quarta-feira, 30 de junho de 2010

Encontro Regional de Congregações que trabalham com jovens

Acompanhe a Programação pra 2010 no Anchietanum

Semana de Oração 2011 já tem texto-base e logomarca

O Conselho Mundial de Igrejas (CMI), em parceria com o Pontifício Conselho para Promoção da Unidade dos Cristãos, produziu o texto-base da Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos 2011 (SOUC). O material será traduzido pela Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) e adaptado pelo Conselho Nacional de Igrejas Cristãs do Brasil (CONIC) para ser encaminhado às comunidades que celebrarão a Semana.

A SOUC-2011 tem como objetivo principal mostrar que a fé cristã possui centros comuns como, por exemplo, os Apóstolos, que foram responsáveis por compilar os ensinamentos de Jesus Cristo.    
"A SOUC é e sempre será um grande marco na busca pelo diálogo. Para o próximo ano, queremos fortalecer a Semana e, para isso, estabelecemos um acordo para promover a atividade em parceria com o Conselho Latino Americano de Igrejas, CLAI Brasil", disse o secretário geral do CONIC, Rev. Luiz Alberto Barbosa. A SOUC de 2010 foi celebrada por milhares de comunidades cristãs de todo o Brasil, inclusive de Igrejas que não compõem o CONIC.

Logomarca


Em virtude do crescimento da SOUC, o CONIC encomendou uma logomarca que será adotado a partir de 2011 (foto). A ideia é que o evento tenha identidade visual própria para harmonizar os materiais produzidos.

Fonte: CNBB

Em Curitiba, seminário inicia comemorações pelos 20 anos do ECA

No próximo dia 13, o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) completará duas décadas.  Além de comemorar o aniversário da Lei nº 8.069, é necessário fazer uma reflexão acerca dos avanços e desafios enfrentados ao longo desses 20 anos. É pensando nessas duas ações que acontece, desde ontem (28), em Curitiba, Paraná, o seminário "Criança Prioridade Absoluta: 20 Anos do Estatuto da Criança e do Adolescente".

Organizado pela Secretaria de Estado da Criança e da Juventude do Paraná (SECJ) e pelo Conselho Estadual dos Direitos da Criança e do Adolescente (Cedca-PR), o evento pretende reunir, até o dia 2 de julho, mais de 1.500 pesquisadores, conselheiros, representantes juvenis e profissionais ligados à questão da infância e da adolescência.

Durante cinco dias, os participantes têm a oportunidade de discutir os avanços e os desafios para o sistema de garantia de direitos da criança e do adolescente após os 20 anos do ECA. Além disso, o evento é dividido em cinco eixos temáticos, os quais abordarão questões mais específicas: II Seminário Nacional de Medidas Socioeducativas; Plano Decenal, Convivência Familiar e Comunitária; Enfrentamento à Violência contra Crianças e Adolescentes; e Enfrentamento ao Trabalho Infantil.

As atividades não se concentram apenas em discussões e debates. Ainda fazem parte da programação apresentações artísticas e homenagens a entidades e profissionais que colaboraram para a concretização da política da infância e da juventude no Brasil.

O seminário conta também com a presença do representante do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) na Argentina, Emílio García Méndez, quem aborda a questão dos "Diferentes sistemas de Adolescentes autores de ato infracional na América"; e do presidente do Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente (Conanda), Fábio Feitosa, o qual discute sobre os subsídios para a construção do Plano Decenal, documento que prevê as diretrizes da política da infância e da adolescências para os próximo dez anos.

O seminário acontece até a próxima sexta-feira (2), no Centro de Eventos da Federação de Indústrias do Estado do Paraná - Fiep (Av. Comendador Franco, 1341 - Jardim Botânico - Curitiba/PR).

Para mais informações, acesse: http://www.secj.pr.gov.br/modules/conteudo/conteudo.php?conteudo=445

Fonte: Adital - Karol Assunção

Estar a serviço dos/as mais pobres: Voluntariado Jovem - Julho 2010

Igreja tem de reforçar presença no mundo digital

Comissões Episcopais das Comunicações Sociais de Portugal e Espanha lembram necessidade de "recursos materiais, técnicos e humanos"

As Comissões Episcopais das Comunicações Sociais de Portugal e Espanha consideram fundamental que a Igreja esteja presente “no cenário do mundo digital”, lembrando para isso a necessidade de “recursos materiais, técnicos e humanos”.

No documento conclusivo do encontro ibérico que decorreu entre 28 e 30 de Junho, em Málaga, os responsáveis das Comissões falam das novas tecnologias da comunicação como “uma oportunidade onde se devem envolver sacerdotes, consagrados e leigos, educadores e catequistas”, em particular os mais jovens e “nativos” na rede.

“A evangelização na cultura actual, essencialmente mediática, passa por esta necessária exigência, à qual não basta responder só com louváveis considerações teóricas sobre os meios de comunicação, mas com projectos e realizações, possibilitando recursos materiais, técnicos e humanos necessários”, pode ler-se no documento, publicado pela Agência ECCLESIA.

As Comissões Episcopais das Comunicações Sociais de Portugal e Espanha foram acompanhadas pelo presidente do Conselho Pontifício das Comunicações Sociais, D. Cláudio Maria Celli, para analisar o tema “Igreja e novas tecnologias da comunicação: uma oportunidade para a missão pastoral”.

Os participantes manifestam a sua intenção de “unir os seus esforços aos dos homens e mulheres que fazem da comunicação e das novas tecnologias o seu meio de vida e de relações pessoais e sociais”.

“As novas tecnologias não só oferecem à Igreja grandes vantagens para uma mais eficaz gestão pastoral, mas também são meios privilegiados para partilhar bens e serviços, sem desvalorizar o encontro pessoal, familiar e comunitário”, referem as conclusões deste encontro ibérico.

Recordando o apelo do Papa ao exercício de um verdadeiro ministério pastoral na “cultura digital”, os membros das Comissões consideram necessário que “os futuros sacerdotes sejam adequadamente preparados para assumirem a missão de bons comunicadores, na qualidade e na transmissão da mensagem”.

Para estes responsáveis, as novas tecnologias constituem uma oportunidade “para a coesão social, para superar a solidão, fomentar as relações inter-geracionais e fortalecer novas redes de conhecimentos”.

O documento conclusivo precisa que o mundo das novas tecnologias “não pode ser um espaço isento de responsabilidades éticas e morais”, pedindo especialmente “a atenção dos pais e educadores e a eficaz acção das autoridades, que devem proteger os menores de conteúdos ofensivos da dignidade humana”.

Os meios de comunicação, acrescenta o texto, “são chamados a favorecer a solidariedade, promovendo assim o bem comum” perante a actual crise económica.

A comitiva portuguesa integrou seis elementos, com a presidência de D. Manuel Clemente, responsável pela Comissão Episcopal da Cultura, Bens Culturais e Comunicações Sociais.

Fonte: Agência Ecclesia

terça-feira, 29 de junho de 2010

Sul-africanos já sentem efeito de empregos temporários

A Copa do Mundo criou aproximadamente 35 mil vagas de trabalho na África do Sul, conforme informação de uma consultoria contratada pela Federação Internacional de Futebol (Fifa). Apesar da Copa ainda não ter terminado, o efeito dos empregos temporários já são sentidos pelos trabalhadores sul-africanos. De acordo com o índice Adcorp de Emprego, o nível de emprego no país caiu 6,2% entre os meses de abril e maio.

O índice oficial de desemprego continua alarmante, atingindo 25% dos sul-africanos. O desemprego cresce desde 2008, quando 21% da população já não tinha nenhuma ocupação. Segundo a Fifa, os efeitos da crise econômica mundial na África do Sul poderiam ser ainda mais devastadores sem o evento uma vez que 174 mil postos de trabalho não foram fechados em razão da Copa.

