terça-feira, 27 de julho de 2010

JMJ acolherá dez mil jovens com necessidades especiais

A Jornada Mundial da Juventude (JMJ), que será celebrada em agosto de 2011 em Madri, prepara-se para acolher cerca de dez mil jovens portadores de necessidades especiais, procedentes do mundo todo.

Para servi-los com a melhor hospitalidade possível, a Fundação Alares auxiliará aos voluntários da JMJ a se formarem para atender de modo adequado esse público.

Em um comunicado da imprensa emitido pela JMJ, Javier Benavente, presidente da Fundação Alares, destacou que este acordo "é um desafio altíssimo de responsabilidade, um dos mais importantes que a Fundação já recebeu".

Um dos âmbitos de atuação dessa Fundação consiste na integração de trabalho de pessoas com necessidades especiais em empresas.

A formação acontecerá em vários níveis: formação geral para todos os voluntários, e específica para os voluntários que irão atender diretamente os portadores de limitações físicas e seus coordenadores.

Outro compromisso é que a Fundação Alares disponibilizará durante a semana da JMJ uma linha telefônica por 24 horas para resolver as dúvidas dos voluntários, assim como atender os portadores de necessidades especiais que queiram consultar qualquer questão.

Para esse público "é mais complicado viajar e se transportar", destacou Pedro Besari, diretor do Departamento de Voluntariado da JMJ. "É muito positivo estarmos bem preparados para atendê-los da melhor forma possível".

A JMJ organiza e prepara a acolhida dessas pessoas por meio do Comitê de Portadores de Necessidades Especiais, onde estão representados todos os portadores de necessidades.

A JMJ está preparando toda a logística para recebê-los e atendê-los: transporte, alojamentos adaptados e espaços reservados durante os grandes atos do evento.

Fonte: Zenit

Pastoral da Juventude canaliza energias para Madrid 2011

Passagem da Cruz da Jornada Mundial da Juventude por Portugal marca aposta dos responsáveis católicos e é acompanhada em Espanha

Os responsáveis pela Pastoral da Juventude em Portugal têm vindo a canalizar energias para a participação na Jornada Mundial da Juventude (JMJ) 2011, em Madrid, dinâmica na qual se insere a vinda ao nosso país da Cruz e do ícone da JMJ.

O percurso pelas dioceses portuguesas, de 8 a 20 de Agosto - passando pela primeira vez pelos Açores,  será acompanhado com atenção pelos responsáveis espanhóis, que esperam uma grande presença lusitana na Jornada do próximo ano.

Javier Igea, director do departamento de pastoral juvenil da Conferência Episcopal Espanhola, refere à Agência ECCLESIA que o percurso da cruz da JMJ pelo nosso país será um momento marcante para a Igreja Católica em Portugal.

“A Cruz dos Jovens tem atrás de si uma linda história de peregrinação por todo o mundo. É um símbolo que abraça todos os homens e os une. Peregrinou por todos os lugares de sofrimento (Ground Zero, zona desmilitarizada entre as duas Coreias, locais atingidos por massacres e o terrorismo), como sinal de que só em Cristo morto e ressuscitado o sofrimento tem sentido. É um sinal de esperança”, afirma.

Javier Igea destaca que, por norma, a Cruz percorre apenas o país que hospeda a JMJ no ano anterior à realização da Jornada, mas neste caso “pareceu bem aos organizadores que percorresse a nação irmã de Portugal, com quem estamos tão unidos”.

Sobre a participação lusitana, o director do departamento de pastoral juvenil da Conferência Episcopal Espanhola espera que seja “uma graça para os jovens portugueses, de encontro com Cristo” e que a delegação do nosso país leve “a sua fé e tradições para enriquece a sociedade espanhola”.

“Esperamos crescer em comunhão e sair fortalecidos na fé e em Cristo”, acrescenta.

Depois de ter sublinhado a importância da peregrinação da Cruz da JMJ para o evento de Madrid, Javier Igea deixa nas mãos da Igreja Católica em Portugal outros momentos de promoção e mobilização, seja para inscrições, seja para o recrutamento de “voluntários”.

A peregrinação pretende motivar a participação no próximo encontro mundial dos jovens, dado que a Cruz e o ícone mariano que a acompanha, o mais importante de Roma, são os objectos materiais polarizadores da iniciativa.

O coordenador executivo da Pastoral de Jovens da Arquidiocese de Braga, Alberto Manuel Gonçalves, 33 anos, lembra-se da primeira vez que recebeu a cruz da JMJ na cidade dos arcebispos, em Outubro de 2003, já então como coordenador do Departamento.

“Esteve muita gente à espera que a Cruz chegasse a Braga, mas como ela se atrasou – chegou pela uma da manhã – as pessoas acabaram por se ir embora”, recordou em entrevista à Agência ECCLESIA.

“No dia seguinte – prosseguiu – fomos surpreendidos pela quantidade de pessoas que foram à Sé para a adorar e tentar perceber porque é que ela estava a fazer a peregrinação por Portugal.”

A Pastoral da Juventude lembrou-se de oferecer cruzes aos participantes na missa celebrada na catedral, que foram entregues pelo arcebispo, D. Jorge Ortiga: “Mandámos fazer 1500 e não chegaram”, disse o responsável, sublinhando que a adesão dos fiéis superou as expectativas.

“Uma coisa que nos surpreendeu – acrescentou – foi o facto daquela cruz, que poucas pessoas tinham a noção de que era, ter tido um respeito enorme”.

Além de um cartaz, a Sé Primaz foi decorada com motivos evocativos de uma caminhada “até algo de muito importante”: a Jornada Mundial da Juventude, que haveria de realizar-se em 2005 na cidade alemã de Colónia.

A presença da Cruz reflectiu-se na quantidade de jovens da arquidiocese – 450 – que participaram nesse encontro, o primeiro a ser presidido pelo Papa Bento XVI. Em 2010, a Cruz e o ícone que a acompanha – uma representação de Maria – vão ser recebidos a 8 de Agosto, pelas 20h30, prevendo-se a sua chegada uma hora depois à igreja de São Vítor, em Braga, onde decorre uma celebração baseada em leituras bíblicas.

A Cruz é depois transferida para a catedral, onde será entregue aos representantes das dioceses de Vila Real e Bragança.

Nesse dia vai ser apresentado o cartaz que o Departamento da Juventude da arquidiocese preparou para a próxima Jornada Mundial da Juventude, que se realiza entre 16 e 21 de Agosto de 2011, assim como as fichas de inscrição para o evento.

Fonte: Agência Ecclesia
Local: Portugal

Uganda: A luta contra o terrorismo, a situação na Somália e no Sudão no centro da Cúpula da União Africana

“Caçamos os terroristas da África” - declarou no domingo, 25 de julho, na abertura do 15ª Cúpula dos Chefes de Estado da União Africana, o Presidente ugandense Yoweri Museveni. A Cúpula, que acontece na capital ugandense, Kampala, é dedicada à saúde materna e infantil e ao desenvolvimento na África, mas o atentado duplo atribuído aos extremistas islâmicos somalis de 11 de julho (que causou 76 mortes e centenas de feridos, ver Fides de 16 julho de 2010), marcou uma reviravolta na agenda da Reunião.

O conflito civil na Somália, com efeito, é um dos principais temas abordados pelos representantes dos Estados africanos. Na sua reivindicação pelo atentado duplo, os Shabab (o grupo islâmico somali que luta contra o governo de transição somali reconhecido pela comunidade internacional), afirmaram que esta ação sanguinária era uma represália pela participação dos soldados ugandenses na AMISOM, a missão militar da União Africana que apóia as tropas governamentais somalis.
 
Os atentados de Kampala (ocorridos na época da final da Copa do Mundo de futebol in África do Sul) são considerados como as primeiras ações realizadas pelos Shabab fora da Somália.
 
A União Africana decidiu fortalecer a AMISOM (que é composta atualmente por mais de 6 mil soldados ugandenses e burundineses) graças à disponibilidade da Guiné e de Gibuti de enviar mais 2 mil militares, elevando a força africana a 8.100 soldados.
 
