sexta-feira, 29 de julho de 2011

Concurso cultural “Jovens Conectados leva você a Madri”, já tem um ganhador

O concurso cultural “Jovens Conectados leva você a Madri”, realizado pela Comissão Episcopal Pastoral para a Juventude, da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) anuncia o ganhador nesta quinta-feira (28).

A promoção foi aberta de 4 a 25 de julho e permitiu a inscrição de jovens com idade entre 18 e 35 anos. Ao final do período, 58 vídeos de jovens de todo o Brasil concorriam a uma viagem de ida e volta a Madri (Espanha), e à inscrição para participar da Jornada Mundial da Juventude, em agosto deste ano.

Os vídeos deveriam ter a duração de, no máximo, dois minutos e deveria abordar o tema “Para você, o que é ser um jovem conectado?”

Para classificar os vídeos, a banca avaliadora, composta por seis membros, de diferentes especialidades, desenvolveu um espelho de desempenho, em que foram considerados critérios como criatividade, desenvolvimento do tema e profundidade da abordagem. Segundo Vinícius Andrade, membro da Banca Avaliadora, “depois de assistir várias vezes a cada um dos vídeos, cinco ficaram entre os finalistas”.

Vinícius afirma que a qualidade de todos os vídeos finalistas estava muito alta, e escolher apenas um foi um processo muito difícil, porque “eram todos muito bons e, depois de uma hora de discussão e de um empate entre dois vídeos, saiu a grande vencedora”.

A primeira colocada no concurso foi Mariana Carvalho Martins Vieira (21), do Rio de Janeiro (RJ). Seu vídeo foi um stopmotion feito com massa de modelar e passa a mensagem de que a conexão de um “jovem conectado” não deve existir apenas no mundo e pelos meios de comunicação, mas também, e principalmente, com Deus, para testemunhar o Seu amor em todos os acontecimentos. Agora, Mariana deve apresentar todos os documentos necessários em até 48 horas, conforme prevê o regulamento.

Confira, abaixo, o vídeo ganhador:

Jovens conectados

Arte+Fé: mostra de artistas cristãos

Entre as melhores ofertas culturais da JMJ

A exposição Arte+Fé, da Fundação Pons em Madri, oferece obras de todos os continentes de artistas cristãos contemporâneos, que propõem a arte como caminho de fé.

A mostra se inscreve nos atos da Jornada Mundial da Juventude. São 36 obras (instalações, performances, quadros, fotografias.

“É uma exposição internacional com artistas de vanguarda e comprometidos com sua fé cristã, seja católica, ortodoxa ou protestante”, explica a curadora, María Tarruella.

Ela afirma que a mostra evidencia que “o sentido religioso não é algo de ontem, mas inerente ao ser humano, que se expressa através das linguagens artísticas de cada época”.

Deus e homem não têm de por que ser distantes. Assim pensam muitos dos artistas, como o espanhol Alejandro Mañas, que utiliza garrafas de refrigerante esmaltadas para falar de Santa Teresa, São João da Cruz e São Sebastião.

“Aparentemente parecidas, estas garrafas são como nós: nossa forma exterior é sempre a mesma, mas dependendo de como vivamos em nosso interior, vestimos o exterior”, diz o artista.

“Cada gesto cotidiano tem um significado mais profundo, que transcende seu lado mais funcional”, afirma David López a respeito de sua obra Nowa Huta, em que se vê a silhueta de Cristo crucificado com imagens cotidianas em seu interior.

Outra obra é a instalação do filipino Jason Dy, artista e sacerdote jesuíta, cuja obra está formada por recipientes de vidro com recordações dos entes queridos falecidos. Os visitantes podem encher os recipientes com recordações para seus parentes ou amigos defuntos.

A exposição Arte+Fé é uma das 300 atividades da programação cultural da JMJ. É uma das três exposições principais, junto ao itinerário no Museo do Prado e no Museu Thyssen.

A entrada é gratuita, na rua Serrano, número 138. A inauguração oficial será dia 10 de agosto.

Fonte: Zenit

Na JMJ, 60 “Jovens Guardas Suíços” darão as boas-vindas ao Santo Padre

Na próxima Jornada Mundial da Juventude a se realizar em agosto, em Madri, o Santo Padre Bento XVI será acolhido por um grupo de seguranças especiais: 60 crianças vestidas com o tradicional uniforme dos Guardas Suíços. O grupo é denominado “Jovens Guardas Suíços”. Em uma entrevista, o Diretor deste jovem grupo conta que a iniciativa nasceu do carinho pelo Papa, especialmente por João Paulo II, quando visitou pela primeira vez a Espanha, em 1982. O Beato João Paulo II visitou o país sucessivamente em 1993 e 2003, sempre acompanhado pelos Jovens Guardas Suíços. O corpo dos Guardas Suíços se ocupa da segurança do Papa. Cento e dez membros vigiam sua residência e o assistem durante as cerimônias mais importantes celebradas no Vaticano. Na JMJ será diferente, pois quando Bento XVI chegar à Espanha, o serviço de segurança será incrementado, pois contará com o corpo especial dos Jovens Guardas Suíços. Para realizar os uniformes, foram utilizados mais de 450 metros de tecido e 4200 metros de fitas, que custaram cerca de 5 mil horas de trabalho. O grupo dará as boas-vindas ao Papa no aeroporto de Barajas, e o encontrará também para saudá-lo, na conclusão da JMJ.

Fonte: Agência Fides
Local: Espanha

JMJ de Madri vai acolher 4 mil jovens portadores de deficiência

A Jornada Mundial da Juventude (JMJ) que vai acontecer em Madri, Espanha, entre os dias 16 e 21 de agosto, vai acolher cerca de 4 mil jovens portadores de deficiência de todo o mundo, segundo a Rádio Vaticano. Esses jovens poderão desfrutar do evento graças ao trabalho de 600 voluntários católicos que os seguirão continuamente.

A coordenação para a acolhida destes jovens e seus acompanhantes, estará sob a responsabilidade da União Nacional Italiana de Transporte de Enfermos a Lourdes e outros Santuários Internacionais (UNITALSI) que montou um cuidadoso plano de assistência.

Em declarações à Rádio Vaticano, o presidente da UNITALSI, Salvatore Pagliuca, explicou o trabalho que desenvolvem para integrar os jovens deficientes, e assinalou que estudaram vários percursos e acessos aos pontos de alimentação, de assistência médica e de repouso na Jornada de Madri.