A situação é ruim também entre aqueles que se mantêm empregados. Manifestação de trabalhadores por salários maiores foram constantes antes do início do mundial e mesmo durante o evento. Protestos de trabalhadores foram duramente reprimidos pela polícia.

Seguranças contratados pela Fifa também denunciam que não estão recebendo o valor combinado, o equivalente a R$ 275 por partida. Depois do início dos jogos, o valor recebido foi de apenas R$ 90. Enquanto isso, a Federação já anunciou que os lucros da Copa sul-africana já superaram o da Copa da Alemanha e estão em torno de US$ 3,2 bilhões, quase R$ 6 bilhões.

Fonte: www.radioagencianp.com.br

Que tal um pouco de Blues?

segunda-feira, 28 de junho de 2010

Os jovens "missionários" de seus contemporâneos: quarta edição do Encontro Eucarístico Nacional

Uma "missão dos jovens para os jovens" tendo no centro a adoração eucarística por toda a noite dos dias 26 a 27 de junho: foi o significado da quarta edição do Encontro Eucarístico Nacional que se realizará no Circo Massimo de Roma. A organização está sob os cuidados da Basílica de Santa Anastácia no Palatino com a colaboração da Associação Nacional Papaboys.

O encontro teve início às 15h de sábado 26 de junho com o "II° Encontro das Associações sem fins lucrativos e ONGs" que terão a possibilidade de apresentar a própria atividade de solidariedade, acompanhado por seis horas de músicas e testemunhos, que se concluirão com uma jam session de artistas engajados no testemunho cristão e na Nova Evangelização.

A concelebração Eucarística presidida pelo Bispo auxiliar de Roma, Ernesto Mandara, abrirá o espaço "espiritual" que prosseguirá com a adoração eucarística durante toda a noite, dentro de uma grande tenda com mais de mil lugares que acolherá no Circo Massimo associações, grupos de oração, movimentos e jovens de toda a cidade. Às 12h de domingo 27 de junho a quermesse se concluirá com a participação na Praça São Pedro do Angelus rezado pelo Papa Bento XVI. Durante a manifestação estarão em funcionamento os centros de acolhimento de jovens ou famílias em dificuldades, e numerosos sacerdotes estarão disponíveis nas "tendas para atender as confissões". Para mais informações: ufficiostampa@papaboys.it .



Fonte: Agência Fides
Local: Itália

Juventude e maternidade prematura

O Santo Padre, o Papa Bento XVI, disse aos jovens que estavam reunidos com ele no Estádio do Pacaembu, em São Paulo, no dia 10 de maio de 2007, em sua visita ao Brasil: “O amanhã depende muito de como estais vivendo o hoje da juventude”. Com esta afirmação ele nos mostra que essa etapa da vida é a etapa na qual construímos nossas metas, sonhos, projetos, e que de nossa vivência do hoje depende o estado do nosso amanhã.

Porém, o que temos observado é uma série de problemas que nos apontam sinais de depreciação em nossa sociedade, tais como a desvalorização e desestruturação da família, o crescente aumento do consumo de drogas (lícitas e ilícitas), o hedonismo, ou seja, busca de prazer a todo tempo e a todo custo, a desvalorização do ser humano e uma deturpação dos valores e da moral, bem como a erotização dos conteúdos vinculados na mídia. Esses e outros problemas influem negativamente no comportamento e na vida de nossa juventude.

LEIA MAIS NA VERSÃO IMPRESSA!

Diante deste quadro, ainda nos deparamos com a maternidade prematura que afeta um grande número de adolescentes em todo o mundo. Em maior percentual as de classes sociais mais baixas. Em nosso país, segundo dados do IBGE, a porcentagem de casos de gravidez entre adolescentes de 15 a 19 anos aumentou 15% desde 1980. Somente para termos uma ideia das dimensões de tal fato, são cerca de 700 mil adolescentes que se tornam mães no Brasil a cada ano. E cerca de 1,3 % delas possuem de 10 a 14 anos. Anualmente, cerca de 20,5% das crianças que nascem, são filhas de adolescentes.

Observando esses dados, nos perguntamos acerca das causas de tal ocorrência e da situação desses pais. Além disso, é frequente o abandono da adolescente pelo homem. Inicia-se um processo de interrupção de ideais, como estudos, e uma série de coisas importantes para tal etapa de suas vidas, em função da nova e precoce responsabilidade. E como fica a situação dos recém-nascidos diante da inexperiência e precocidade de seus pais, para assumirem um compromisso tão sério e exigente como a educação de uma criança?


Sabemos que, atualmente, há uma imensa gama de informações acerca dos assuntos correspondentes à sexualidade e à educação sexual. Como dissera o saudoso Papa João Paulo II, na Carta às Famílias (nº16): “Os pais são os primeiros e principais educadores de seus filhos e, nesse campo, têm uma competência fundamental, por serem pais”.

Entendemos a necessidade do fortalecimento das famílias, do diálogo e da afirmação dos valores morais sociais e religiosos frente à atual situação de nossa sociedade.

E nós, como cristãos, somos convidados a dissipar as trevas dos sinais de morte que envolvem nossa sociedade, levando ao mundo uma mensagem de paz, alegria e esperança. E ,seguindo o convite do Senhor, ser sal da terra e luz do mundo, agentes de transformação em nossa sociedade.
 

Fonte: O Lutador
Local:Belo Horizonte (MG)    

sexta-feira, 25 de junho de 2010

Café com cultura!

São Luís Gonzaga - patrono da juventude e mártir da caridade

Luís nasceu no dia 09 de março de 1568, em Mântua, Itália. Seu pai, Ferrante Gonzaga, marquês de Castiglione delle Stiviere e irmão do duque de mântua, desejava que seu primogênito, seguisse seus passos na vida militar.

Para isso o pequeno Gonzaga recebeu educação esmerada freqüentando os ambientes mais sofisticados da alta nobreza italiana: corte dos Médici, em Florença; corte de Mântua; corte dos Habsburgos, em Madri.

Contudo, aquele menino daria fama à família Gonzaga com armas totalmente diferentes e quando foi enviado a Florença, na qualidade de pajem do grão-duque da Toscana, aos dez anos de idade, imprimiu em sua própria vida uma direção bem definida, voltando-se à perpétua virgindade.

Após ter recebido a primeira comunhão das mãos de São Carlos Borromeu, decidiu, para surpresa de todos, pela vida consagrada, na Companhia de Jesus, derrubando por terra os interesses de seu pai, que o despachou para as cortes de Ferrara, Parma e Turim. Mais tarde, Luís escreveu: "Também os príncipes são pó como os pobres: talvez, cinzas mais fetidas".

Renunciando ao título e à herança paternos Luís, aos catorze anos, entrou no noviciado romano, sob a direção de São Roberto Belarmino, esquecendo totalmente sua nobreza e escolheu para si as incumbências mais humildes, dedicando-se ao serviço dos doentes, sobretudo na epidemia que atingiu Roma em 1590.

Luís, morreu durante o 4º ano de Teologia no dia 21 de junho de 1591, com apenas 23 anos de idade, provavelmente tendo contraído a terrível doença: foi assim mártir da caridade e a Igreja o proclamou patrono da juventude e recentemente também protetor das vítimas da AIDS.

Fonte: www.jesuitas.com.br

quinta-feira, 24 de junho de 2010

Saúde pública será o tema da Campanha da Fraternidade de 2010

A Campanha de Fraternidade de 2012 já tem seu tema. Será "Fraternidade e saúde pública". A escolha foi feita hoje, 23, pelo Conselho Episcopal Pastoral da CNBB (Consep), que esteve reunido na sede da Conferência desde ontem.

O tema da saúde foi apresentado pela Pastoral da Saúde, respaldado por um abaixo-assinado com 142 mil assinaturas. A decisão do Consep foi unânime. No segundo semestre, o Conselho definirá o lema que deverá acompanhar o tema.