Um outro tema central na Cúpula é a situação sudanesa, tendo em vista a nova ordem de prisão emitido pela Corte Penal Internacional (CPI) de Haia ao Presidente Omar El-Bashir, com a acusação de genocídio na guerra de Darfur. Anteriormente, a CPI havia emitido uma ordem de prisão a Bashir por crimes de guerra. Bashir não permaneceu em Kampala, um fato, assinalam os observadores locais, em consequência não somente do temor de uma possível prisão, mas principalmente pelas tensões entre Uganda e Sudão. O Presidente de turno da UA, o Presidente de Malauí, Bingu wa Mutharika, criticou as duas ordens de prisão para o Presidente sudanês. “Emitir uma ordem de prisão contra o Chefe de um Estado soberano significa desestabilizar a paz e a segurança na África, objetivos pelos quais temos lutado há tantos anos” disse Bingu wa Mutharika.
 
O Sudão, além disso, vive um momento delicado, na expectativa do referendo para a independência do sul do Sudão que acontecerá em janeiro de 2011.

Fonte: Agência Fides
Local: Kampala - Uganda

Início do Curso de Formação Pastoral em Bioética

Estão abertas até hoje, 26 de julho, as inscrições para o curso de Formação Pastoral em Bioética, organizado pela Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), Pastoral Familiar e arquidiocese do Rio de Janeiro.

O curso começa no mesmo dia 26, tem a duração de três dias e terá como sede o auditório do Edifício João Paulo II, à Rua Benjamim Constant, 23 – Glória, no Rio de Janeiro. É destinado a padres, diáconos, religiosos, seminaristas e leigos como agentes de pastoral, além de professores e profissionais de saúde.

Segundo os organizadores, o curso visa ao aprofundamento dos princípios da Bioética personalista de uma maneira transdisciplinar e com a adequada aplicação às ações pastorais.  Ao mesmo tempo serão enfocados temas em contexto mais amplo como a promoção da dignidade humana e de um Deus amor que busca  a vida plena de seus filhos, como expressa o Documento de Aparecida.

INSCRIÇÕES: www.cnbb.org.br/bioetica

Fonte: CNBB

Principais Formas de Cooperação Missionária


Espiritual

1. Oração diária pelos missionários espalhados pelo mundo inteiro.

2. Leitura Orante, pessoal ou comunitária, da Bíblia, para reconhecer, admirar e promover o plano misericordioso de Deus em vista da salvação da humanidade (cf. Jo 3,16).

3. Adoração Eucarística com freqüência, para reviver com Jesus Cristo seu anseio apostólico, seus esforços pela evangelização e seus momentos de sofrimentos (cf. Mt 16,24).

4. Oração do Rosário Missionário que, com a mãe de Jesus e da Igreja, lembra, nas cores de suas dezenas, os cinco continentes e as necessidades espirituais e materiais de seus respectivos povos.

Material

1. Contribuição em favor do Fundo Universal de Solidariedade para a evangelização do mundo, com oferta mensal e, de maneira especial, por ocasião do Dia Mundial das Missões (penúltimo domingo de outubro).

2. Solidariedade com os mais pobres e abandonados de todas as raças e nações, para combater com eles a fome, os flagelos das doenças, da violência, das migrações forçadas, etc., ajudando-os em suas dolorosas condições de vida (cf. Mt 25,40).

3. Promover a fraternidade universal, indo ao encontro dos oprimidos, dos refugiados e dos migrantes, participando das atividades eclesiais e civis que promovem a justiça e a paz no mundo em geral, num desenvolvimento justo e solidário.

Pessoal

Realiza-se na entrega de si mesmo para o trabalho missionário "ad gentes" e além-fronteiras, por um período ou por toda a vida.

Fonte: Pontifícias Obras Missionárias - POM

segunda-feira, 26 de julho de 2010

Regional Leste 2 promove Curso de Inverno para coordenadores de Grupos Jovens

Belo Horizonte (MG) sedia, de 25 a 31, o Curso de Inverno 2010 para coordenadores de grupos jovens das dioceses do Regional Leste 2 da CNBB (Espírito Santo e Minas Gerais), e conta também com a participação de jovens do Regional Leste 1 (Rio de Janeiro) e Nordeste 2 (Alagoas, Paraíba, Pernambuco e Rio Grande do Norte).

O evento é realizado pelo Instituto de Pastoral da Juventude do Regional Leste 2, em parceria com o Centro Marista de Juventude, Colégio Santa Maria, Instituto São Tomás de Aquino e Fundo Ecumênico de Solidariedade. O Curso de Inverno acontece em sintonia com a Campanha Fraternidade 2010 tendo como tema: “Juventude: Construindo um outro Mundo Possível”.

Durante o encontro, acontecem palestras pela manhã, e no período da tarde, os jovens participam de oficinas. As noites são preenchidas com momentos culturais típicos da cultura juvenil, com Lual, Festa Julina, shows e exposições.

Fonte: CNBB

Próxima edição do Festival Jota será em 2012

Próxima edição da mostra de música cristã marcada para Braga, depois de uma «pausa» por causa da Jornada Mundial de 2011, em Madrid

Encerrou este Domingo a quarta edição do Festival Jota, feito em Paredes de Coura (Viana do Castelo), com o anúncio de que no próximo ano não se realizará esta mostra nacional e internacional de música cristã.

2011 será o ano Jornadas Mundiais da Juventude, em Madrid, o que compromete a realização do Festival Jota, foi anunciado no final da eucaristia dominical.

"Apenas será uma pausa neste que é o maior acontecimento de música cristã em Portugal. E o regresso está marcado para 2012 e a diocese de Braga foi a escolhida para receber o Jota", revelou o Padre Jorge Castela, diretor do Departamento da Pastoral Juvenil da Guarda.

A eucaristia encerrou esta edição em Paredes de Coura, sendo presidida pelo administrador apostólico de Viana do Castelo, D. José Pedreira. Nas palavras que dirigiu aos jovens, o Bispo felicitou-os pela presença e manifestação de fé, mas alertou para a necessidade da prática da oração, o único caminho para a beleza e felicidade em Deus.

No encerramento do Festival Jota, também o Padre Pablo Lima, diretor do departamento nacional da Pastoral Juvenil, saudou este evento que torna próximo a Igreja da sociedade, unindo esforços e mostrando que a Igreja pode confiar nos jovens

"Esta juventude precisa ser desafiada a música pode ser um caminho", concluiu, partilhando o balanço positivo por parte de toda a organização.

 Fonte: Agência Ecclesia

Os Salesianos: formação e trabalho para dois milhões de jovens pobres

Um plano de formação profissional e de emprego para mais de dois milhões de jovens das zonas rurais, na maior parte pobres, dalits e sem casta: é a iniciativa lançada pelos Salesianos de dom Bosco na Índia por meio do plano denominado BASE (Bosco Academy for Skills & Employment), gerido em todo o território nacional pelos Salesianos da rede “Don Bosco Technical Institute” em cooperação com o Ministério para o Desenvolvimento rural.
 
Conforme informado à Agência Fides, o plano de formação prevê a educação gratuita na área de informática, de administração, de técnicas agrícolas para os jovens das áreas rurais, com o objetivo de dar eles conhecimentos e competências, facilitando a sua inserção no mundo do trabalho.
 
A “Don Bosco Tech” é uma rede de 125 centros Salesianos espalhados por 25 estados indianos que a tornam a grande Organização não-governamental ativa no território indiano na área de formação profissional. Os centros recebem e fornecem educação especialmente aos jovens de áreas marginalizadas economicamente e socialmente, para a maior parte das famílias que vivem abaixo da linha de pobreza. Atuam, portanto, concretamente, para o desenvolvimento humano, social e econômico das classes mais pobres da população indiana, daquelas excluídas do grande desenvolvimento urbano e industrial, explica em uma nota enviada à Fides o Salesiano pe. Ramesh Cherian.

“Até 2020 teremos conseguido gerar emprego para mais de dois milhões de jovens”, disse à Fides com esperança e satisfação o Salesiano pe. A.M. Jose, Coordenador nacional do “DB Tech” network.

Fonte: Agência Fides
Local: Nova Déli - Índia

sexta-feira, 23 de julho de 2010

III Encontro de Líderes da Juventude Missionária de Fortaleza

O CELAM e a reconstrução do Haiti

Todos os presidentes das Conferências Episcopais da América Latina e do Caribe participarão de uma reunião, amanhã, com o Presidente da Conferência Episcopal do Haiti, Dom Louis Kébreau.