Pagliuca disse ainda que estes jovens terão a assistência assegurada a todas as atividades e uma plena participação.

Fonte: CNBB

quinta-feira, 28 de julho de 2011

Entregues novas moradias para as famílias de 300 jovens de rua

 Guayaquil é uma das cidades mais importantes do Equador. Crescida principalmente às margens do rio Guayas, tem população de 3 milhões e meio de pessoas. O bairro Nigéria, que surge na ilha de Trinitaria, no delta do rio, é um dos mais pobres da cidade. Ali, os Salesianos realizaram um projeto para jovens de rua que deve melhorar sua qualidade de vida, resgatando-os de uma situação de risco, reintegrando-os em suas famílias e ajudando-os em um percurso educativo e de formação profissional. Cerca de 300 jovens estão envolvidos no projeto, que acaba de entregar 101 casas aos habitantes da Cooperativa "Independencia II", que vivem na Ilha de Trinitaria de Guayaquil. Às famílias dos jovens foi entregue também uma casa, para favorecer a promoção social e a estabilização da relação com os menores.
A realização das casas foi possível graças à colaboração do "Jugend Eine Welt" (JEW) e à cooperação inter-institucional entre o Município e a Fundação "Consultora Dom Bosco".

Fonte: Agência Fides
Local: Equador

Arquitetura para a JMJ

Lugares preferenciais para pessoas com necessidades especiais

A três semanas do início da Jornada Mundial da Juventude (JMJ), o arquiteto dos espaços de encontro explicou seus projetos.

Ignacio Vicens, arquiteto e desenhista dos cenários da praça de Cibeles e do Aeródromo de Cuatro Vientos, apresentou em coletiva de imprensa simulações de suas criações.

“Os cenários da JMJ serão jovens, alegres e modernos. Perseguirão um objetivo chave: sublinhar a presença do Papa entre mais de um milhão de jovens esperados em Madri”, disse Vicens, do estúdio Vicens+Ramos.

“Será uma arquitetura simples. Quer dizer, que se monta e desmonta rapidamente. E também econômica, baseada em sistemas modulares.”

“No caso de Cibeles, tentamos respeitar o marco da praça, com o Palácio de Correios de fundo: No caso do Aeródromo de Cuatro Vientos, criamos um espaço singular: uma espécie de superfície de 200 metros com uma grande montanha, onde se situará o Santo Padre sob a sombra de uma árvore metálica; e com outros relevos onde se situarão os jovens ou o Coro e a Orquestra da JMJ”, explicou Vicens.

Ele também desenhou 200 confessionários, que se situarão no Parque do Retiro, que têm a forma de velas de um barco. Ali os jovens poderão receber o sacramento da confissão em mais de 30 idiomas.

Na JMJ de Madri, há um grande esforço logístico para que 4 mil jovens com necessidades especiais possam participar bem da Jornada. Mais de 500 se alojarão em centros plenamente adaptados e acessíveis. 600 voluntários estarão preparados para lhes dar suporte.

María José González, uma das responsáveis pela área de Necessidades Especiais da JMJ, explicou: “estes jovens terão lugares preferenciais e adaptados nos atos centrais da JMJ”.

Alojamentos

Os jovens que vêm à JMJ podem se inscrever solicitando alojamento. São cerca de 6.200 espaços de acolhida em paróquias, centros docentes públicos e privados, esportivos, albergues e famílias, que somam um total de 330.604 lugares para jovens que solicitaram.

Estes espaços estão sendo preparados para acolher jovens dos cinco continentes e têm toda estrutura necessária para isso.

Fonte: Zenit

Noruega e Lampedusa

Na aparência, a Noruega nada tem a ver com o Mar Mediterrâneo, ela e ele, respectivamente, ao norte e ao sul do continente europeu. Milhares de quilômetros separam a Ilha de Lampedusa, no sul da Itália, e a capital norueguesa de Oslo. Mas a barbárie de Anders Behring Breivik, um fanático fundamentalista norueguês, de 32 anos, acaba de aproximar esses dois pontos. Resultado do atentado à bomba e do massacre enlouquecido: 76 cadáveres e uma população tradicionalmente pacífica em estado de choque.

Estado de choque que ultrapassa todas as fronteiras e contamina os habitantes das mais diversas nações. Como entender o que se passa na cabeça desse cidadão norueguês, segundo o qual "estava prestando um serviço ao próprio país e à Europa"? O que tem a ver semelhante barbárie com o atual contexto da economia globalizada e o deslocamento massivo de pessoas, famílias e grupos inteiros? Dá para conciliar a idéia de um mundo que se abre a todos os povos e culturas, por um lado, e, por outro, rechaça violentamente a mistura das raças, citando como exemplo a mestiçagem brasileira?

O mundo se põe em movimento nos trilhos do trem, metáfora utilizada pelo historiador Peter Gay referindo-se ao século XIX. Mas o decorrer do século XX e o início do XXI só fazem alargar os horizontes dos que se põem em marcha. De fato, as migrações de massa parecem crescer em intensidade, diversidade e complexidade. Se a intensidade revela e preconiza estatísticas cada vez mais elevadas de quem se move, e a diversidade desvenda novas motivações para tais deslocamentos, a complexidade desenha um mapa onde os rumos se cruzam e recruzam nas mais diferentes direções.

No panorama migratório, ele também progressivamente globalizado, novas situações entram em cena. Quatro "Rs" poderiam nos orientar no encalce de sua compreensão. No primeiro, se trata de identificar os rostos dos novos migrantes, imigrantes e emigrantes, tais como jovens e mulheres em busca de melhores oportunidades de vida, refugiados políticos e ambientais, "desplazados" pela violência, estudantes, técnicos de empresas transnacionais, trabalhadores em movimento ou temporários, camponeses em busca da cidade, retirantes, itinerantes, ciganos, parquistas, circenses, turistas... Numa palavra, reponde à pergunta de "quem migra atualmente?".