Fonte: CNBB
Local: Brasil

Cáritas da arquidiocese de São Paulo lança campanha SOS Nordeste

A Cáritas Arquidiocesana de São Paulo disponibilizou uma conta corrente para arrecadar recursos que serão repassados para cidades que têm sofrido com as chuvas na Região Nordeste, especialmente dos estados de Pernambuco e Alagoas.

SOS Nordeste - Cáritas Arquidiocesana de São Paulo
Banco Itaú
Agência: 0057
Conta Corrente: 17627-3

No domingo, dia 27, às 11h, na Catedral da Sé, o cardeal dom Odilo Pedro Scherer, arcebispo metropolitano de São Paulo, irá presidir celebração eucarística em solidariedade a todas as pessoas que estão sofrendo com as enchentes. Na ocasião, o arcebispo abre oficialmente a Campanha SOS Nordeste, da Cáritas de São Paulo.

Para a celebração de domingo, dom Odilo convida especialmente os milhares de nordestinos que vivem na capital paulista a comparecem à catedral para rezarem pelos seus conterrâneos que estão sofrendo com os desastres causados pelas chuvas. A arquidiocese de São Paulo estuda, ainda, um meio de organizar arrecadação de gêneros alimentícios.

Fonte: CNBB
Local: Brasil

Escolhido o cartaz da CF-2010

O Conselho Episcopal Pastoral da CNBB (Consep) escolheu, nesta terça-feira, 22, o cartaz da Campanha da Fraternidade de 2011, que tem como tema “Fraternidade e a vida no planeta” e lema “A criação geme em dores de parto”. Um dos carros-chefes na divulgação da Campanha da Fraternidade, o cartaz é escolhido mediante concurso divulgado pelo Setor Comunicação Social da CNBB. Para a Campanha deste ano, foram publicados 180 mil cartazes.

O cartaz escolhido para 2011 concorreu com outros 56 e foi idealizado por um grupo de seis estudantes do 5º período de publicidade da PUC de Campinas. Segundo Valdir Gomes Gameleira Júnior, um dos membros do grupo, a escolha de sua peça é importante devido a importância social que tem a Campanha da Fraternidade. “Do ponto de vista profissional, [a escolha de nosso cartaz] é importante porque acrescenta ao nosso portfolio”, disse Junior.

Esta não é a primeira vez que alunos da PUC-Campinas vencem o concurso. “A Campanha da Fraternidade gera bastante expectativa nos alunos de publicidade da PUC-Campinas, que já entram na faculdade sabendo que, no 5º período, a gente participa do concurso”, explica o estudante. A PUC mantém a Agência de publicidade IGLOO Comunicação Criativa, que funciona como um laboratório para os alunos.

Participam do grupo vencedor os alunos Fernando Henrique Novais, João Gabriel Godoy G. Pinheiro, Fábio Pellicer Siqueira, Ana Carolina Angelotti, Luís Guilherme Valim e Valdir Gomes Gameleira Júnior.

Fonte: CNBB

quarta-feira, 23 de junho de 2010

Se liga 16!!2010 é a nossa vez!

Se liga 16! 2010 é a nossa vez!

Neste ano de eleições, a UBES mobiliza os secundaristas brasileiros a exercerem seu direito ao voto com a campanha “Se Liga 16! 2010 é a nossa vez". A partir dos 16 anos o jovem tem a chance de eleger seus representantes, definindo assim os rumos de nosso país. Como em anos anteriores, a campanha circula nas escolas e chama os jovens a participarem da festa da democracia!

A União Brasileira dos Estudantes Secundaristas (UBES) lança por todo o Brasil o mote: “Se liga 16! 2010 é a nossa vez!”, voltado aos jovens que já podem tirar seu título eleitoral e fazer valer os seus direitos. Secundarista, se você tem 16 anos ou vai completar essa idade até 3 de outubro, já tem condições de votar, participando das eleições 2010.

“Penso que a juventude precisa entender seu papel na construção de um projeto de país”, afirma Yann Evanovick, presidente da UBES. O estudante esclarece que o “Se liga 16!” acontece em dois momentos. O primeiro objetivo é incentivar os jovens com 16 anos a tirar seu título de eleitor. Depois dessa fase, a idéia é estimular o voto consciente. “O eleitor precisa ficar atento e votar em candidatos que tenham disposição para defender os interesses do estudante, como o investimento em educação”, exemplifica Evanovick.

Tire seu título de eleitor pela internet!

A campanha “Se liga 16! Agora é a nossa vez!” já está a todo vapor. Lembre que o prazo para emitir o seu título de eleitor é até o próximo dia 5 de maio. Portanto, vá até um cartório eleitoral mais próximo de sua casa ou pela internet através do site www.tse.gov.br clicando neste link: Título Eleitoral. 

Entre em contato com a UBES e leve a "Se liga 16" para a sua escola. UBES: (11) 5084-5219 / 5082-2924.

Leve o Se Liga 16 para a sua escola! A UBES disponibiliza o material da campanha, confira:

http://www.4shared.com/file/bF4Dpema/campanha_voto_16_2.html

http://www.4shared.com/file/r7xPg8-9/campanha_voto_16.html

http://www.4shared.com/file/uGzHH8Se/cartinha_UBES_em_corel__fontes.html

http://www.4shared.com/file/mdanh6hE/cartinha_ubes_em_curvas.html

http://www.4shared.com/file/w55eO0vg/cartinha_ubes.html

Fonte: UBES

terça-feira, 22 de junho de 2010

Lançamento do livro: Tráfico de pessoas

Missa em homenagem ao 102° Aniversário da Imigração Japonesa no Brasil

Foi realizada no dia 19, uma missa em Ação de Graças ao 102° Aniversário da Imigração Japonesa no Brasil, na Catedral de Araçatuba (SP), presidida pelo bispo da diocese, dom Sérgio Krzywy.

A organização desta celebração foi realizada pela Pastoral Nipo-Brasileira (PANIB) da diocese. Segundo seu coordenador, Kossei Otsuka, o evento é realizado há 10 anos.

O coordenador Kossei destacou "o auge desta celebração foi em 2008, nos 100 anos da Imigração Japonesa. Nosso objetivo é fortalecer a fé dos japoneses e descendentes, como também agradecer todo carinho e acolhimento dos brasileiros conosco. Vale apena ressaltar que em nossa Pastoral existem brasileiros também".

Durante a celebração foi lembrado o nome de monsenhor Domingos Nakamura, que nasceu no dia 22 de agosto de 1865, em Fukue, uma das ilhas do arquipélago Goto, num vilarejo chamado Minami Matsuura-Gun. Seus pais eram descendentes dos cristãos que chegaram à ilha. Em 1880 ingressou no Seminário de Nagasaki, sendo ordenado padre em 07 de fevereiro de 1897. Veio para o Brasil em 1923 dedicando-se a uma vida missionária. Foi um dos primeiros imigrantes japoneses a dar assistência religiosa no Brasil e está passando por processo de beatificação.

Para saber mais sobre a PANIB Nacional acesse www.panib.org.br

Pastoral da Criança
 
Entre os dias 18 e 20, a Pastoral da Criança da diocese Araçatuba realizou sua Assembleia Anual, no Centro Pastoral, no Seminário São José.

O evento contou com a presença do Coordenador da Regional Sul 1 da CNBB (São Paulo) da Pastoral, José de Anchieta Ribeiro Santos que direcionou todos os trabalhos dos três dias de encontro, como também dom Sergio Krzywy.