A finalidade do encontro, na sede do Conselho Episcopal Latino-americano (CELAM), será fazer um levantamento das necessidades da Igreja no Haiti, tanto na reconstrução material, como na formação de futuros líderes religiosos e políticos, passados seis meses do terremoto que deixou mais de 250 mil mortos.

Os sinais do sismo continuam visíveis pelas ruas do país, pois os escombros ainda não foram completamente removidos. Por isso, a reconstrução de casas e edifícios fica comprometida. Além disso, a ajuda econômica internacional prometida não está sendo cumprida.

Neste difícil contexto, o CELAM está tentando coordenar ações para ajudar a população, e a reunião de amanhã é mais uma etapa neste processo.
 
Fonte: Rádio Vaticano
Local: Bogotá

Prêmio Nobel para as Mulheres Africanas 2011 ---- (Liceo Scientifico G.Gal...

Prêmio Nobel da Paz 2011 para as mulheres africanas

A África caminha com os pés das mulheres. No desafio da sobrevivência, todos os dias centenas de milhares de mulheres africanas percorrem as estradas do continente à procura de uma paz duradoura e de uma vida digna. Num continente massacrado há séculos, marcado pela pobreza e sucessivas crises econômicas, o papel desenvolvido pelas mulheres é notório.

A campanha, nascida na Itália, já percorre o mundo para incentivar a entrega do Prêmio Nobel da Paz de 2011 para as mulheres africanas.

A proposta é da CIPSI, coordenação de 48 associações de solidariedade internacional, e da ChiAma África, surgida no Senegal, em Dakar, durante o seminário internacional por um Novo Pacto de Solidariedade entre Europa e África, que aconteceu de 28 a 30 de dezembro de 2008.
Chama a atenção a luta e o crescente papel que as mulheres africanas desenvolvem, tanto nas aldeias, quanto nas grandes cidades, em busca de melhor condição de vida. São elas que sustentam a economia familiar realizando qualquer atividade, principalmente na economia informal, que permite cada dia reproduzir o milagre da sobrevivência.

Existem na África milhares de cooperativas que reúnem mulheres envolvidas na agricultura, no comércio, na formação, no processamento de produtos agrícolas. Há décadas, elas são protagonistas também na área de microfinanças, e foi graças ao microcrédito que surgiram milhares de pequenas empresas, beneficiando o desenvolvimento econômico e social, nas áreas mais remotas até as mais desenvolvidas do continente.

Além de terem destaque cada vez mais crescente na área de geração de emprego e renda, as mulheres, com seu natural instinto materno e protetor, lutam pela defesa da saúde, principalmente, contra o HIV e a malária. São elas, as mulheres africanas, que promovem a educação sanitária nas aldeias. E, além de tudo, lutam para combater uma prática tão tradicional e cruel na região: a mutilação genital.
São milhares as organizações de mulheres comprometidas na política, nas problemáticas sociais, na construção da paz.

Na África varrida pelas guerras, as mulheres sofrem as penas dos pais, dos irmãos, dos maridos, dos filhos destinados ao massacre e sabem, ainda, acolher os pequenos que ficam órfãos.

“As mulheres africanas tecem a vida”, escreve a poetisa Elisa Kidané da Eritréia.
Sem o hoje das mulheres, não haveria nenhum amanhã para a África.

Em virtude de toda essa luta e para reconhecer o papel de todas elas é que surgiu a proposta de lançar uma Campanha Internacional para dar o Prêmio Nobel da Paz de 2011, a todas as mulheres africanas. Trata-se de uma proposta diferente, já que esta não é uma campanha para atribuir o Nobel a uma pessoa singular ou a uma associação, mas sim, um Prêmio Coletivo, a todas essas guerreiras.

A ideia é lançar um manifesto assinado por milhões de pessoas, por personalidades reconhecidas internacionalmente e criar comitês nacionais e internacionais na África e em outros continentes. Além de recolher assinaturas, a campanha deve estimular também encontros organizados com mulheres africanas, convenções e iniciativas de movimento.

Nós, latino-americanos e latino-americanas, temos muito sangue africano em nossas veias e em nossas culturas. Vamos gritar nossa solidariedade com a África assinando a petição.
 
A criatividade dos Movimentos Sociais e Populares, das ONGs, grupos religiosos, universidades, sindicatos, etc., pode inventar mil atividades para difundir essa iniciativa e colocar a mulher africana no centro da opinião pública do mundo.

Pode-se criar comitês, eventos com debates sobre a África, show de artistas locais, palestras nas universidades, nos bairros, nas praças, lançamentos da coleta de assinaturas, etc. Nossa criatividade vai fortalecer os caminhos da África.

Os membros da campanha são todos aqueles que assinarem a petição online. E para fazê-lo é simples.

Participe você também desse apelo! Assine a petição! Para mais informações, contate a Campanha pelo endereço: info@noppaw.org ou segretaria@noppaw.org ou no site http://www.noppaw.org/

Fonte: Adital

quinta-feira, 22 de julho de 2010

Projeto educacional para “jovens talentos” de famílias pobres

Aos estudantes brilhantes, do ensino médio, que vivem nas áreas rurais isoladas, mas também provenientes de famílias pobres das zonas urbanas serão dadas as possibilidades de mudarem seus futuros com o projeto trienal (2010-2012) "Jovens Talentos", promovido pela Faculdade de Ciências Sociais e Gestão (FSSG) da Universidade Católica da África Central (UCAC), a cargo dos jesuítas e do Magis (organização não-governamental dos jesuítas italianos) e financiado pela CEI. 

A notícia foi enviada à Fides pela Casa Generalícia dos Jesuítas. “Não conhecemos meios mais eficazes para romper o ciclo vicioso da pobreza do qual as famílias pobres não conseguem sair. Está comprovado como é suficiente que um só membro da família possa emergir para abrir o caminho a muitos outros” – explica Padre Ludovic Lado S.J., vice-decano da FSSG. 

Serão cerca de 200 os estudantes selecionados no primeiro ano. “Verificaremos a solidez das motivações de cada um deles para reduzir ao mínimo o risco de abandonos, eventualidades remotas por via da dureza da seleção e dos sacrifícios pedidos às famílias” – acrescenta o sacerdote. Depois disso, começaremos os cursos de formação para prepará-los aos concursos para o acesso às Escolas de Alta Formação e à Universidade. Uma vez superada as provas de admissão, os estudantes continuarão sendo acompanhados; poderão se beneficiar de um fundo que os ajudará durante os futuros anos de estudo.

Fonte: Agência Fides
Local: Camarões - África

Em Fortaleza, jovens se mobilizam por uma Copa solidária e democrática

A Copa do Mundo da África do Sul mal acabou e os olhares já se voltam para o Brasil, país da Copa em 2014. Os jovens do Conjunto Palmeira, em Fortaleza, uma das cidades que sediará os jogos do Mundial, estão atentos às mudanças que a Copa trará para a cidade. Na manhã desta sexta-feira (23), cerca de 1000 jovens se reunirão no ABC do Conjunto Palmeira para propor dez ideias que incluam o bairro na Copa de 2014.

O evento faz parte do projeto "1000 jovens 10 ideias", uma iniciativa do Fórum Socioeconômico Local do Conjunto Palmeira (Fecol), que tem o objetivo de selecionar dez propostas elaboradas pelos próprios jovens do bairro para melhorar o local. De acordo com Joaquim de Melo, coordenador geral do Banco Palmas, todos os anos, o evento apresenta um tema específico. "O do ano passado foi 1000 jovens 10 ideias para um bairro prazeroso. Este ano é para incluir o bairro na Copa", comenta.

Melo explica que, durante três meses, os jovens enviaram sugestões para inserir o Conjunto Palmeira no Mundial. "Foram mais de 200 propostas", revela. Na sexta-feira, os participantes serão divididos em 100 grupos de dez pessoas, os quais discutirão as propostas. No final, "dez ideias" serão selecionadas e enviadas às autoridades. "Vamos entregar as propostas para o Comitê da Copa e motivar outros bairros a fazer o mesmo", relata.

De acordo com o coordenador, a intenção é que os jovens da comunidade "sejam protagonistas" da Copa no Brasil e que possam desenvolver atividades segundo os princípios da economia solidária. Discussão sobre o gosto pelo futebol à parte, Joaquim de Melo lembra que o Campeonato já está agendado para acontecer no Brasil e, por isso, é importante que as comunidades se planejem para também se beneficiarem com o evento. "Queremos que a Copa não seja uma oportunidade apenas para grandes empresas", comenta.