Em segundo lugar, a tarefa é traçar as rotas de quem se lança à estrada. Neste caso a pergunta é "de onde e para onde as pessoas se deslocam?" As respostas são extremamente variáveis. Os pontos de origem, trânsito e destino se mesclam e se confundem. São poucas as nações que, de alguma forma, não estejam hoje envolvidas com o fenômeno migratório. Claro que prevalece a rota do sul para o norte, dos países periféricos em direção aos países centrais. Mas, a todo o momento, outras direções se estabelecem. Além disso, os caminhos costumam ser sinuosos, seguir atalhos inesperados, de acordo com o grau maior ou menor de rigidez das leis migratórias. Cada vez menos os movimentos de massa se parecem àqueles do século XIX, com origem e destino praticamente preestabelecidos. Nos dias atuais, as rotas seguem vias não lineares, mas tortuosas e estrategicamente adaptáveis ao rigor da vigilância. Qualquer mapa gráfico da mobilidade humana atual há de ser um pergaminho complexo de setas e pontos de saída e partida, difícil de decifrar.

O terceiro "R" remete-nos às raízes da migração. A pergunta é "por que as pessoas deixam a terra que as viu nascer e onde enterraram seus ancestrais?". Estão em jogo aqui as causas da migração. Há causas relacionadas à guerra, a conflitos armados, à violência em seus diversos graus , formas e matizes; há motivações ligadas a uma estratégia de sobrevivência, para quem sair pode ser a solução, não o problema; crescem as fugas devido a "catástrofes naturais", entre aspas porque muitas delas se devem à reação da natureza à agressividade dos modelos de desenvolvimento sobre ela; não faltam também os motivos trabalhistas, religiosos, estudantis, políticos ou de saúde... Mas o maior número de pessoas, inquestionavelmente, desloca-se por razões de ordem socioeconômica, na tentativa de um futuro mais promissor para si e para a família.

Por último, a pergunta é "que respostas oferecem aos migrantes em curso as instituições governamentais ou não governamentais (ONGs), as instituições, movimentos e organizações sociais e, entre estas, de forma particular, as Igrejas"? São múltiplas as posições e as formas de atuação. Do ponto de vista de quem se aventura a uma nossa região ou país, a ambiguidade está sempre presente. Fuga e busca se fundem, fatores de expulsão e de atração se misturam. Sonhos podem converter-se em pesadelos e estratégias resultar em sucesso. Mas uma coisa parece clara: a migração é uma porta, entre tantas, de mobilidade não só geográfica mas também social. Porta sempre aberta quando, por algum motivo, as coisas apertam na terra natal. Em geral, ninguém a deixa satisfeito, e quando o faz sonha com o retorno, mas se condições adversas o exigem, tai uma solução possível.

Do ponto de vista das autoridades em geral (governo, polícia federal, aduana, legislação), o imigrante constitui quase sempre um problema. Que o digam hoje os governantes da Itália, dos Estados Unidos, dos Estados da União Europeia e dos países ricos ou emergentes. Como conjugar necessidade de mão-de-obra fácil e barata com a "situação de clandestinidade" de milhares ou milhões de pessoas? O mundo desenvolvimento ou emergente quer trabalhadores, não cidadãos! É neste ponto que a mente doentia e medieval daquele norueguês, Anders, expressa e expõe, em sua total nudez, as contradições do chamado Primeiro Mundo em relação à avalanche de imigrantes vindos do hemisfério sul ou dos países da antiga União Soviética.

Em meio a situações novas, ao aparente caos, à crise de identidade, ao medo do encontro com a alteridade - a resposta é o fundamentalismo. Pode ser político ou religioso, ou ainda uma simbiose de ambos. De qualquer modo, é sempre violento, arrasador e macabro. Na medida em que lida com "verdades absolutas" ou com a pretensa depuração da raça, leva à morte o outro, o diferente, o estranho, o estrangeiro, seja na fogueira, no paredão, nas regiões gélidas da Sibéria, na prisão de Guantánamo, ou nos campos de extermínio de todos os tempos e lugares. Historicamente tem promovido cruzadas, pogroms, massacres e guerras santas com um lastro de sangue e terror sem precedentes. Costuma ceifar pela raiz a liberdade de cérebros e, ao mesmo tempo, cegar as massas com um fanatismo exterminador. Nem seria necessário citar os casos de Hitler, Stalin, Al Qaeda, Inquisição, Kun-Klux-Klan, a antiga Iugoslávia, o Tibete, entre tantos outros exemplos.

Preconceito, racismo, xenofobia, discriminação são alguns dos conceitos para definir semelhante intolerância e intransigência frente ao "outro". Quando este sobe em massa do norte da África, cruza o Mediterrâneo, aporta em Lampedusa, Itália (para não falar de Portugal, Espanha, Inglaterra, México, etc.) e ameaça avançar sobre a Europa - eis apostos o cavaleiro medieval, o novo templário psicopata, para "defender a nação e o continente dos muçulmanos e do comunismo", segundo suas palavras. Em lugar da espada, a bomba e o fuzil; em lugar do cavalo, a Internet e os meios de comunicação modernos; um nacionalismo mórbido e antiquado; em lugar da defesa dos lugares santos, a preservação de um nacionalismo mórbido e antiquado, revestido por um sentimento saudosista da cristandade. O atentado e o massacre representam um sinal, um aviso, um alerta ao povo e às autoridades.

Do ponto de vista do direito internacional de ir e vir, o que mais assusta é que o cidadão Anders não está só. Pessoas isoladas ou grupos, em geral vinculados a coligações ou partidos de extrema direita, costumam levantar a bandeira da suástica, para só citar a mais conhecida. Da mesma forma que os judeus, as feiticeiras, os infiéis, os hereges ou ateus, em determinadas épocas históricas foram perseguidos, agora são os imigrantes que aparecem como a grande ameaça à ordem estabelecida, ao status quo internacional. Novo bode expiatório, sobre o qual se atira todo o lixo de um pacifismo opulento e tedioso, enraivecido e contido, condenando-o a permanecer do lado de fora de nossas fronteiras: extra-comunitário! Uma vez mais, como sempre, o inimigo externo serve de pretexto para a unidade interna

* Alfredo J. Gonçalves, CS, superior provincial dos missionários carlistas e assessor das pastorais sociais.

Fonte: www.provinciasaopaulo.com

Quase 600 mil crianças não têm registro de nascimento no Brasil

O Brasil tem quase 600 mil crianças sem registro de nascimento, segundo os resultados preliminares do Censo 2010 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A região Nordeste lidera os casos no Brasil: são 200 mil crianças até dez anos nessa situação. Em segundo lugar, está a região Norte, com 182 mil crianças sem registro, e em terceiro, o Sudeste, com 125 mil crianças.