Dom Sergio Krzywy, enalteceu a importância da oração a todos que trabalham para uma pastoral e sobre a importância do trabalho voluntário. "Quem é qualificado, trabalha para alguma empresa e ganha dinheiro. Mas o trabalho voluntário na Igreja não tem preço. O Reino de Deus é construído a partir do voluntariado. O Reino de Deus não tem medida, avaliação. Vale muito mais do que qualquer dinheiro neste mundo." O bispo agradeceu o empenho da pastoral neste último ano.

Durante o primeiro dia, ocorreu a eleição para o novo coordenador da Pastoral. Depois de todos os estágios da votação, foi reeleita a Sra. Denizarda como Coordenadora e como suplente a Sra. Ozenilda. Na sequência do encontro, todos participaram de palestras para capacitação e formação além de celebrações eucarísticas.

A Sra. Denizarda agradeceu a todos pelo empenho dos dois últimos anos e ressaltou diversas vezes que a Pastoral da Criança são todos seus membros e não uma única pessoa, a coletividade e a entrega à causa.
 

Fonte: CNBB
Local:Araçatuba (SP)    

segunda-feira, 21 de junho de 2010

José Saramago (1922-2010). O homem que dizia não

Morreu o homem de Lanzarote. E o mundo encolheu de ontem pra hoje: Saramago recebeu o ponto final. Além de haver sido o ganhador do primeiro Nobel de literatura concedido a escritor de língua portuguesa, foi a grande referência para a esquerda em todo o planeta. Nesse segundo aspecto guarda forte semelhança com o ideário político de nosso longevo e brilhante Oscar Niemeyer. 

Saramago foi alguém cuja arte literária se firmou ante a Academia do Nobel como mais representativo em nossa língua que Carlos Drummond de Andrade, Jorge Amado, João Cabral de Mello Neto. Recebeu o Nobel com 76 anos em uma época em que já era escritor prolífico, traduzido em dezenas de idiomas e tendo agregado junto à sua obra multidão de leitores com uma fidelidade inquebrantável.

Contava 87 anos de idade e pelo menos uns 12 séculos de história. Sua casa em Lanzarote, nas Ilhas Canárias, era a própria caverna do pensador inflamado e do justiceiro impiedoso para com as falsas quimeras. Era filho de pastores analfabetos e pobres; segundo o próprio Saramago, "para quem o livro era um luxo inatingível".

Sua estréia como escritor foi pontuada por amplos travessões e gritantes silêncios. O primeiro romance foi publicado em 1946 quando contava 23 anos de idade e o segundo somente veria letra tipográfica depois de 30 anos, em 1976. E fez um pouco de tudo: mecânico, funcionário público, gerente de gráfica, revisor, tradutor, articulista de jornal.

Totalitarismo revisitado

Aprendi a admirar Saramago muito cedo, contava ainda menos de 20 anos e ficava encantado com aquele texto avançando sobre as páginas, ignorando por completo idéias tão obscuras quanto parágrafos, letras maiúsculas, pontos finais. A escrita de Saramago é formada por potentes blocos de prosa sem pit-stop e nada de quebra de parágrafos e muito menos uso de aspas.

Intuo que pesquei dele esse jeito de me esparramar sobre o tema que desejo tratar e não poucas vezes entendo que se não fosse pela paciência e dedicação de uns poucos amigos (e revisores) toda a idéia seria abarcada, de um só jato, sobre o bloco primeiro do texto. Foi com o tempo que constatei ser impossível escrever aos pedaços e também impossível ser lido sem render reverência à necessidade que os textos têm de respirar e para isto vieram à existência os parágrafos e, mais além, o luxo que os bons intertítulos desfrutam, para deleite dos leitores. Era o ponto de união entre tradicionalismo e vanguardismo.

Saramago tinha jeito de rio caudaloso, guardando a extensão do Nilo e a vazão do Amazonas, e era dado a conchavos com a criatividade: Evangelho segundo Jesus Cristo, Ensaio sobre a cegueira, A viagem do elefante, Ensaio sobre a lucidez, Memorial do convento, A caverma, Cadernos de Lanzarote. Vendeu mais de dois milhões de exemplares em todo o mundo. Fernando Meirelles levou às telas em 2008 o inquietante Ensaio sobre a cegueira.

Era um autor crítico, utópico, comunista. Diante da Real Academia da Suíça disse que se para ganhar o Nobel tivesse que renunciar às suas convicções, renunciaria antes ao prêmio. Quando, pressionado pela igreja católica, o governo português bloqueou a entrada no país de um Prêmio Literário Europeu, em 1992, ele não demorou a seguir para o exílio nas ilhas Canárias, uma possessão espanhola.

E foi sempre um homem apaixonado. E sua paixão era a mulher, Pilar Del Rio, conhecida jornalista espanhola. "A ela, devo toda a minha vida", diria em 1993. Nada lhe passava batido. São recorrentes suas declarações e impressões sobre os conflitos de Chiapas, o regime cubano, a guerra no Iraque, a causa palestina, o Haiti. Suas idéias esbanjavam clareza. Foi um dos primeiros intelectuais europeus a visitar, ainda em 2002, a Cisjordânia e o que viu lá o levou a comparar o tratamento concedido por Israel aos palestinos com o Holocausto.

A ética foi o princípio criativo que brilhou em toda a sua produção intelectual. Achava cômico ser classificado como escritor triste, soturno, melancólico. Dizia ser seu direito esposar o pessimismo após viver em uma época com tantos conflitos armados ruinosos, com a destruição de Guernica, campos de extermínio mantidos pelos nazistas nos anos 1940, explosão de bombas atômicas sobre cidades japonesas, disseminação do agente laranja no Vietnã, os horrores de Abu Ghraib.

Para ele a globalização devia ser vista como uma nova forma de totalitarismo e lamentava o fracasso da democracia contemporânea em conter o sempre crescente poderio das empresas multinacionais.

Ponto de separação

É de admirar que alguém reconhecidamente pessimista tivesse seu grande sucesso de vendas com a cômica história de amor Baltasar e Blimunda, romance que retrata as desventuras de um trio de pessoas excêntricas em vias de ser exterminado pela Inquisição: um padre herege que inventa uma máquina voadora, um ex-soldado e a filha de um feiticeira dotada com visão de raio-X, sendo os amantes os dois últimos.

O crítico Irving Howe destacou em sua obra a reunião de uma fantasia lírica a um realismo áspero e só Deus sabe o que isso quer dizer, ainda mais agora, que não temos entre nós o bom decifrador de textos que foi Wilson Martins. Saramago era em boa medida a voz ceticismo europeu e, todos hão de concordar, era o mestre dos mestres na arte da ironia.

E era paradoxal tal qual o tempo em que viveu. Embora seus principais romances denotassem intensa preocupação com Deus, afirmava-se ateu militante. "A história humana seria muito mais tranqüila não fossem as religiões", dizia Saramago.

Quem não se lembra de uma das passagens mais líricas e inquietantes da obra de Saramago, revelada no excelente Evangelho segundo Jesus Cristo? Refiro-me à passagem em que Jesus na cruz pede desculpas à humanidade... pelos pecados de Deus. E tem início aí a bifurcação a separar seus admiradores de seus críticos. Os primeiros afirmavam ser essa percepção profundamente religiosa e os segundos, encontravam nela nada mais que explicita blasfêmia. Tal foi o escritor Saramago.

Grafado em pedra

Não vou deixar de compartilhar o quanto me agradou a leitura do seu A viagem do elefante. Neste, o autor detalhava em profundidade a história real, ocorrida nos 1700, em que o rei de Portugal tratava de levar o pobre quadrúpede de Lisboa para Viena. Todos os prós e todos os contra se encontram em transe literário e nos fazem pensar como é que alguém consegue extrair uma história cativante a partir desse enredo? Entretanto, há que se convir que Saramago tem o poder que poucos tem para descrever coisas e fatos e, caso não fosse a fatídica e hilária viagem do elefante por terras européias, ele poderia nos convidar a mergulhar numa xícara pequena de café e dali sair com a sensação que a literatura pode mais que qualquer tudo.