Reforma de estádios, recuperação de calçadas e avenidas, construção de equipamentos turísticos são apenas algumas obras relacionadas à Copa citadas pelo coordenador do Banco Palmas. Para ele, a ideia é que tais ações não se restrinjam apenas a um lado da cidade, deixando a periferia isolada. "Não queremos ser vistos como o lado perigoso da cidade", reforça.

Na opinião dele, há diversas maneiras de também inserir o Conjunto Palmeira e outros bairros periféricos na Copa, como através da criação de uma pousada comunitária para os turistas do Mundial, da formulação de uma cooperativa de construtores que trabalharão nas obras do Campeonato, na construção de um centro cultural e de um corredor gastronômico, entre outros. "Podemos tanto ser um atrativo turístico como ajudar no processo de construção", sugere.

Juventude

"Um evento feito pela juventude e para a juventude". É assim que Joaquim de Melo define "1000 jovens 10 ideias". De acordo com ele, o evento é uma realização da própria comunidade e tem o objetivo de "mobilizar e de dar poder à juventude". A expectativa é que, nessa edição, 1.300 jovens participem das discussões sobre a inclusão do bairro na Copa.

Para Joaquim, o próximo Mundial precisa ser diferente, ser uma Copa "democrática e da Economia Solidária", com os jovens como protagonistas. "Queremos quebrar o estigma de juventude criminalizada ou alienada", acrescenta.

Informações sobre "1000 jovens, 10 ideias" em: http://www.bancopalmas.org.br
 
Fonte: Adital - Karol Assunção

Prêmios de Comunicação da CNBB - 2010

CNBB entrega Prêmios de Comunicação na sexta-feira

O dia 23 será especial para alguns profissionais da área de Comunicação Social do Brasil, isto porque será entregue um dos mais tradicionais prêmios de comunicação do país. Os prêmios de Comunicação da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB). Com mais de 40 anos de existência, os prêmios foram instituídos para motivar a cultura “livre” em tempos de censura, na ditadura militar brasileira. A entrega dos prêmios será em Aparecida (SP), durante o Encontro Nacional da Pascom.

Antes, nos dia 16 e 17 de junho, reunidos na Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, o júri escolheu os vencedores de 2010 dos prêmios Dom Helder Câmara de Imprensa, Clara de Assis (TV) e Margarida de Prata (Cinema).

Concorreram ao prêmio Dom Helder Câmara de Imprensa 16 trabalhos e as vencedoras foram as jornalistas Juliana Borga e Nanci Alves. A primeira é jornalista da revista Família Cristã e concorreu com a matéria “Notas de solidariedade”, publicada na revista de outubro de 2009. Conta a história de uma violinista adolescente que faz uma campanha na Flórida, EUA, e arrecada U$ 10 mil para ajudar comunidade carente no Brasil.

Nanci venceu com a matéria “Na estrada da vida, nada se perde”, publicada no Jornal Opinião, da arquidiocese de Belo Horizonte (MG), na semana de 16 a 22 de março de 2009. A reportagem fala das mulheres no Centro-Oeste que sobrevivem da fabricação de produtos feitos com a sobra de algodão que cai das carretas que transportam o produto nas rodovias de Goiás.

Clara de Assis teve 20 concorrentes, e o prêmio foi concedido a Victor Hugo Cardoso, com o documentário “A Paixão de Cristo”, e para Marcelo Canellas, da TV Globo, com série exibida no Jornal Nacional, “Cabeça do Cachorro, uma reportagem sobre São Gabriel da Cachoeira (AM)”.

Dos 17 filmes que concorreram ao Margarida de Prata, os jurados escolheram “Duas vidas e uma só causa”, documentário de Tatiana Polastri; “O som do tempo”, curta-metragem de Petrus Cariri Maia de Moura e “Cinco vezes favela, agora por nós mesmos”, longa-metragem de Carlos Diegues e Renata Magalhães. Receberá menção honrosa “O advogado das almas”, de Rafael Salim e Thaísa Cerveira.

Segundo a assessora do Setor Comunicação Social da CNBB e uma das juradas, irmã Élide Maria Fogolari, o prêmio tem um peso importante, pois trata-se de quase meio século promovendo a cultura brasileira. “São 43 anos de Margarida de Prata, isso mostra a fidelidade da CNBB em valorizar os aspectos culturais de nossa sociedade”, destacou.

Miguel Serpa Pereira, um dos idealizadores dos Prêmios de Comunicação da CNBB, explica os objetivos da premiação. “A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil ampliou sua presença no campo da cultura brasileira ao criar os prêmios de Comunicação. Seu objetivo foi não apenas estimular as produções de qualidade artística e técnica, mas também de ressaltar nelas os valores éticos, espirituais, culturais e sociais da pessoa humana, manifestados através dos processos comunicativos midiáticos. A CNBB também pretendeu estabelecer um diálogo proveitoso e atento com os profissionais da comunicação”, explicou.

O júri

Para julgar e escolher os trabalhos, foram constituídos três juri sob a coordenação do arcebispo do Rio de Janeiro e presidente da Comissão Episcopal para a Educação, Cultura e Comunicação da CNBB, dom Orani João Tempesta. Para o Margaridade Prata o júri foi composto por dom Orani; pelo padre Leandro Cury, da arquidiocese do Rio; pela gerente de produção da TV Aparecida, Carmen Baenninger, e pelos professores da PUC-Rio, Angeluccia Habert, Miguel Pereira, Ney Costa Santos e Sérgio Bonato.

Já o Clara de Assis foi julgado pela assessora do Setor Comunicação Social da CNBB, Irmã Élide Maria Fogolari, e pelas professoras da PUC-RJ, Viviane Medeiros Carmem Petit.

O juri do Prêmio Dom Helder de Imprensa foi composto pelo assessor de imprensa da CNBB, padre Geraldo Martins Dias e pelas jornalistas e professoras da PUC-Rio, Lilian Saback de Sá Moraes e Júlia Fátima de Jesus Cruz.

O Microfone de Prata, prêmio para o Rádio, ainda será julgado pela Associação Católica de Rádio (UNDA) e pela Rede Católica de Rádio (RCR).
Histórico

A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), durante os anos de censura promulgada pelo Regime Militar no Brasil, instituía em 1967, o primeiro Prêmio de Comunicação, Margarida de Prata para o Cinema, que representou um importante apoio à produção cultural livre. Este foi o olhar de esperança da Igreja do Brasil, para com os produtores e profissionais da comunicação, durante a longa jornada de repressão Militar.

A CNBB prosseguiu à criação da concessão de prêmios àqueles que se preocupavam e se preocupam com a comunicação voltada para a justiça social e a promoção humana.

Em 1980 apoiava a criação do Prêmio Microfone de Prata de Rádio, promovido pela UNDA-Brasil - União de Rádio Difusão Católica, que incentiva a produção de programas radiofônicos voltados à criatividade e à evangelização.

Em comemoração aos 50 anos de fundação da CNBB, em 2002, a Assessoria de Imprensa da CNBB instituía o Prêmio Dom Helder Câmara de Imprensa, com o objetivo de premiar reportagens e trabalhos jornalísticos voltados à promoção humana e social.

Fonte: CNBB

Equipe de comunicação do Setor Juventude faz planejamento para os próximos anos

A equipe de comunicação do Setor Juventude da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) traçou, em um encontro realizado em Brasília (DF), nos últimos dias 12 e 13, as linhas gerais do planejamento da área para os próximos anos. A comunicação buscará fortalecer a integração entre os diversos segmentos da Igreja que trabalham com a juventude para uma ação mais eficaz na evangelização dos jovens brasileiros.

Publicitários, jornalistas, especialistas em tecnologia da informação, das pastorais, movimentos, congregações e demais realidades da Igreja que trabalham com a juventude se reuniram para pensar a comunicação do setor. Essa reunião aprofundou o debate realizado no primeiro encontro, ocorrido em março.

A assessora nacional de comunicação da CNBB, irmã Élide Fogolari, participou do evento e falou sobre a evolução do pensamento da Igreja com relação à imprensa e às novas tecnologias da área, a partir dos documentos publicados pelo Magistério.