De acordo com a Associação dos Registradores de Pessoas Naturais (Arpen-Brasil), nos últimos anos, o Brasil tem conseguido reduzir o número de crianças sem registro, por meio de campanhas, mutirões e com a melhoria dos serviços dos cartórios. Hoje, por exemplo, um projeto piloto em Belo Horizonte mantém uma unidade interligada de atendimento dentro dos estabelecimentos de saúde que realizam partos para que a criança seja registrada antes da alta hospitalar da mãe.

"A emissão do documento é feita por meio de um sistema informatizado que interliga, via internet, as maternidades às serventias de registro civil existentes no Estado e que aderiram ao sistema. O objetivo dessa nova prática é melhorar o atendimento ao cidadão, ampliando o acesso ao registro e garantindo que a criança tenha seus direitos atendidos desde o primeiro dia de nascida", explica o presidente da Arpen-Brasil, Paulo Risso.

A Arpen-Brasil apoia a ideia, entretanto também defende que é necessário que o governo e o Judiciário ofereçam infraestrutura e regulamentação para que cartórios e maternidades possam atuar com qualidade. "Cartórios e maternidades precisam garantir a legalidade do documento emitido nestes postos avançados de cartórios. Para tanto, é preciso manter a fé pública da informação, através da indicação de um profissional habilitado pelos cartórios, e não de qualquer funcionário do hospital; além da utilização de um sistema de informações transparente, que não permita a manipulação dos dados. Esse segundo fator exige que maternidade e cartório estejam conectados à internet e que as instalações físicas sejam ajustadas de acordo com as novas necessidades - o que ainda não é realidade em todas as serventias do país", ressalta Paulo.

 
Fonte: Oficina da Palavra - Rejane Gomes

Conselho de Articulação do Povo Guarani cobra respostas da Funai

O Conselho de Articulação do Povo Guarani (CAPG), juntamente com as lideranças das áreas da Estiva, Cantagalo, Lami, Lomba do Pinheiro, Petim, Passo Grande, Arroio do Conde e Arroio Divisa, esteve reunido no dia 26 de julho na CEPI (Conselho Estadual dos Povos Indígenas) para discutir os problemas que as comunidades enfrentam, bem como para reivindicar que a Funai cumpra com sua obrigação e demarque e assegure para o povo Mbyá-Guarani as nossas terras.

Estamos bastante preocupados com a demora nos estudos de identificação e delimitações das terras de Itapuã, Ponta da Formiga e Morro do Coco; estamos preocupados com a demora na conclusão do GT (Grupo de Trabalho da Funai) do Petim, Passo Grande e Arroio Divisa. Queremos que a Funai nos informe corretamente como estão sendo feitos estes estudos e porque tanta demora.

Estamos preocupados com as duplicações das BRs 116 e 290. Comunidades e acampamentos serão atingidos por este empreendimento e os acordos feitos com o DNIT até hoje não foram cumpridos. Também sobre essas questões nossas comunidades não receberam nenhuma informação da Funai.

A terra do Cantagalo, embora homologada pelo presidente da República, continua ocupada por colonos. Exigimos providências imediatas por parte da Funai para que indenize as famílias e assegure a terra para os Guarani.

A terra de Irapuã, apesar de reconhecida através de estudos da Funai, não foi demarcada e nossas famílias permanecem na beira da estrada. O mesmo acontece com a comunidade do Arenal, em Santa Maria. Reivindicamos que a Funai tome providências imediatas para resolver estes problemas.

As comunidades do Lami, Capivari, Estiva e Lomba do Pinheiro apresentaram para a Funai reivindicação pela criação do GT destas áreas. Faz muitos anos que aguardamos pelo referido GT e a Funai nada faz. Exigimos providências imediatas porque a situação destas comunidades é muito grave, especialmente do Lami e Capivari porque nossas famílias estão acampadas na beira da estrada e em condições precárias, sem moradia, sem espaço para plantar, sem água e sem assistência.

Diante de tudo isso, exigimos que o governo federal, através de seus órgãos de assistência, cumpra com suas responsabilidades demarcando nossas terras, assegurando para as nossas comunidades a posse e usufruto exclusivo.

Fonte: CIMI

A IAM ajuda na Construção de uma Igreja Missionária!

A Comunidade de Nossa Senhora Aparecida, situada em um bairro periférico de Natal, é exemplo de uma Igreja Missionária. Há três anos que a comunidade existe e a IAM foi uma das primeiras atividades missionárias do local.



Alem da realidade social em que se encontravam aquelas crianças, elas não tinham um local de encontro, foi então que surgiu a ideia de criar um espaço celebrativo para a comunidade, que hoje é uma simples capela. No decorrer da construção, a IAM não parou de realizar seus encontros. Mesmo em meio as obras, o grupo se manteve firme.

No dia 12 de Outubro de 2010 a Capela foi inaugurada com a presença dos grupos de IAM de toda a Paroquia de São Pedro Apóstolo, a qual a comunidade foi inserida, e no próximo mês de Setembro, a IAM comemorará 3 anos de caminhada!

Fonte: POM

Assembleia do Setor Juventude da diocese de Caratinga reflete tema da JMJ-2011

No fim de semana, dias 22 a 24, o Setor Juventude da diocese de Caratinga (MG) realizou a sua Assembleia, em Inhapim. O encontro contou com a participação de 26 paróquias e cerca de 80 jovens, representantes dos vários movimentos juvenis existentes na diocese, Pastoral da Juventude, Juventude Missionária, EJC, EAC, Ministério Jovem (RCC), Pastoral de Juventude Rural, entre outros.

Todo o evento aconteceu em sintonia com o tema da Jornada Mundial da Juventude (JMJ-2011), “Enraizados e edificados em Cristo, firmes na fé”, que vai acontecer no próximo mês de agosto, em Madri, Espanha. A assembleia foi assessorada pela religiosa da Congregação das Filhas de Jesus, de Belo Horizonte, que atualmente é também assessora da Pastoral da Juventude (PJ) do Regional Leste 2 da CNBB (Minas Gerais e Espírito Santo), irmã Cléo Mota.