Em entrevista à televisão espanhola em fins de 1998 declarou que não tinha tempo para pensar na morte porque tinha muitas coisas que lhe faziam viver. E também não flertava com arrependimento: "Se tivesse que reviver tudo de novo, mesmo com o que há de triste, de mal, de feio, ainda assim, viveria tudo de novo".

E quando alguém foi levar flores ao túmulo de José Saramago bem poderia ler na lápide a ofuscante inscrição:

Jaz aqui o homem que ousou dizer não.
[Observatório da Imprensa].

Fonte: Adital

Campanha Nacional de Doação de Sangue

"Doe sangue, faça alguém nascer de novo."

Objetivo é mostrar que um gesto simples pode salvar vidas. Brasil precisa aumentar o estoque anual de bolsas para pelo menos 5,7 milhões

O Ministério da Saúde lançou nesta segunda (14) uma nova campanha de incentivo à doação de sangue. Com o lema “Doe sangue, faça alguém nascer de novo”, a campanha vai mostrar, até o próximo dia 30, como esse gesto de amor pode salvar vidas.

A campanha vai mostrar o depoimento de pessoas que tiveram suas vidas salvas com a transfusão de sangue. Haverá também a imagem de um bebê fazendo tarefa de adulto, representando as pessoas que nasceram outra vez ao receber sangue doado. A campanha estará na TV e também em outras mídias, como jornal, rádio e mobiliário urbano.

Cada vez mais a demanda por sangue aumenta nos hemocentros. O aumento de 30% no transplante de órgãos e o crescimento da população estão entre os fatores que fazem o país precisar cada vez mais de sangue para transfusão. São coletadas por ano 3,5 milhões de bolsas de sangue no Brasil, quando o ideal seria 5,7 milhões.

No Brasil, 1,9% da população é doadora de sangue. Mesmo estando este percentual dentro do parâmetro da Organização Mundial de Saúde (OMS) – de 1% a 3% da população – o Ministério da Saúde considera que é urgente e possível aumentar o número de brasileiros doadores: se cada pessoa doasse duas vezes ao ano, não faltaria sangue para transfusão no país.

Dia 14 de junho é Dia Nacional do Doador de Sangue, instituído em pela OMS e celebrado no Brasil desde 2004. A data é em homenagem ao cientista Karl Landsteiner, descobridor dos sistemas de grupos sanguíneos ABO. Para doar sangue, basta ir ao hemocentro mais próximo. Todo procedimento demora muito pouco, é seguro e não dói.

Consulta pública - Além da campanha, o Ministério da Saúde realiza uma consulta pública desde o dia 2 de junho sobre a proposta de mudar as idades mínima e máxima para doação. Hoje podem doar sangue quem tem em 18 e 65 anos. A proposta é que a idade seja de 16 a 68 anos. Com a mudança, 13,9 milhões de pessoas ficam aptas a doar sangue.

Outras informações importantes

Para doar sangue é necessário - Sentir-se bem, com saúde; apresentar documento com foto, válido em todo território nacional; ter entre 18 e 65 anos de idade; ter peso acima de 50Kg.

Recomendações para o dia da doação- Nunca vá doar sangue em jejum; faça um repouso mínimo de 6 horas na noite anterior a doação; não ingerir bebidas alcoólicas nas 12 horas anteriores; evitar fumar por pelo menos 2 horas antes da doação; evitar alimentos gordurosos nas 3 horas antecedentes a doação; Interromper as atividades por 12 horas as pessoas que exercem profissões como: pilotar avião ou helicóptero, conduzir ônibus ou caminhões de grande porte, subir em andaimes e praticar pára-quedismo ou mergulho.

Quem não pode doar- Quem teve diagnóstico de hepatite após os 10 anos de idade; mulheres grávidas ou amamentando; pessoas que estão expostas a doenças transmissíveis pelo sangue como AIDS, hepatite, sífilis e doença de chagas; usuários de drogas; aqueles que tiveram relacionamento sexual com parceiro desconhecido ou eventual, sem uso de preservativos.

Apoio: Planeta Voluntários
A maior Rede Social de Voluntários e ONGs do Brasil !!!
disque saúde 0800 61 1997
Ministério da Saúde
http://www.facaalguemnascerdenovo.com.br

Fonte: Agência Saúde

sexta-feira, 18 de junho de 2010

Kinshasa: Inaugurado o novo centro diurno para crianças e jovens de rua

Acaba de ser inaugurado em Kinshasa o "Centre Sainte Famille - Point d´eau", novo centro diurno dos guanelianos para crianças e jovens de rua. Muitas causas levam estas crianças a viver habitualmente nas ruas: quando as famílias os acusam de ser pequenos bruxos, em presença de guerra, divórcio, pobreza...

"Um fenômeno que representa a situação extrema e difícil da infância congolesa, especialmente na capital, Kinshasa" - escreve em uma nota enviada à Agência Fides Fr. Mauro Cecchinato, diretor das atividades na cidade e encarregado da equipe móvel. "Acolher, ouvir, servir, responder às necessidades, são as primeiras coisas que oferecemos aos nossos pequenos enfants de la rue". No dia 19 de junho, teremos o ingresso oficial dos meninos e jovens no novo Point d´eau.

É nosso desejo - conclui Fr. Mauro - oferecer a estas crianças e jovens uma ´casa´ que os acolha, um lugar de transito em que se sintam protegidos e seguros; por isso, o centro se transforma, de noite, num ´dormitório´ para cerca de 80 crianças, evitando assim os riscos da rua. Desejamos oferecer a eles uma vida digna, nada de mais, apenas o essencial, que consinta a cada um de se sentir acolhido, amado e aceito".


Fonte: Agência Fides
Local: Kinshasa

No Dia Mundial do Meio Ambiente (1998)

Mensagem de Nelson Mandela durante o Dia Mundial do Meio Ambiente de 1998.

Durante séculos, a Montanha da Mesa (Table Mountain) tem sido um símbolo da nossa cidade-mãe, a Cidade do Cabo. Durante os meus muitos anos de prisão em Robben Island, muitas vezes, contemplamos na Baía da Mesa (Table Bay) a magnífica silhueta da Table Mountain. Foi à sombra desta montanha que as primeiras guerras de resistência à dominação colonial foram travadas pelas tribos Khoikhoi (NT: também conhecidos como bosquímanos, hotentotes) que viviam na Península do Cabo. Pelas encostas da montanha os escravos da Indonésia e da Malásia, arrancados à força de suas casas no Leste, deixaram os restos mortais de seus líderes, de seus sábios e de seus homens santos. 
 
E foi em Robben Island que os príncipes de Sumatra e líderes religiosos foram exilados pelas autoridades holandesas, que em seguida governaram no Cabo e em Java. Os inúmeros santuários e templos (kramats) ao longo da Table Montain e em Robben Island tornaram esses lugares de peregrinação para muitos em nossa comunidade muçulmana, e contam sua própria história sobre a capacidade humana de perseverança, coragem moral e força.

Para nós em Robben Island, Table Mountain foi um farol de esperança. Ela representou a terra onde sabíamos que um dia voltaríamos.

Para o povo da África do Sul, os limites da Table Mountain representavam muito mais do que os restos rochosos de milênios de sedimentos. Possui um significado inestimável em relação à sua importância ecológica, cultural, religiosa e econômica, não apenas para a região do Cabo Ocidental, mas também para o resto do país.

Como povo e como país, a África do Sul está comprometida com uma escalada longa, árdua e desafiadora. Ao subir uma montanha, quando se encontra um desconhecido, não se pode deixar de notar a diferença na sua atitude. Unidos pelo mesmo propósito e experiência na ocasião dos encontros, o que um oferece ao outro é coragem e companhia. "Não falta muito para chegar", ele vai dizer nos mais diversos sotaques. Essa também tem sido a nossa experiência enquanto escalamos os picos desafiadores na construção de uma sociedade verdadeiramente democrática.