A próxima reunião da equipe será no último fim de semana de setembro, sempre assessorada pelo assessor do Setor Juventude da CNBB, padre Carlos Sávio da Costa Ribeiro.

Fonte: CNBB

Festival Jota 2010

Festival Jota: Em crescimento!

O Festival que começou na diocese da Guarda, em 2007, e que tomou o nome de Jota, por claras ligações à banda católica da diocese, a banda Jota, e porque a “consoante” faz jus ao nome de Jesus e à identificação do jovem, tem crescido de ano para ano e promete ser uma marca nas próximas décadas da pastoral juvenil do país.

O modelo é exatamente o mesmo que usam os restantes festivais de verão do país, mas a vontade, o querer, os objetivos, os meios, os recursos, as pessoas são ligeiramente diferentes. Por detrás de toda esta panóplia de atividades que o festival propõe, está sempre a pessoa, a figura e a mensagem de Jesus. Na base dos objetivos está a evangelização. Na base da organização está a gratuidade e o voluntariado.

As duas primeiras edições ocorreram na vila do Paul, perto da Covilhã, na diocese da Guarda. Na terceira edição o festival foi organizado conjuntamente pelo departamento da pastoral juvenil da diocese da Guarda, detentora da patente deste festival, e o secretariado da pastoral juvenil e vocacional de Aveiro, na praia de S. Jacinto. Na ocasião, a organização local informou que o número de participantes tinha rondado os 1800. Este ano, o festival é organizado entre a diocese da Guarda, que mantém a Direção Artística, e o Secretariado Diocesano da Pastoral Juvenil de Viana do Castelo, que trata da organização logística.

Com a colaboração de empresa que organiza o mítico festival paredes de Coura, um dos mais antigos do país, e com a ajuda da Câmara Municipal de Paredes de Coura, os parceiros deste ano prometem fazer crescer o festival ainda mais e manifestam que vale a pena estar em Paredes de Coura, na praia fluvial do Taboão, nos dias 23, 24 e 25 de Julho.

A comprová-lo está o cartaz deste ano, que vai contar com bastante novidades e é o mais internacional das quatro edições:

Raffaele Giacopuzzi ou “Padre Raf” é um sacerdote italiano que vem, pela primeira vez a Portugal. Para além de compor para si, escreve canções para outros e por isso o seu nome está associado a mais de 10 cd’s de música católica e 200 canções. Promete dar que falar no Jota, sobretudo pela variedade de estilos musicais que interpreta: do hip-hop ao rock, passando pela música latina.

LVD, como alguns os chamam, ou La Voz del Desierto é um grupo de música de inspiração católica da Diocese espanhola de Alcalá de Henares. A banda roqueira, formada por padres e seminaristas, repete a sua participação no festival Jota depois do sucesso alcançado na edição anterior.

O trabalho de evangelização dos Brotes de Olivo, da vizinha Espanha, remonta há mais de 30 anos, e nasce no seio de uma família católica. São 13 os filhos de Vicente e Rosi. Por isso, mais que uma banda, são uma família. Dos seus concertos, de carácter intimista na sua generalidade, resultam de mais de 20 cds.

A Banda Jota terá presença garantida como banda residente e como vencedora dos Prêmios Kerigma da Música Católica2009: Melhor álbum, Melhor artista e Prémio Evangelização, atribuído pelo público.

Os Laetare têm nesta a sua terceira presença no Festival Jota. Em 2007 participam n”O teu palco” e em 2009 como aposta da direção artística no âmbito dos concertos intimistas. Este ano será marcante porque o seu concerto assinalará o lançamento do seu primeiro cd.

João Pedro Neves vem do Porto e dos ambientes salesianos, para apresentar a versão portuguesa de “UT”, do sacerdote italiano Paolo Spoladore.

Os Anima Christi acabaram de lançar o seu primeiro livro-cd com o mesmo nome, “Anima Christi”.

A banda evangélica de Almada, com o nome Voz de Júbilo, nasceu no ano passado, em 2009, coincidindo com o lançamento do CD/DVD “Move-te”, que contém temas de inspiração em estilos que vão do pop até o funk, passando pelo rock.

A manifestar o carácter ecumênico do festival estarão também os Coração Profético, que estiveram na edição de 2008 e são considerados como um dos melhores concertos rock que o Jota já assistiu.

Os JM (Jovens em Movimento) foram a banda revelação da terceira edição do festival, Fazem parte do Cartaz porque venceram o “Teu Palco”, concurso do Festival Jota para bandas amadoras.

Não hesites em fazer parte desta “história” da música e da pastoral juvenil em Portugal.

Pe. Jorge Castela

 

Festa de Santo Inácio de Loyola

Semana do/a Estudante 2010

A Semana do/a Estudante (SdE) é um exercício ousado de cidadania. Propõe-se a trabalhar a partir do Protagonismo Estudantil, para que o jovem assuma o compromisso de construir a educação e a sociedade que tanto quer e sonha, a partir do seu chão, que é a escola. O objetivo dela é ser sinal de esperança entre os jovens. Ser anúncio de vida e sobre tudo profetizar, denunciando as injustiças e apontando os caminhos de construção do “Outro Mundo Possível” que tanto desejamos. Em 2010, nossas atividades acontecerão de 09 a 15 de Agosto, com os seguintes tema, lema e eixos:

Tema: “Cultura: nossa terra, nossa história e nossos sonhos”
Lema: “Juventude, muitas caras, muitas cores, em marcha contra a violência!”.
Eixos: Sentido de Pertença, Valorização e Manifestação

Este ano as atividades permanentes estão articuladas pelo tema “Juventude e transformação social”, com ênfase no debate da Campanha Nacional Contra a Violência e o Extermínio de Jovens. Na SdE nossa proposta é debater como a percepção da cultura na vida do jovem, na perspectiva do retrato histórico pelo reconhecimento, na experiência da continuada construção da identidade e emancipação pela construção do Reino que acreditamos. Através da inspiração bíblica do relato das primeiras comunidades (At 2,42-47), o material propõe o recontar a história do povo e reviver a libertação, a partir da afirmação cultural, contribuindo no processo educativo, valorizando e fomentando as diversas expressões culturais do povo.

Nossa proposta esse ano, é ocupar os palcos da arte cênica. A escolha dessa linguagem, é que ao nos depararmos com a proposta de tema e lema, e a riqueza que eles representam, achamos que o material necessitaria de uma metáfora que correspondesse o seu valor, para conduzir cada um dos encontros e a celebração deste subsídio. É a tentativa de valorizar as muitas caras e cores da juventude e mostrar como o pertencimento a uma cultura, a valorização e a manifestação das identidades dela, são instrumentos eficazes para a superação da violência e construção da Paz.

Mais informações sobre o material podem ser encontradas na própria cartilha ou no site da PJE (www.pjebr.org). Essa semana só é possível quando cada um de nós ajuda a construí-la, contamos com vocês para fazê-la uma linda história, que tome conta de todos os palcos desse país!

Sílvia Azevedo Rosa
Estudante de Relações Internacionais na PUC - Minas, assessora da Equipe de Evangelização nas Escolas Públicas do CMJ-BH, e também da PJE do Regional Leste II.Belo Horizonte, MG. Endereço Eletrônico: silviarazevedo@gmail.com

Fonte: http://www.casadajuventude.org.br/index.php?option=content&task=view&id=2902&Itemid=2

Festival de Santo Inácio de Loyola

Dia de Estudos - Introdução ao estudo da Bíblia

Festival Inaciano de Música!

O boi, a árvore e os Kaiowá Guarani

A imagem marcante desses dias na imprensa do Mato Grosso do Sul é de centenas de cabeças de gado que morreu de frio, espalhados pelas fazendas na região do extremo sul do Mato Grosso do Sul, na fronteira com o Paraguai. Conforme dados da imprensa, chega a quase quatro mil cabeças de gado que morreram em função do clima frio, conjugado com outros fatores, dentre os quais a irresponsável devastação total das árvores e da mata atlântica e serrado. 
 
Ontem, um dos fazendeiros, dando-se conta do quanto tem sido equivocada e absurda a devastação da floresta, se dispôs a plantar árvores em sua fazenda! Triste sina de um pensamento hegemônico, capitalista, para o qual, árvore boa é árvore morta, o mesmo que se afirmava dos índios, os protetores seculares das matas e do meio ambiente.