Os jovens tiveram ainda a oportunidade de conhecer a identidade das pastorais e movimentos que trabalham com a juventude na diocese, através de tendas montadas pelos próprios jovens. Segundo o coordenador diocesano do Setor Juventude, Jonas Miranda, a experiência permitiu conhecer a realidade da proposta de evangelização da juventude na diocese. Os jovens também tomaram conhecimento da análise feita pela coordenação diocesana do Setor Juventude nas reuniões feitas nas cinco foranias durante o primeiro semestre de 2011.

À luz do Documento 85 da CNBB, “Evangelização da Juventude”, das Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora da Igreja no Brasil (DGAE) e do Plano de Pastoral da diocese de Caratinga, os jovens aprofundaram os conhecimentos sobre o Setor Juventude, sobre o trabalho pastoral da Igreja no Brasil e na própria diocese.

“Agora é preciso que arregacemos as mangas para continuarmos nossa caminhada na Evangelização da Juventude, pois, unidos na diversidade, que vamos alcançar nossos objetivos”, afirmou esperançoso o coordenador diocesano que será um dos representantes da diocese na JMJ de Madri.

Fonte: CNBB/ Diocese de Caratinga

Juventude Missionária na Jornada Mundial da Juventude

A Juventude Missionária terá um espaço especial na Jornada Mundial da Juventude (JMJ), que será realizada em Madri, Espanha, entre os dias 16 a 21 de agosto.

Durante a JMJ, as Pontifícias Obras Missionárias (POM) da Espanha promoverá diversas atividades missionárias, com o objetivo de oferecer aos jovens a oportunidade de conhecer e partilhar diversas experiências de formação e missão. Entre elas destaca-se o Encontro Missionário Internacional, que será realizado no dia 19 de agosto, que levará aos jovens a conhecer e partilhar as diversas realidades missionárias, compartilhar experiências evangelizadoras e aprofundar o compromisso missionário através do testemunho e a da oração.

A delegação da Juventude Missionária do Brasil marcará presença neste encontro. Quer ir conosco?
A sede missionária da JMJ será na Paróquia Sagrado Coração de Jesus c/ General Zabala, 10 – 28002 – Madri.

Maiores informações: http://misionesjmj2011.blogspot.com/

Fonte: Juventude Missionária

Festival Latino-americano de cinema infanto-juvenil está com inscrições abertas

"O que você vê” será tema do 4º Festival Latino-americano de Cinema Infanto- Juvenil que está com inscrições abertas até o dia 5 de agosto, para crianças e jovens de 6 a 17 anos que desejam participar de forma individual ou em equipes. Poderão concorrer todos os curtas metragens de autores da região que estejam de acordo com os requisitos estabelecidos pelo Festival, organizado pela Save the Children.

O Festival está dividido em três categorias que inclui animação, documentário e ficção (comédia, drama, ciência, ficção e suspense). As subcategorias correspondem às idades dos participantes, selecionados da seguinte forma: categoria infantil para crianças de 6 a 9 anos; Juvenil A, para adolescentes de 10 a 13 anos; e juvenil B para jovens de 14 a 17 anos.

Cada participante ou equipe poderá escrever até 3 curtas, um por categoria, e deverá apresentar ficha de participação, autorização dos pais e carta de cessão dos direitos do material, disponíveis através do site www.loqueveo.org .

Serão analisados os seguintes critérios: criatividade, argumento, qualidade da imagem e produção. Segundo a convocação, "o mais importante será a temática e o conteúdo; aproximar o reconhecimento a dignidade da pessoa humana em todas as suas formas; e que promova a democracia, respeito, empatia com os demais e o mundo em que vivemos”.

Os vencedores serão conhecidos no dia 31 de agosto através de telefone, email ou nos sites www.savethechildrenmexico.org , www.loqueveo.org

O ganhador ou cada membro da equipe em cada categoria receberá uma viagem para participar da cerimônia de premiação no México, diploma e troféu. A festa de premiação acontecerá dia 21 de setembro com a presença de diretores de cinema, patrocinadores, meios de comunicação, personalidades do meio televisivo, cinematográfico, cultural e publicitário.

Fonte: Adital - Jeane Freitas

Inscrições abertas para o concurso Vozes da Igreja

Estão abertas as inscrições para o concurso “Vozes da Igreja”, de canções em homenagem a Nossa Senhora Aparecida. Em sua 5ª edição, o concurso, realizado pela Rede Aparecida de Comunicação, traz uma novidade, que é a premiação a de um caro zero quilômetro à paróquia vencedora.

“Outra grande novidade é a nossa ‘garota-propaganda’, Dona Jandira, que fez muito sucesso com o público no ano passado e está de volta nesta edição com sua alegria contagiante”, conta o padre Josafá Moraes, diretor de programação da Rede Aparecida e diretor do programa Vozes da Igreja.

As inscrições podem ser feitas pelo site www.vozesdaigreja.com, até dia 23 de setembro, período que inclui a inscrição e o envio de todos os documentos descritos no regulamento.

O “Vozes da Igreja” tem como objetivo principal unir as comunidades paroquiais para que seus músicos mostrem seus talentos e ainda concorram a um prêmio.

A final do concurso será transmitida pela TV Aparecida, no dia 3 de dezembro, com a participação das bandas pré-selecionadas de acordo com as etapas do concurso e atrações musicais do meio católico.

O projeto Vozes da Igreja nasceu a partir do Festival de Música Mariana, promovido pelo Santuário Nacional. Com a vinda do papa Bento XVI ao Brasil, em 2007, decidiu-se fazer um evento de maior repercussão, criando o “Vozes da Igreja”.

Dúvidas e informações entre em contato com os organizadores do evento, no endereço vozesdaigreja@tvaparecida.com.br Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo. 


Fonte: CNBB

Os Bispos nigerianos exortam os jovens a viver a fé em plenitude e a agir pelo bem comum

“Zelem pela sua dignidade e integridade e comportem-se como bons patriotas”. Assim, Dom Joseph Effiong Ekuwem, Bispo de Uyo (Nigéria) e responsável pelos agentes pastorais da Conferência Episcopal Nigeriana, exortou os jovens nigerianos que participarão da Jornada Mundial da Juventude, em Madri, no dia 15 de agosto.
 
Em um recente encontro de preparação para a JMJ em Abuja, Dom Ekuwem ressaltou que a Jornada Mundial da Juventude não será uma excursão de divertimento, mas “um exercício espiritual, um renascimento, um retiro, uma peregrinação, uma viagem espiritual, uma partilha de fé e um encontro com Deus e com seu povo”.
 