Hoje, é com imenso prazer que anuncio que o meu governo decretou essa renomada montanha e conhecida por todo mundo como parte do novo Parque Nacional da Península do Cabo. Estendendo-se de Signal Hill por todo o caminho para Cape Point e o Cabo da Boa Esperança, no extremo Sul da Península do Cabo, o novo Parque Nacional protegerá, para sempre, o coração do reino vegetal do Cabo. Menor dos seis reinos florais do mundo, a conservação do Reino Floral do Cabo é de responsabilidade única da África do Sul. Ao anunciar este novo Parque Nacional, o meu governo demonstrou que está comprometido em conservar esta parte rica do patrimônio biológico da Terra.

O WWF colaborou significativamente na consolidação dos Parques Nacionais Sul-Africanos através do estabelecimento do Table Montain Fund, um fundo verdadeiro que ajudará na conservação em longo prazo nesta área de relevância global. Por isso, estou feliz em anunciar que a criação deste novo Parque Nacional será um "presente sul-africano ao mundo", em relação à campanha do WWF pela preservação da biodiversidade florística. A África do Sul, como país signatário da Convenção sobre Diversidade Biológica, está empenhada em cumprir o seu papel na conservação do meio ambiente global. O que fizemos hoje, proclamando o Parque Nacional da Península do Cabo, é uma mensagem ao mundo no Dia Mundial do Meio Ambiente do real compromisso da África do Sul, para tornar esta Convenção internacional, uma realidade de trabalho em nosso país.

*Nelson Mandela é ex-presidente da África do Sul

Tradução: Ana Huara

Nota da tradutora: s Khoikhoi também são conhecidos como bosquímanos, ou hotentotes

Este texto é parte integrante da revista ECO 21, edição 163 de Junho de 2010, disponível nas bancas.

Fonte: www.envolverde.com.br

quinta-feira, 17 de junho de 2010

Pedagogia Social

Guia mostra 'lado social' dos jogos da Copa

A primeira Copa do Mundo realizada na África traz um número recorde de seleções do continente: além das cinco vagas destinadas às nações da região desde 1998, há a reservada para a sede, África do Sul. Por isso, aumentam as expectativas de que esses países, em maior número e jogando em casa ou perto de casa, obtenham o melhor resultado do continente na história dos Mundiais. Dos 18 campeonatos anteriores, os africanos estiveram presentes em 11, e chagaram no máximo até as quartas de final (Camarões, em 1990, e Senegal, em 2002).

É nesse desafio que estarão de olho torcedores de várias partes do mundo a partir desta sexta-feira, em especial os africanos, sobretudo os das seleções que participam da Copa (Argélia, Camarões, Costa do Marfim, Gana e Nigéria, além da África do Sul).

O continente, no entanto, enfrenta outros desafios, ainda mais difíceis e importantes. É sobre esses que se debruça um guia alternativo para a Copa, chamado Scoring for Africa ("marcando gols para a África", em tradução livre), lançado nesta semana por Kofi Annan, presidente do Painel para o Progresso da África e ex-secretário-geral da ONU, e por Didier Drogba, atacante da Costa do Marfim e embaixador da Boa Vontade do PNUD.

O guia analisa as estatísticas sociais e econômicas - e também de futebol - dos países envolvidos nos 12 jogos da primeira fase em que há alguma seleção africana. Assim, ao lado da posição dos países no ranking da Fifa, há a colocação em outras listas, como a do IDH (Índice de Desenvolvimento Humano), da percepção de corrupção, do desempenho ambiental e da competitividade. As tabelas dos jogos também trazem números do PIB (Produto Interno Bruto), da emissão de gás carbônico e da expectativa de vida, entre outros. Além disso, é feita uma avaliação dos pontos positivos (os "chutes a gol") e negativos ("chutes para fora") na relação entre as duas nações envolvidas em cada jogo, e uma lista de "faltas" cometidas pelos dois lados. O guia traz ainda um "plano de jogo", com sugestões do que pode ser feito para que a parceria entre os países possa aprimorar o desenvolvimento.

Brasil contra Costa do Marfim
 
Na única partida entre o Brasil e um país africano na primeira fase (contra Costa do Marfim, em 20 de junho), a tabela mostra que os brasileiros ficam em primeiro lugar no ranking da Fifa, mas em 75º no IDH. O país africano é o 27º no futebol e o 163º no índice criado pelo PNUD. Entre os "chutes a gol" estão a ajuda humanitária brasileira a nações do continente (incluindo Costa do Marfim), a expansão do comércio exterior entre o Brasil e a África e a participação de militares brasileiros da Missão das Nações Unidas para a Costa do Marfim.

Nos "chutes para fora", o guia afirma que "o Brasil pode fazer mais para compartilhar sua experiência única de desenvolvimento com países como a Costa do Marfim, particularmente nas áreas de transferência de renda, segurança alimentar, educação rural e industrialização". A publicação aponta ainda que a nação africana está longe de alcançar a maioria dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio e que o Brasil, embora tenha avançado muito, pode não cumprir algumas metas.

Entre as "faltas", o guia aponta que o governo provisório marfinense postergou várias vezes a realização de eleições, que nos dois países o combate ao comércio ilegal de joias é fraco e que ambos "não têm sido capazes de deter as altas taxas de desmatamento".

Jogo injusto
 
Na apresentação, Kofi Annan e Didier Drogba fazem uma cobrança enfática aos países ricos. "O fato é que muitos países africanos e em desenvolvimento ainda estão em grande desvantagem. Eles não têm permissão de competir internacionalmente em um campo nivelado, com um árbitro imparcial e uma série de regras e normas claras e aceitas. Longe disso; de fato, eles têm sido pesadamente penalizados. O que seria um escândalo no mundo do futebol é ainda algo comum na sociedade das nações", escrevem os dois.

Eles criticam, por exemplo, que os países pobres não têm responsabilidade nas mudanças climáticas, mas são os que mais sofrem com elas. Reclamam também das regras em áreas como mercado exterior, tecnologia, recursos financeiros, migração e direito autoral, que "tornam ainda mais difícil" a tarefa de promover o desenvolvimento.

"Jogadores e torcedores, sejam de Midrand, Manila, Manchester ou Montevidéu,entendem a importância do jogo justo e de um árbitro imparcial. Nós acreditamos intensamente que esse entendimento não deveria se limitar ao modo como os países jogam, correm e marcam gols uns contra os outros, mas também ao modo como eles fazem negócios e política uns com os outros; que o espírito da Copa do Mundo deveria ser estendido às relações econômicas e políticas entre os países; que a celebração de nossa humanidade comum não deveria se limitar a um mês a cada quatro anos", afirmam Annan e Drogba.

Com informações do PNUD.

Fonte: www.revistaforum.com.br

quarta-feira, 16 de junho de 2010

Semana do Migrante

Em pleno mês da copa, com os olhos voltados para a África, temos pela frente a Semana do Migrante. Aberta no domingo dia 13, vai se concluir no próximo dia 20, quando no Brasil se celebra o Dia Nacional do Migrante.

A promoção e a organização da Semana do Migrante está a cargo do SPM - Serviço Pastoral dos Migrantes, o organismo da CNBB incumbido de incentivar a acolhida e a valorização dos migrantes nas comunidades da Igreja. Desta vez o SPM está completando 25 anos.
Um motivo a mais para conferirmos a realidade migratória em nosso país, com as interpelações que ela nos apresenta. Ao longo destes 25 anos o SPM foi se firmando como uma importante referência para a problemática dos migrantes, seja pelos locais de acolhida, espalhados pelo Brasil afora, seja pela atuação sistemática, constante, atenta,    
de presença e acompanhamento aos migrantes em nosso país.