Floresta morta, gado lascado
 
Fatos como o que estamos assistindo nesta região, são apenas a ponta do iceberg do que está por vir, caso se continue na trilha absurda da devastação, do envenenamento e morte das árvores, das águas e da terra. Apesar das claras evidências de que esse tipo de economia do agronegócio da monocultura e da acumulação rápida, a qualquer preço, esteja levando a mudanças climáticas acentuadas com enormes impactos sobre todos os sistemas de vida e sobrevivência ameaçada, nada parece conter essa lógica necrófila do capitalismo. Quando um dos técnicos foi dar seus sábios aconselhamentos de como enfrentar esse cenário apocalíptico da mortandade do gado, simplesmente conseguiu dizer o óbvio ululante: precisa ter árvores que contenham os ventos frios e sirvam de abrigo para os animais diante da agrura do tempo.

Quando os Kaiowá Guarani ficam tristes diante da constatação de que a maioria de suas terras que esperam ser demarcadas, são na sua sábia visão "terras mortas", ou seja, sem árvores, apenas com capim ou expostas há dezenas de anos ao sol, chuvas e venenos. E o pior, são considerados preguiçosos e vadios quando deixam a natureza se recuperar minimamente em terras como Panambizinho, próximo a Dourados, que recuperaram no final da década de noventa.

Possivelmente as lições não serão aprendidas. Ao invés de se partir para um discussão séria sobre a recuperação ambiental, urgente e necessária na região, onde o índice de mata nativa em algumas regiões fica abaixo dos 5%, quando o mínimo exigido por lei seria de 20%, se passará a outras atividades produtivas do agronegócio, como o plantio de cana, soja...Ou, como já está ocorrendo, se transfere o gado para o calor tropical da Amazônia. Triste destino de um país, guiado apenas pela lógica da acumulação, do desenvolvimento acelerado e qualquer preço. Quem sabe, pelos menos nas escolas os professores ajudem os alunos a entenderem as causas reais desses fatos para que se possa caminhar para mudanças profundas na estrutura fundiária, meio ambiente e sistema de produção. Um outro Mato Grosso do Sul e Brasil, possíveis e urgentes!

Anuncia-se que mais gado continuará morrendo em conseqüência de complicações decorrentes do frio intenso por que passaram, sem árvores para os protegerem do frio, do vento e do chuvisco. Enquanto isso os Kaiowá Guarani, em seus confinamentos e acampamentos além do frio, passam fome e seus territórios continuam sem demarcação.

Fonte:Conselho Missionário Indigenista - Cimi - Egon Heck, Campanha Povo Guarani Grande Povo, Dourados, MS.

Comissão para a Amazônia da CNBB inicia visita a comunidades amazônicas

A assessora da Comissão Episcopal para a Amazônia da CNBB, irmã Maria Irene Lopes dos Santos, após pedido especial da presidência da Conferência Nacional dos Bispo do Brasil (CNBB), reunidos no último Conselho Permanente, em junho, começou as suas visitas às cidades mais distantes da região amazônica a fim de levantar dados para a Igreja Católica.

"Estamos reativando o projeto ‘Igrejas irmãs na Amazônia' para assim conhecermos mais sobre a realidade das nossas comunidades mais longínquas, e coletarmos dados e informações relevantes para a Igreja, como a quantidade de padres, religiosos e seminaristas naquela região", destacou a irmã Irene.

O "Igreja irmãs na Amazônia" consiste num mapeamento de cidades, localizadas em áreas muito afastadas da Amazônia, para uma análise social/político/religiosa dessas comunidades, afim de que outras Igrejas particulares, principalmente do Centro-Sul do país, possam "adotar" essas outras mais carentes. "Mas o principal é a ajuda das Igrejas com um pouco mais de condições a Igrejas que não tem condições, não só no aspecto financeiro, mas também no envio de missionários e gente especializada para formar líderes e criar pastorais", explicou a assessora da CNBB.
A primeira cidade visitada foi Eirunepé (AM), localizado na região do Juruá, sudoeste amazônico e cerca de 2 horas de avião de Rio Branco (AC). Eirunepé faz parte da diocese de Cruzeiro do Sul (que fica a cinco dias de barco) e tem uma população de 29 mil habitantes. Lá a assessora constatou a miséria e o descaso dos governantes com a Amazônia. "Vimos que a prostituição infantil, o consumo de drogas e o alcoolismo fazem parte da rotina dessa cidade, por isso a importância da atuação da Igreja nessa comunidade é fundamental", ressalta irmã Irene.

Na cidade há apenas três padres, três religiosas franciscanas, e algumas pastorais atuando. Segundo a secretária executiva da Comissão Justiça e Paz, CNBB Norte 2 (Amapá e Pará), irmã Maria Henriqueta Cavalcante, a Igreja Católica, com a presença dos religiosos que lá atuam se sentem desafiados pela grande desigualdade social. "Nota-se que as distâncias para atender as comunidades ribeirinhas, os colocam também diante de outro desafio, que é o investimento financeiro, pois é um gasto considerável para cada deslocamento, o qual muitas vezes não é possível de ser feito", disse irmã Henriqueta.

Fonte: CNBB

quarta-feira, 21 de julho de 2010

Chamada Nacional Voz dos Adolescentes recebe inscrições até 31 de agosto

Neste ano, o projeto Voz dos Adolescentes, desenvolvido desde 2002 pelo Instituto Internacional para o desenvolvimento da Cidadania (IIDAC), em parceria com o Fundo das Nações Unidas para a Infância - UNICEF, traz como novidade a Chamada Nacional Voz dos Adolescentes. A iniciativa tem o objetivo de estimular o exercício do protagonismo juvenil e reconhecer as ações dos jovens. As inscrições tiveram início no dia 25 de junho e seguem até 31 de agosto.

Diego Marinello, assessor de projetos do IIDAC, disse que a ideia é identificar adolescentes protagonistas do Brasil e reconhecer suas ações, tanto para servir de exemplos para outros jovens e outras cidades, quanto para não desestimulá-los. "Estimular a participação cidadã do adolescente é mostrar que ele tem o direito agora, de exercer seu protagonismo e construir o futuro. Eles [adolescentes] não precisam esperar ser adultos para fazer alguma coisa", ressaltou.

Ele informou que adolescentes de qualquer grupo e que atue em qualquer atividade, com idade entre 12 e 18 anos, e de todas as regiões do Brasil, podem participar, tanto na categoria individual, quanto em grupo. Segundo ele, assim que a inscrição é feita, os adolescentes já estão participando do projeto, já que, eles recebem uma senha de cadastro, com a qual podem começar a descrever suas atividades no site www.vozdosadolescentes.org.br.

Com a participação na Chamada Nacional os adolescentes terão a oportunidade de fortalecerem suas ações, já que estarão integrados por meio de uma rede nacional, compartilhando experiências e iniciativas de protagonismo juvenil. Por meio do Portal Voz dos Adolescentes os participantes têm a chance de divulgarem suas ações em nível nacional e internacional, entre agências e organizações de desenvolvimento humano do mundo inteiro.

"As iniciativas dos adolescentes podem ser desenvolvidas até 30 de setembro. Depois disso, faremos a sistematização e análise das ações e 30 delas serão selecionadas para fazer parte da publicação de resultados da Chamada Nacional 2010, que deve ser publicada até dezembro deste ano", relatou.

Durante o projeto, os adolescentes podem contar com o material de apoio disponível no site, com dicas de protagonismo, suporte na elaboração de atividades e outras, ou com o auxílio da equipe Voz dos Adolescentes que atende pelo telefone gratuito: 0800-644-1218.

Como exemplo de iniciativas de protagonismo dos adolescentes, Diego disse que já se cadastraram no projeto, grupos como o coletivo de jovens que atua na área do meio ambiente. Segundo ele, estes adolescentes atuam na educação ambiental, por meio de oficinas e palestras. Outros exemplos são de grupos de prevenção do HIV/Aids e grupos de resgate cultural. Usando a criatividade, os adolescentes podem desenvolver oficinas, momentos culturais, blitz, entre outras ações.

A Chamada Nacional Voz dos Adolescentes edição 2010 vem de encontro com o Ano Internacional da Juventude, definido pela Organização das Nações Unidas (ONU), e que começa oficialmente em 12 de agosto deste ano. Com o tema "Diálogo e entendimento mútuo", a finalidade da ONU é promover práticas de paz, respeito aos direitos humanos, às liberdades e à solidariedade.