Na mesma ocasião, Dom John Ebebe Ayah, Bispo de Ogoja e Presidente do Comitê da pastoral juvenil da Conferência Episcopal da Nigéria, convidou os jovens nigerianos a agirem para transformar o país. Dom Ayah notou que nos últimos anos, as famílias nigerianas dedicaram mais recursos à educação e à formação dos filhos; auspiciou que os jovens usem as noções adquiridas para o bem comum e não apenas para sua vantagem pessoal.

Fonte: Zenit
Local: Abuja - Nigéria

quarta-feira, 27 de julho de 2011

Museu do Prado com exposição especial para a Jornada Mundial da Juventude . Vaticano disponibiliza quadro de Caravaggio como "obra convidada"

O Museu Nacional do Prado, em Madrid, vai oferecer um programa especial para os seus visitantes, durante o mês de agosto, para assinalar a Jornada Mundial da Juventude, que a capital espanhola recebe este ano.
‘A Palavra feita imagem. Pinturas de Cristo no Prado’ apresenta 13 “obras-primas”, segundo comunicado da instituição, incluindo a participação especial dos Museus do Vaticano, que cederam temporariamente, como “obra convidade”, o quadro a ‘Deposição’, do italiano Michelangelo Merisi de Caravaggio (cerca de 1571-1610).

O itinerário tem uma versão online, onde pode ser consultado através da internet, convidando o público a ver “pinturas de temática religiosa de Rubens, El Greco Velázquez, Zurbarán ou do pintor anónimo castelhano autor dos murais de Santa Cruz de Maderuelo”.
 
O Museu do Prado quer assim aprofundar o “significado cristão” destas obras e analisar, ao mesmo tempo, “as soluções artísticas que os pintores empregaram ao longo dos séculos para problemas iconográficos específicos neste tipo de obras”.
 
A exposição pode ser visitada, de forma particular, a partir de hoje, até ao dia 18 de setembro. É a primeira vez que a ‘A Deposição de Cristo’, de Caravaggio, vai estar exposta em Espanha. A obra, do século XVII, foi encomendada por Girolamo Vittrice para a capela da família na Chiesa Nuova, em Roma, tendo seguido para Paris em 1797 e passado para a posse do Vaticano em 1815.


Fonte: Rádio Vaticano

Jovens “enraizados em Cristo”

Por Cardeal Odilo Scherer

Aproxima-se a Jornada Mundial da Juventude da Espanha. A partir de 10 de agosto, jovens de todos os países do mundo chegarão às dioceses espanholas para participar da pré-jornada; serão acolhidos pelos jovens espanhóis e, com eles, compartilharão experiências, a alegria da mesma fé e a pertença à Igreja de Cristo; tudo, numa grande variedade de línguas, culturas e tradições, mas irmanados na mesma Família de Deus.

O Brasil estará bem representado por mais de 13 mil jovens. Boa parte deles desembarcará na Andaluzia, em cidades como Sevilha, Granada e Córdoba. Será uma experiência religiosa cultural única! A história colonial do Brasil está bem ligada também à Espanha.

Depois, a partir de 15 de agosto, centenas de milhares de jovens encherão de vida e alegria a capital, Madrid. Nos dias 17, 18 e 19, haverá catequeses, celebrações, eventos religiosos e culturais e interações entre os jovens, distribuídos em muitos grupos linguísticos. Dia 19, chegará também o papa Bento 16 e será acolhido pelos jovens. Dia 20, sábado, haverá a grande vigília dos jovens com o papa; será bonita e valerá a pena acompanhar pela TV. Dia 21, domingo, a missa com o papa e a conclusão da jornada, com o anúncio do país e da cidade que serão a sede da próxima, em 2013. Esperamos que seja o Brasil!

O tema escolhido pelo papa Bento 16 para a Jornada da Espanha é belo, profundo e muito atual: “Enraizados e edificados em Cristo, firmes na fé” (cf Cl. 2,7). Vamos refletir sobre este tema, começando pela 1ª parte. O texto é da Carta aos Colossenses e São Paulo exorta os fiéis a não se deixarem abalar na sua fé em Cristo.

O tema aponta para algo central na vida cristã: nossa referência e relação com Cristo. Ser cristão é ser discípulo de Cristo; é estar ligado a ele e dele receber um sentido novo para a vida, mediante a fé e o Batismo. Para São Paulo, isso significa “estar nele”, ser edificados sobre ele, estar enraizados nele. Sem esta referência essencial a Cristo, o cristão perde o rumo e a Igreja, o seu sentido.

“Enraizados em Cristo” – isso nos lembra a parábola do semeador. A semente que caiu em terreno pedregoso brotou logo, a plantinha até começou a crescer, mas logo secou, porque não conseguiu afundar as raízes, a terra era pouca, havia muita pedra. Planta sem raiz seca logo e não produz fruto. Árvore com raiz apenas superficial é arrancada pelo vento...

Vivemos tempos de superficialidade, de consumismo, a cultura do descartável, dos modismos passageiros, das novidades que suplantam as convicções a toda hora. Certezas duradouras estão fora de moda! E isso tende a invadir também o campo religioso e das certezas morais. Nada de novo sob o sol: já São Paulo advertia seu jovem colaborador Timóteo a se manter firme na fé e a não diluir o Evangelho, só para satisfazer ao gosto “daqueles que têm comichão no ouvido” e desviam sua atenção da verdade, para ir atrás de fábulas (cf. 2Tm 4,1-5). Isso vale ainda hoje, quando a verdade é trocada pelos sentimentos, emoções ou satisfações imediatas; ou ainda, quando a verdade, o bem e os valores são medidos pela balança do lucro e das vaidades!

“Enraizados em Cristo”: os cristãos, jovens e não-jovens, são convidados a lançar suas raízes em Cristo, para não serem como plantas arrastadas pelas correntes e tempestades, folhas secas, caniços agitados pelo vento” (cf Mt 11,7). O cristão precisa ter convicções firmes e bem fundamentadas, aprendidas do Evangelho, da fé vivida pela Igreja, do testemunho dos santos, dos mártires. A verdade não é medida por aquilo que todos dizem ou fazem: Jesus Cristo é, para nós e para o mundo, “caminho, a verdade e a vida”.

