delze Laureano[1], Gilvander Moreira[2] e Maria do Rosário Carneiro[3]


[1] Advogada, doutoranda em Direito Público internacional, professora de Direito Agrário e procuradora do município de Belo Horizonte, MG; e-mail: delzesantos@hotmail.com
[2] Frei e padre carmelita; mestre em Exegese Bíblica; professor de Teologia Bíblica do Instituto Santo Tomás de Aquino – ISTA -, em Belo Horizonte, MG; assessor da CPT, do CEBI, das CEBs e do SAB; e-mail: gilvander@igrejadocarmo.com.br - www.gilvander.org.br  – www.twitter.com/gilvanderluis - No facebook: gilvander.moreira

[3] Advogada, integrante da Comissão Pastoral da Terra – CPT/MG – e da Rede Nacional dos Advogados Populares – RENAP -, da Rede de Solidariedade à Comunidade Dandara; e-mail: rosariofi2000@yahoo.com.br