Para integrar os adolescentes participantes da Chamada à agenda proposta pelo Ano Internacional da Juventude, as iniciativas desenvolvidas por eles no projeto do IIDAC e UNICEF, deverão estar relacionadas com algum dos 8 Objetivos de Desenvolvimento do Milênio que são: Erradicar a extrema pobreza e a fome; Atingir o ensino básico universal; Promover a igualdade entre os gêneros e a autonomia da mulher; Reduzir a mortalidade infantil; Melhorar a saúde materna; Combater o HIV/AIDS a malária e outras doenças; Garantir a sustentabilidade ambiental e Estabelecer uma parceria mundial para o desenvolvimento.

Mais informações pelo site: www.vozdosadolescentes.org.br ou pelo telefone 0800-644-1218.

Fonte: Adital - Tatiana Félix

J.M.: Perfil do Jovem Missionário

3ºEncontro de Formação de Assessores e Coordenadores de Grupos da Juventude Missionária

3ºEncontro de Formação de Assessores e Coordenadores de Grupos da Juventude Missionária

Fonte: Rodrigo Barcelos

3ºEncontro de Formação de Assessores e Coordenadores de Grupos da Juventude Missionária

Foto: Rodrigo Barcelos

3º Encontro de Formação Missionária para Assessores e Coordenadores de grupo da Juventude Missionária

 O Encontro de Formação para Assessores e Coordenadores de grupos da Juventude Missionária (JM) aconteceu em Guarulhos entre os dias 16 e 18 de julho de 2010, na Casa de Oração Regina Protmann das Irmãs de Santa Catarina de Alexandria. Estiveram presentes 25 jovens, representantes das dioceses de Guarulhos, São Miguel Paulista, Araçatuba e da Região Sé (São Paulo).

O Secretário Nacional da Obra da Propagação da Fé e Juventude Missionária, Pe. André Negreiros; o assessor da JM, Pe. Pedro Facci (Pime) e o assessor da JM do estado de SP, Tiago Scalco, conduziram o encontro. Participaram também do evento o padre Mario de Carli, missionário Consolata, e a irmã Dora Scorpioni, das Missionárias da Imaculada.
Na abertura do evento (dia 16), o padre André e o Tiago explicaram como surgiu, o que é e quais são os padroeiros da JM. Falaram sobre a Pontifícia Obra Missionária (POM) e a “mãe” da JM, a Pontifícia Obra da Propagação da Fé (POPF), entidade fundada pela jovem leiga francesa Paulina Jaricot, e comprometida com os jovens, idosos e enfermos. Esclareceram a rotina da JM: sua caminhada, destaques, dificuldades, desafios e perspectivas. Pe. André enfatizou: “Os jovens devem ser multiplicadores, ampliar a Obra, abrir horizontes”.

A alegria de ser jovem missionário

Os jovens foram divididos em equipes. Cada grupo recebeu uma cor referente a um continente e deveria rezar pelo continente que representava.
“Vivemos um momento de graça, que é o anúncio da missão. Ser missionário é assumir o batismo”, disse o padre André, que também frisou “as armadilhas do caminho. Uma das quais é a existência de grupos que usam o nome da JM, sem ligação com a POM e que não usam a metodologia: informar, formar, articular, agir”.
A JM deve ter como base, três objetivos para seu trabalho missionário: oração, sacrifício, solidariedade. Para atingi-los, foi-lhe lançada a pergunta: “Já chegamos às quatro etapas, ou estamos à sua procura?”.
Na manhã do dia seguinte, padre André mostrou que “o protagonismo do jovem” deve ser a sua “identidade”. O perfil do jovem missionário é “a experiência encarnada de Cristo”. O missionário se compromete a levar Cristo a quem não O conhece, a ser testemunho de vida, a transfigurar-se no Senhor, a se fortalecer na Eucaristia. Os jovens “são a gota d’água no oceano” e se espelham no exemplo de Maria.  

Deverão conhecer-se, assim como a família e a realidade de cada um. E, sobretudo, viver o próprio batismo.
Além de aceitar e transformar sua realidade pessoal e social a luz do Evangelho, o jovem missionário deve ter visão universal, reconhecer que existem outras pessoas, não fazer distinção de raça, cor, classe. “Aproveitar a juventude pra evangelizar o mundo, curtindo a alegria de ser discípulos missionários”, capazes de assumir novos desafios num mundo em constante mudança. Trabalhar com mais três incentivos: Alegria, simplicidade e responsabilidade.

Os três “D”

Os jovens devem ser missionários “3D”: disciplina, doutrina (conhecer a Igreja) e adquirir a dimensão Missionária.
Os jovens tiveram a oportunidade de conhecer experiências missionárias. Padre Facci iniciou sua história convidando os presentes a uma dança que a etnia felupe festeja em sua terra, Guiné-Bissau, na África. Ilustrou seu relato com a leitura da vocação do profeta Jeremias (Jr 1, 4-9). Depois de relatar sua trajetória de vocação e missão, falou sobre sua recente experiência missionária na Índia e no Bangladesh.
     
Padre André, por sua vez, explicou as áreas integradas da JM: o papel do assessor, do coordenador e dos subsídios missionários. Os jovens devem utilizar sites, blogs, material missionário pra se abastecer de notícias missionárias.

Paulina Jaricot
 
Este ano, a JM celebra a memória de Paulina Jaricot, através de uma reflexão na reunião mais próxima do dia 9 de cada mês. Rezar pela Obra, pelas Missões e pela canonização de Paulina.
Orientados pelo Rodrigo Ferreira de São Miguel Paulista - SP, os grupos montaram roteiros de encontros que poderão ser trabalhados durante o ano de Paulina Jaricot nas comunidades. As sugestões estão disponibilizadas no blog da JM. À noite, padre André e o “grupo da Ásia” conduziram uma celebração em memória de Paulina Jaricot.

Missão jovem, convites e comunicados

Os jovens de Guarulhos contaram como é feita a preparação do encontro de jovens Missionários, entre os dias 24 e 26 de setembro, naquela diocese. Á noite, os jovens assistiram ao filme “Madre Teresa”.
No domingo, Tiago falou sobre a JM na Missão Continental, argumentando que o “continente chamado de ‘católico’, deveria ser chamado de continente missionário”. Em seguida, os participantes sugeriram propostas concretas a serem repassadas para as comunidades e paróquias.

Missão ad Gentes

Padre Pedro fez uma dinâmica sobre a missão ad gentes e explicou a seu respeito. Lançou o desafio de se montar um projeto, ou de pensar em como “a JM pode partir para a missão além-fronteiras”. Surgiu a idéia de se montar um projeto missionário que, apoiado por um instituto missionário (Pime, MdI, Consolata), possa enviar jovens para o exterior em período de férias. Durante o ano, deverá haver encontros mensais ou bimensais de formação (POM, POPF). A missão deverá ser feita em 2012, em Bafatá e Bubaque, na Guiné-Bissau, e em Moçambique. Em tais locais, fala-se português e seu clima é semelhante ao do Brasil. A primeira equipe encarregada de montar o projeto é composta pelos padres Pedro e Mario, irmã Dora Scorpioni, os jovens Tiago Scalco, Diego, Rodrigo e Valesca. Este grupo irá se reunir em setembro na sede da editora Mundo e Missão, em São Paulo. 

 O encontro terminou com a Celebração Eucarística e o “envio missionário” do grupo.

Fonte: Valesca Montenegro - Editora Mundo e Missão

Campanha SOS Pernambuco e Alagoas

No dia 22 de julho celebra-se o Dia Nacional da Juventude Missionária no Chile.

Amanhã, dia 22 de julho, a Juventude Missionária do Chile celebra, em todo o País, seu dia nacional. A JM está presente em diversas dioceses e reúne jovens que sentem uma especial inquietude por cumprir com o mandato missionário de “ir e anunciar o Evangelho até os confins do mundo”.

Estes grupos de jovens missionários, que fazem parte da Pontifícia Obra da Propagação da Fé, com a formação, oração e vida comunitária querem ser testemunhas visíveis da presença de Jesus em meio às suas comunidades.