Publicado em O SÃO PAULO, edição de 26/7/2011

Cardeal Odilo Pedro Scherer é arcebispo de São Paulo

Fonte: Zenit

Sete milhões de jovens não estudam nem trabalham; tornam-se fáceis alvos para organizações criminosas

 Sete milhões de jovens não estudam e nem conseguem encontrar um emprego e correm o risco de ser recrutados por organizações criminosas que aperfeiçoam suas redes para possuir sempre mais elementos jovens que vivem em situação de desespero. O alarme provém do semanal "Desde la Fe", da arquidiocese de Cidade do México, enviado à Agência Fides. A publicação recorda que, segundo relatórios oficiais, existem na América Latina quase 40 milhões de jovens de 15 a 29 anos cujo futuro é incerto, pois não estudam nem trabalham (são chamados "Ninis"): este número representa um quarto da população desta faixa etária.
No México, este número chega a sete milhões de jovens e constitui a população juvenil mais vulnerável. A arquidiocese evidencia que “enquanto a rede da criminalidade organizada melhora e expande seu potencial de atrair milhões de jovens sem oportunidades, as políticas públicas para assisti-los ‘dormem tranquilamente'. 

O texto prossegue afirmando que “esta é a população juvenil mais vulnerável, porque não tem emprego ou profissão, cai em vícios ou vive na desesperada busca de alguma oportunidade de trabalho que não surge. Assim, os jovens ficam tentados em aceitar as propostas do crime organizado, que lhes oferece um bom dinheiro, mesmo sabendo que correm o risco de perder a vida ou a liberdade”. As cifras são alarmantes: 80% dos cárceres estão ocupados por jovens de 20 a 35 anos; 9 entre 10 vítimas de crimes violentos são jovens.
Não basta assistir os jovens que estudam para evitar que abandonem a escola, mas é preciso oferecer oportunidades àqueles que não pertencem ao sistema escolar e logicamente não têm possibilidades de se unir à população economicamente ativa. O semanal reconhece também que o trabalho da Igreja católica neste âmbito se reduziu enormemente, porque os jovens estão cada vez mais distantes dos ambientes de fé e por causa da carente evangelização especialmente para eles.

Fonte: Agência Fides

Arquidiocese lembra os 18 anos da chacina da Candelária

A chacina na Candelária completou 18 anos no dia 23 de julho. Na tragédia, oito meninos foram assassinados por policiais enquanto dormiam em frente à Igreja, na madrugada de domingo para segunda-feira, na época, de 22 a 23 de julho.

Para manter acesa a chama da esperança e lutar pelo fim da violência, o acontecimento foi recordado através de diversos eventos realizados entre a noite do dia 21 e a manhã do dia 23, quando uma carreata vinda de diferentes pontos do Rio de Janeiro, e seguiu até a Candelária, onde aconteceu um “buzinaço”. No dia anterior, 22 de julho, foi celebrada uma missa em memória dos mortos, que aconteceu na Igreja da Candelária. A missa foi presidida pelo padre Sérgio Marcos Sá Ferreira, da paróquia São Sebastião, em Parada de Lucas. E, logo após, aconteceu o encontro interreligioso e a “Caminhada em Defesa da Vida!”, que seguiu pela avenida Rio Branco, até a Cinelândia. No dia 21, em frente a Igreja da Candelária, aconteceu uma vigília com a participação de diversas mães que perderam seus filhos.

Além de familiares e amigos das crianças assassinadas e desaparecidas, os encontros reuniram representantes de diversas religiões e também políticos. Na “Caminhada em Defesa da Vida”, crianças e jovens seguiram na frente, segurando faixas e cartazes, entre eles, os alunos da Escola Tasso da Silveira, em Realengo. A manifestação pacífica também recordou os 21 anos do Estatuto da Criança e do Adolescente (Lei 8.069/90), celebrado em 13 de julho, e os inúmeros assassinatos e desaparecimentos de jovens que continuam acontecendo em todo o país.

Pela primeira vez, a ministra da Secretaria de Direitos Humanos do Governo Federal, Maria do Rosário, participou do evento e, antes da caminhada, em breve coletiva concedida à imprensa, aceitou o desafio de agir de forma mais preventiva para combater a causa da violência, conforme o apelo proposto pelo padre Renato Chiera, fundador e presidente da Casa do Menor São Miguel Arcanjo, na diocese de Nova Iguaçu (RJ), que há 25 anos resgata crianças e adolescentes do mundo das drogas.

“Para mim, o principal dessa solenidade foi o que o padre Renato disse: ‘Mais difícil do que ser pobre é não ser filho e não ter ninguém que me espere e cuide de mim.’ Foi muito importante termos escutado isso. Porque as crianças assassinadas não tinham a referência da proteção familiar. E quando a família falta, nós não podemos faltar. E também, no apoio às famílias, nós não podemos faltar. Nós temos que melhorar juntos, como Nação, para reverter essa condição de abandono, para que toda criança tenha alguém que lhe diga: essa criança é minha, nós vamos cuidar dela”, disse a ministra.

Participaram da organização do evento “Candelária nunca mais!” diversas entidades, entre elas: as Pastorais do Menor, das Favelas e da Juventude, a Casa do Menor São Miguel Arcanjo, o Conselho Estadual de Defesa da Criança e do Adolescente (CEDECA-RJ); o Fórum Estadual da Criança e do Adolescente, o Movimento Moleque, a Rede contra a violência e Humanitas.

Fonte: CNBB

Comissão da CNBB divulga a 5ª Semana Social Brasileira

As Pastorais Sociais e Organismos da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) vêm realizando, desde o início dos anos 90, as Semanas Sociais Brasileiras. Esses eventos contaram com a participação dos mais diversos agentes das Igrejas e da sociedade organizada em todo o Brasil. Em 2011, a CNBB, através da Comissão Episcopal Pastoral para o Serviço da Caridade, Justiça e da Paz, propõe a realização da 5ª Semana Social Brasileira com o tema “A participação da Sociedade no Processo de Democratização do Estado – Estado para quê e para quem”.

Para realizar uma semana social que possa ser descentralizada, a Comissão para o Serviço da Caridade, Justiça e da Paz realiza, nos dias 8 e 9 de agosto, o encontro nacional de coordenadores, agentes e bispos da Comissão, e nos dias 10 e 11 de agosto, o Seminário Nacional de abertura da 5ª Semana Social. Ambos os eventos acontecerão no Centro Cultural de Brasília (Av. L2 Norte Quadra 601 Bloco B).