Para avaliar a importância da atuação da Igreja junto aos migrantes, nada melhor do que conferir os benefícios trazidos pela recente lei da anistia aos indocumentados, oferecendo a possibilidade de regularizarem sua permanência no país, aprovada recentemente. Sem o apoio do Setor de Mobilidade Humana da CNBB, dentro do qual se insere o Serviço Pastoral dos Migrantes, com certeza não se teria chegado a esta lei, com a abertura que ela apresenta, e com as possibilidades que ela proporciona. Uma lei com conteúdo muito humano, que honra o Brasil, e que serviria de exemplo para tantas situações que os migrantes vivem hoje no mundo.

 É tradição firmada nestes 25 anos de atuação do SPM, assumir para a Semana do Migrante o mesmo tema da Campanha da Fraternidade. Além de boa, esta opção é estratégica, pois revela a importância de inserir as atividades pastorais num contexto mais amplo da ação da Igreja, para que encontrem respaldo e possam se integrar num processo permanente. Assim, em cada ano, o tema da Campanha da Fraternidade pode ser aprofundado, vendo suas incidências na realidade migratória, de acordo com a proposta de "uma economia a serviço da vida".

No que se refere à ação cotidiana do SPM, ela tem três focos distintos, que servem de referência para a atuação pastoral junto aos migrantes.

O primeiro deles é constituído pelas migrações sazonais. A cada ano, milhares de pessoas saem em busca de trabalho, sobretudo nos canaviais que se espalham pelo país. Os outros dois focos são os migrantes urbanos, e os imigrantes estrangeiros.

No mundo há situações muito mais tensas. Em cada época, os fluxos migratórios assumem feições que retratam a problemática que os suscita. Hoje a tensão migratória é resultado das grandes diferenças econômicas existentes no mundo, que não são fruto do acaso, mas têm causas bem identificadas.

O continente africano, que nestes dias está na mira de nossas atenções, serve de referência também para entendermos como se apresenta hoje o fenômeno migratório. A situação em alguns países africanos é tão dramática, que se fosse possível a população migraria toda para a Europa. Se as riquezas descobertas nos tempos da colonização européia tivessem sido aplicadas na própria África, com certeza não haveria hoje tantos africanos sonhando com a Europa e forçando a barra para atravessar o mediterrâneo.

As migrações têm o seu lado positivo, de intercâmbio de culturas e de nova composição étnica das nações. Mas revelam também o lado escuro dos processos de exploração que continuam produzindo impasses e provocando migrações forçadas.

Em tempos de copa do mundo na África, quando de novo o esporte serve de utopia da confraternização mundial, é salutar uma Semana do Migrante, para sonharmos com os caminhos que podem tornar este mundo uma casa habitável para todos, sem preconceitos, sem injustiças e sem discriminações.


Fonte: SPM - Serviço Pastoral dos Migrantes -  Demétrio Valentini - Bispo de Jales (SP) e Presidente da Cáritas Brasileira
Local: Brasil

segunda-feira, 14 de junho de 2010

Lançamento do livro: A missão em debate - Provocações à luz de Aparecida

A conferência de Aparecida se realiza em um momento em que os países do mundo e, em particular, da América Latina e do Caribe, atravessam um profunda crise em seus sistemas econômicas e políticos, com ampla repercussão moral e social.

O Documento de Aparecida reconhece a dificil e complexa situação da nossa sociedade e, por conseguinte, o enorme desafio da Igreja, chamada a refletir sobre a sua missão e a sugerir propostas concretas que respondam às novas circunstâncias latino-americanas e mundiais (cf. DAp 11). Os autores desta obra, competentes em suas especialidades e movidos por um profundo espírito eclesial, trazem uma contribuição qualificada, com suas reflexões e sugestões, para o bom êxito do projeto missionário da Igreja. Cada um assume a responsabilidade de suas contribuições dentre de um pluralsimo de opções construtivas. 

Querem, deste modo, contagiar o leitor com o seu entusiasmo e realismo, suas preocupações e esperanças. A intenção destas páginas é chegar a quem conhece o Documento de Aparecida, mas também aos que, mesmo não o conhecendo, sentem uma preocupação real pela situação da nossa Igreja e do nosso povo.
(AMERINDIA. A missão em debate: provocações à luz de Aparecida. São Paulo: Paulinas, 2010)
 
Entre muitos artigos neste livro:
- Jon Sobrino. "O estilo de Jesus como paradigma da missão".
- Paulo Suess. "A missão da Igreja: lembrar o Reino, zelar pela vida".
- Barbara Bucker. "Deus nos criou, homem e mulher".
- Afonso Murad. "Ecologia e missão: um olhar a partir do Documento de Aparecida".
-Silvia Regina de Lima Silva. "Uma missão descolonizadora de nossas mentes em relação aos afrodescendentes".
- Maria Clara Lucchetti Bingemer. "A missão como seguimento de Jesus Cristo no Espírito".

Entre Meridianos e Paralelos - A revista Mundo e Missão como instrumento de Animação Missionária no Brasil

Nesta sexta-feira, 11 de junho, ás 14:00 hs, no ITESP - Instituto de Teologia de São Paulo, o Pe. Pedro Facci, diretor da revista Mundo e Missão, fez a sua defesa de tese de mestrado em Missiologia com o tema:

"Entre Meridianos e Paralelos - A revista Mundo e Missão como instrumento de Animação Missionária no Brasil."

A banca examinadora foi composta pelo Doutor em Teologia pela Pontifícia Universidade Gregoriana, Itália (Professor Titular), Ênio José da Costa Brito, pelo Doutor em Teologia (Direito Canônico) pela Universidade Pontifícia Santo Tomás de Aquino, Itália (Professor Titular), José J. Queiroz, e pela doutora em Ciência da Religião pela PUCSP, professora Ceci Maria Costa B. Mariani.
O evento contou com a presença de 60 pessoas, entre elas a equipe da Editora Mundo e Missão, amigos e padres de diversas congregações. A tese foi aprovada e recebeu a nota máxima: dez! Logo após a defesa, todos foram convidados a comemorar a aprovação com um lanchinho.

A equipe da Editora Mundo e Missão e o Entre Jovens, que estava representado pelo Daniel Aguirre e pela Valesca Montenegro, parabenizaram pe. Pedro Facci por mais essa vitória, levando ao meio acadêmico um ideal missionário e abrindo portas para novos estudos em Missiologia!!
Parabéns!
Fonte: Valesca Montenegro
Fotos: Ronildo Silva

sexta-feira, 11 de junho de 2010

Congresso sobre Tráfico de Pessoas prorroga prazo de inscrição de trabalhos

O Comitê Acadêmico do II Congresso Latino-americano sobre Tráfico de Pessoas: Gênero, Migração e Direitos Humanos, está recebendo, até 31 de agosto, para análise e aprovação, resumo de trabalhos de pessoas interessadas em participar dos simpósios do evento. O Congresso será realizado de 21 a 24 de setembro deste ano, na Universidade Iberoamericana de Puebla, na cidade de Puebla, no México.

O material deve ser enviado diretamente ao responsável pela mesa temática, relacionada com o trabalho enviado pelo candidato, que pode ser conferida através do site do evento: www.tratacongreso2010.org. É necessário antes fazer registro e inscrição na página do Congresso. As pessoas que receberem a carta de aceitação devem fazer o pagamento da taxa correspondente, preencher a ficha de inscrição e enviar cópia do comprovante de pagamento ou depósito bancário pelo site.

O evento é uma iniciativa da Universidade Iberoamericana Puebla, do Instituto de Investigações Gino Germani da Faculdade de Ciências Sociais da Universidade de Buenos Aires, do Centro de Estudos Sociais e Culturais Antonio de Montesinos, do Centro Frei Julián Garcpes "Direitos Humanos e Desenvolvimento Local" entre outras instituições.