Na celebração continental do Ano de Paulina Jaricot (09 de janeiro de 2010 a 09 de janeiro de 2011), os jovens missionários da América, buscam conhecer a figura desta grande mulher que por seu “zelo e ardor missionário”, funda em 1822, a Obra da Propagação da Fé. Ela é um testemunho de compromisso missionário sempre atual, que com grande facilidade cativa a atenção dos jovens o os anima e interpela para buscar caminhos para fazer nossa Igreja hoje, uma Igreja profunda e verdadeiramente missionária.

Fonte: POM - Chile

"Morte e Vida Severina"

Jornada Mundial da Juventude: Igreja Católica assina protocolo com autarquia de Madrid

Município vai ceder e preparar espaços sob a sua jurisdição e garante o apoio da Polícia e Proteção Civil

A arquidiocese de Madrid assinou esta Terça-feira um acordo com o município da capital espanhola que estabelece os termos de cooperação relativos à Jornada Mundial da Juventude, marcada para 16 a 21 de Agosto de 2011.

Na cerimonia, o presidente da autarquia, Alberto Ruiz Gallardón, sublinhou que o encontro vai ser “um acontecimento de transcendência excepcional para a cidade, cujo êxito requer um esforço igualmente extraordinário por parte de todos”, refere o Serviço de Informação Católica da Igreja espanhola.

A autarquia vai ceder e preparar espaços que estão sob a sua jurisdição para as iniciativas que constam no programa e para o alojamento dos jovens, como escolas públicas, pavilhões polidesportivos e outras grandes instalações.

A Câmara de Madrid garante igualmente o apoio da Polícia Municipal e da Protecção Civil, com o objectivo de assegurar a segurança das deslocações e concentrações.

O alcaide comprometeu-se a instalar um cronómetro decrescente que assinala o tempo que falta para o início das Jornadas “num lugar emblemático da cidade.

Alberto Ruiz Gallardón prometeu que a capital “não só estará à altura” do encontro, como também “superará todas as expectativas para fazer desta a melhor Jornada Mundial da Juventude”.

Por seu lado, o arcebispo de Madrid, Cardeal Antonio María Rouco Varela, afirmou que “a qualidade humana” dos participantes na Jornada vai “conquistar o coração dos madrilenos”.

O prelado salientou que o evento “é um acontecimento que manifesta a vida da juventude da Igreja”, acrescentando que a JMJ vai trazer “paz e bem” à capital espanhola, além de “respostas que satisfazem o coração dos jovens”.

A edilidade faz parte da Comissão Mista para a Jornada Mundial da Juventude, entidade que inclui a Presidência do Governo e a Comunidade Autónoma de Madrid.

Os organismos estatais colaboram na organização da iniciativa facilitando o uso de instalações e serviços públicos mas não contribuem economicamente.

O financiamento é assegurado pelas contribuições dos jovens que participam no encontro e por empresas patrocinadoras.

Fonte: Agência Ecclesia

terça-feira, 20 de julho de 2010

O Mundo clama por Missões

Festival Jota solidário por Darfur

A Plataforma Por Darfur vai participar no Festival Jota de Paredes de Coura, procurando sensibilizar os participantes para o drama da população da região sudanesa.

Durante os dias 23, 24 e 25 de Julho, entre concertos e fóruns, vai passar o vídeo da Plataforma Por Darfur "Uma batida pela paz". O vídeo termina com o convite solidário e pertinente num festival de música de inspiração cristã: "Entra nesta batida" pela paz no Darfur.

Além do vídeo, no recinto do Festival haverá um expositor com referência, entre outros, a esta região sudanesa.

Darfur e o Sudão em geral, vivem este ano uma etapa decisiva. Após as eleições do mês de Abril que reconduziu o atual Presidente da República, Omar al-Basir, o Sudão prepara-se para a realização dum referendo no Sul do país, em Janeiro de 2011.

O vídeo, “Uma batida pela paz”, integra-se na campanha internacional “Sudão 365".

O objetivo da campanha, lançada no dia 9 de Janeiro, é mobilizar a comunidade internacional, durante um ano, e despertar os atores políticos e sociais para a pressão pela manutenção da paz no Sudão e a criação dum clima livre para o referendo de auto determinação do Sul, onde o Darfur está incluído, a 9 de Janeiro de 2011.

Os bateristas Caroline Corr (The Corrs), Nick Mason (Pink Floyd), Stewart Copeland (Police), Phil Selway (Radiohead), Richard Jupp (Elbow) e Jonny Quinn (Snow Patrol) estão entre os músicos que participam no vídeo “A Beat for Peace”.

Um acordo de paz foi selado em 2005, dando fim a uma guerra civil que durou 22 anos e vitimou mais de 2 milhões de pessoas. No acordo está previsto o plebiscito, porém o aumento da tensão na região, com conflitos tribais que causaram centenas de mortes, leva a temer a existência de fraudes e mesmo de uma nova guerra civil.

Durante este ano, a Plataforma por Darfur participa nesta ação global, destinada a alertar para o drama que ainda se vive no Darfur, a farsa política, a hipocrisia e a falta de vontade para resolver os problemas daquela gente, as eleições (que entretanto já decorreram) e, sobretudo, o referendo que terá lugar no próximo ano, que muito provavelmente irá dar origem a uma separação entre o Norte e o Sul.

A campanha por Darfur é dinamizada por uma plataforma constituída pela Rede Fé e Justiça África-Europa, Anistia Internacional, Missionários Combonianos, Comissão Justiça e Paz dos Religiosos, Fundação Ajuda à Igreja que Sofre e Fundação Gonçalo da Silveira e Associação Mãos Unidas Padre Damião.

Fonte: Agência Ecclesia

Por Darfur - Uma batida pela Paz

Anima Christi: Pop-rock com alma cristã

A banda queria ter um “nome forte”, que traduzisse a mensagem que desejavam transmitir às pessoas. Algo com alma, com vida, algo que os animasse a eles e aos outros, com Cristo. E assim nasceram os “Anima Christi”.

Esta banda de Alenquer é uma das participantes no Festival Jota que arranca dia 23 de Julho. É a segunda vez que o grupo de música cristã “Pop-Rock” participa no certame, depois de ter feito parte do cartaz de 2007.

Em entrevista ao site oficial do Festival, Nuno Pato, um dos fundadores da banda, explica que o projecto que norteia os “Anima Christi” é, em primeiro lugar, “fazer chegar a nossa fé àqueles que, através da música, estão dispostos a acolher Cristo nos seus corações”.

Temos de recuar até à década de 90 para encontrarmos as raízes do projecto. Ele partiu do arranjo de temas originais para a participação em festivais cristãos da canção, organizados pela Vigararia de Alenquer. Um dos temas chegou mesmo a ganhar o primeiro lugar no Festival Nacional, em Fátima, no ano de 1998.

 “Eu e o Luís Pintas fizemos parte, durante 10 anos, de uma banda intitulada Kabu, e entre outras coisas fizemos animação em diversos festivais vicariais”, explica Nuno Pato.

E seria também a animação de um festival que iria estar na origem do grupo actual. “Um dia, em Março de 2006, perguntaram-me se podia fazer a animação da 2ª parte do Festival Vicarial de Loures. Eu disse que sim, mas não tinha banda”, recorda Nuno Pato.

Mas tudo se resolveu e a ele se juntaram mais 5 elementos, que de concerto em concerto, foram consolidando um projecto que “terminará quando Deus quiser”, adianta ainda o mesmo responsável.

O primeiro trabalho dos “Anima Christi” saiu em Abril deste ano, em formato livro-cd. Três dos seus temas vão fazer parte de um manual escolar multimédia, para a disciplina de Educação Moral e Religiosa Católica.

É uma obra que “quis sair do padrão a que se está habituado”, revela Nuno Pato. Contou com a colaboração de um conjunto de sacerdotes, convidados a compilar um livro que desse “outro ênfase aos poemas das músicas, às passagens bíblicas que as suportam”. “És capaz”, “Inunda” e “É tempo de amar”, são algumas das faixas musicais presentes na compilação.

Os “Anima Christi” actuam no palco Jota dia 24, às 21 horas – deles se podem esperar muita alegria e animação, num registo pop acústico.

O Festival Jota realiza-se de 23 a 25 de Julho, em Paredes de Coura – a 7ª edição deste certame de música crista tem este ano a organização a cargo do Secretariado Diocesano da Pastoral Juvenil de Viana do Castelo.

Fonte: Agência Ecclesia