O objetivo do Congresso é aprofundar a investigação sobre o tráfico humano na América Latina, com o intuito de contribuir com projetos e intervenções em políticas públicas na região, e também pressionar os governos para que eles assumam os compromissos estabelecidos nos instrumentos internacionais de proteção e ações efetivas para o combate a este crime, incluindo um serviço de atenção às vítimas.

O Congresso, que tem como foco reunir membros da comunidade acadêmica e de organizações da sociedade da América Latina, será realizado na perspectiva de se discutir as proporções alarmantes a que se chegou o tráfico de pessoas na região e a relação com temas como migração, violência de gênero e de infância.

O tráfico de seres humanos, sobretudo de mulheres e crianças para fins de exploração sexual, atingiu níveis alarmantes não só internacionalmente, como também dentro dos territórios das nações.

Desde a aprovação do Protocolo para Reprimir, Prevenir e Sancionar o Tráfico de Pessoas em 2000, no marco da Convenção das Nações Unidas contra o crime organizado internacional, entidades e profissionais de direitos humanos somam esforços no sentido de garantir o direito das mulheres, crianças e migrantes.

Para saber mais informações consultar o site: www.tratacongreso2010.org ou enviar e-mail para: oscar.castro@iberopuebla.edu.mx ou sergio.luna@iberopuebla.edu.mx.


Fonte: Adital
Local: Brasil

Dia Mundial contra o trabalho infantil, data chama atenção para exploração

No próximo sábado, dia 12, nações de várias partes do mundo celebram uma data em comum: o Dia Mundial contra o Trabalho Infantil. Após dez anos da entrada em vigor da Convenção nº 182 da Organização Internacional do Trabalho (OIT), que discute sobre as Piores Formas de Trabalho Infantil, o problema ainda é enfrentado por muitas crianças e adolescentes de vários países.

A situação no Brasil não é diferente. Apesar de o País ter ratificado, em setembro de 2000, a Convenção da OIT e proibir em sua legislação qualquer tipo de trabalho a crianças e adolescentes menores de 16 anos, salvo na condição de aprendiz, milhões de crianças e adolescentes ainda trabalham.

Segundo dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), pelo menos 4,5 milhões de crianças e adolescentes entre cinco e 17 anos de idade estavam ocupadas em 2008. Para resgatar a cidadania dessas crianças e desses adolescentes e retirá-los do trabalho, o Governo Federal possui, em mais de 3.000 municípios brasileiros, o Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (Peti).

O programa, coordenado pelo Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS), tem o objetivo de retirar do trabalho precoce crianças e adolescentes menores de 16 anos. Embora seja uma ação de grande impacto, Andreia Cortez, coordenadora de Proteção Social Especial da Secretaria Municipal de Assistência Social (Semas) da Prefeitura de Fortaleza (CE), considera que o Programa, sozinho, não é capaz de resolver o problema.

"O Peti é a ação mais contundente no combate, mas, por si só, não resolve o problema", comenta, ressaltando que é preciso também a participação da sociedade para mudar essa situação. "Em Fortaleza, o Peti já conseguiu retirar mais de três mil crianças e adolescentes [do trabalho]. A ação tem grande impacto, garante o acesso à educação, à saúde, mais ainda é pouco", destaca.

Mobilizações

Para marcar o Dia Mundial e Nacional de Combate ao Trabalho Infantil, acontecem diversas ações de mobilização no decorrer desta semana em todo o país. De acordo com Andreia Cortez, o objetivo é sensibilizar a população para o combate a esse tipo de trabalho. "A ideia é chamar atenção da sociedade civil para a gravidade desse problema", afirma.

As ações ocorrem em diversas cidades do país e fazem parte da campanha nacional "Cartão Vermelho ao Trabalho Infantil", promovida pela OIT. Em Fortaleza, as atividades já começaram hoje (7) com uma audiência pública na Câmara Municipal sobre o assunto.

As mobilizações prosseguem nesta semana com panfletagens, distribuição de adesivos e oficinas. O encerramento será no sábado com uma caminhada pelas ruas da cidade com a participação de crianças e adolescentes do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (Peti).

Segundo Andreia Cortez, a utilização da mão-de-obra infanto-juvenil ainda é está presente na capital cearense. "Acreditamos que existam em torno de 25 mil crianças e adolescentes trabalhando", estima. Reciclagem, exploração sexual e trabalho doméstico são apenas algumas atividades citadas pela coordenadora que também são executadas por meninos e meninas.

As denúncias de trabalho infantil podem ser feitas às autoridades competentes, como Conselhos Tutelares, Ministério do Trabalho, Juizados da Infância e da Adolescência, entre outros; ou ao Disque 100, serviço nacional gratuito que funciona diariamente das 8h às 22h.


Fonte: Adital
Local: Brasil

Camarões: “Uma Igreja em crescimento, animada pelo espírito missionário”

"A visita do Papa Bento XVI é ainda lembrada pelo povo da República de Camarões, como demonstrado pela forte participação dos fiéis na missa solene celebrada em Iaundê, um ano após a vinda do Santo Padre em nosso país" - disse numa conversa com a Agência Fides Pe. Gaspard Mengata Nka, Diretor Nacional das Pontifícias Obras Missionárias de Camarões.

O Papa Bento XVI visitou a República de Camarões de 17 a 20 de março de 2009. A visita do Santo Padre ajudou a reafirmar e consolidar as boas relações entre Igreja e Estado e mostrou o rosto de uma comunidade católica muito ativa e em forte crescimento" - afirma Pe. Gaspard Mengata Nka.

"O crescimento da Igreja Católica em Camarões é demonstrado pelo aumento do número de dioceses, 24. A última, Kribi foi criada em 2008. Dos 24 bispos, 21 são camaroneses. Os outros três são um bispo missionário belga e dois bispos "Fidei Donum" poloneses" - afirma o Diretor Nacional das POM dos Camarões.

"A Igreja camaronesa sente fortemente o dever da missão. Dos bispos a cada fiel todos estão engajados no anúncio da Boa Nova ao mundo. Isto se nota também nas doações e nas ofertas em favor das POM" - disse Gaspard Mengata Nka.
 
"Nos Camarões trabalham ainda vários missionários e missionárias estrangeiras, mas ao mesmo tempo, existem sacerdotes camaroneses que vão em missão. As dioceses de Camarões criaram um programa de troca de sacerdotes para suprir a falta de agentes verificados em algumas áreas do país. Além disso, as Igrejas da sub-região da África Central iniciaram uma profícua colaboração missionária.

Neste âmbito, sacerdotes diocesanos camaroneses desempenham sua missão no Chade e no Gabão" - explica o Diretor Nacional das POM camaronesas. "A Igreja Católica trabalha em favor do desenvolvimento humano, através das redes de escolas católicas. A escola católica é muito apreciada pelos camaroneses, pela qualidade de ensino oferecido. No norte, onde existem vários muçulmanos, as crianças de fé islâmica freqüentam as escolas católicas e brincam nos pátios católicos, no respeito pela sua religião" - disse Pe. Gaspard Mengata Nka. "Também a Universidade Católica de Iaundê, com suas 4 faculdades (filosofia, ciências sociais, ciências canônicas e gestão) é muito apreciada".

"No mês de maio, os Camarões celebraram os 50 anos de independência. Para a Igreja Católica é uma ocasião para refletir sobre a colaboração entre Igreja e Estado e os progressos efetuados neste espaço de tempo. Em 2011, se realizarão as eleições presidenciais. O desejo de todos é que se realizem na tranqüilidade e consolidem a paz que reina no país há décadas" - conclui Pe. Gaspard Mengata Nka.

Fonte: Agência Fides