Segundo os organizadores da Semana, o objetivo é mobilizar as comunidades eclesiais, os movimentos, as pastorais, os organismos e as forças sociais para refletir sobre as estruturas sociais, políticas e econômicas do Brasil e participar do processo de sua democratização, promovendo a inclusão dos pobres e excluídos na construção de um país justo, democrático, solidário e sustentável.

Dentro do processo que conduzirá a 5ª Semana Social Brasileira, em uma das etapas, estão a retomada e a celebração da contribuição das Semanas Sociais anteriores, ligadas às das pastorais e movimentos sociais, ao processo de construção de uma sociedade realmente democrática no Brasil, uma democracia que, segundo as mesmas Semanas, deve alcançar e transformar todas as dimensões da vida em sociedade, incluída a economia, o Judiciário, o Estado, como também aprofundar a prática da democracia participativa, com atividades nos âmbitos local, municipal, diocesano, regional e nacional.

Participarão dos encontros os bispos da Comissão e os bispos que acompanham as Pastorais Sociais e Organismos em âmbito Nacional e Regional; um coordenador Nacional das Pastorais Sociais, dos Organismos, do Setor da Mobilidade Humana e do Mutirão pela Superação da Miséria e da Fome; um representante da Coordenação ou Fórum das Pastorais Sociais de cada Regional da CNBB; assessores das Comissões da CNBB e, como convidados, membros de organizações sociais da sociedade civil e parceiros.

Outras informações podem ser adquiridas no e-mail da pastoral social, no endereço: pastoralsocial@cnbb.org.br Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo. ou no ssb@cnbb.org.br Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.
 
 
Fonte: CNBB

terça-feira, 26 de julho de 2011

Próximo Muticom será em Natal

Evento no Rio de Janeiro encerrou na sexta-feira passada

O 8º Mutirão Brasileiro de Comunicação (Muticom) será realizado de 27 de outubro a 1º de novembro de 2013, em Natal, no Rio Grande do Norte.

O anúncio foi feito pelo arcebispo do Rio de Janeiro, Dom Orani João Tempesta, ao declarar encerrado, na noite da sexta-feira passada, o 7º Mutirão, realizado desde o dia 17 na PUC-Rio.

Segundo informa a CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil), a sessão de encerramento começou pouco depois das 20h, no Ginásio da PUC, após uma missa presidida por Dom Orani, na capela da universidade.

Uma equipe veio de Natal ao Rio de Janeiro para participar e observar a dinâmica do Muticom, já se preparando para acolher o próximo encontro.

O coordenador da equipe, padre Edilson Soares Lopes, assistente eclesiástico da Pastoral da Comunicação de Natal, recebeu das mãos de Dom Orani um tablet com todas as informações do 7º Muticom.

“Estamos recebendo com alegria esta função para sediarmos o 8º Mutirão que será na Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Somos conscientes de que sediar o Mutirão implica um empenho muito grande e o envolvimento de muita gente”, disse padre Edilson.

Dom Orani agradeceu os organizadores do 7º Muticom e recordou o compromisso dos participantes.

“Espero que todos levem o entusiasmo e a alegria deste Mutirão para suas comunidades. O que aprendemos aqui reverta para o bem de todos e do anúncio de Jesus Cristo”, sublinhou.

Os que ficaram para o encerramento do Mutirão foram brindados com a apresentação da bateria da escola de samba Beija-Flor.

De 17 a 22 de julho, o 7º Muticom discutiu "Comunicação e vida: diversidade e mobilidades". Teve como objetivo motivar as comunidades brasileiras a refletir sobre a comunicação relacionada com a vida cotidiana e suas expressões que acolhem a diversidade e as mobilidades que se vivem na cultura contemporânea.


Fonte: Zenit

Bento XVI ensina como aproveitar as férias

Cultivando a amizade com Deus e os demais, a admiração pela natureza e a arte

Para desfrutar as férias, Bento XVI recomenda cultivar a amizade com Deus e com os demais e também exercitar a admiração pela natureza e a arte.

O padre Federico Lombardi, S.J., diretor da Sala de Imprensa da Santa Sé, recolheu os conselhos que o Papa vem dando nos últimos domingos, no Angelus, para quem entrou em um período de férias neste verão do hemisfério norte.

Antes de tudo, o pontífice convida “a utilizar estes dias para viver de uma maneira nova as relações com os demais e com Deus. Se se pode interromper o ritmo cotidiano frenético e cansativo, é bom tomar um pouco de tempo para os demais e para o Senhor”.

Em concreto, o Papa sugere levar na mala a Palavra de Deus, em particular o Evangelho, recorda o padre Lombardi, no editorial da mais recente edição de Octava Dies, semanário do Centro Televisivo Vaticano.

O Papa convida ainda a contemplar a criação ao nosso redor, a admirar a beleza e estremecer-se diante da maravilha que faz pressentir a presença e a grandeza do Criador.

“É um dom magnífico, que há que observar com a atenção com a qual Jesus a observava, que sabia interpretar a linguagem e os sinais. Um dom que se deve respeitar, guardar, proteger, pelo qual somos responsáveis perante Deus, perante os demais, diante da humanidade do futuro”, afirma Lombardi.

Finalmente, o Papa convida os viajantes e peregrinos a descobrirem com curiosidade inteligente e profunda os monumentos da história cristã como testemunhos de cultura e de fé, autêntico patrimônio espiritual de laços com nossas raízes, lugares – como as catedrais ou as abadias – em que a beleza ajuda a reconhecer a presença de Deus.

Ao contemplar esses lugares de surpreendente beleza – recorda o porta-voz –, Bento XVI “convida à oração pela humanidade em caminhada no terceiro milênio”.

Nesse domingo, 24 de julho, falando em francês, o Papa deu um novo conselho. Convidou a “aproveitar o período em férias para buscar a Deus e pedir-lhe que nos liberte de tudo que nos atrapalha inutilmente”.

“Peçamos portanto um coração inteligente e sábio que saiba encontrá-lo”, concluiu o Papa.

Fonte: Zenit

Faculdade Zumbi dos Palmares reduz mensalidade do curso de Pedagogia

A Faculdade Zumbi dos Palmares anuncia que a mensalidade do curso de pedagogia sofreu redução de quase metade do valor, passando de R$ 295,00 para R$ 150,00, em comemoração ao Ano Internacional dos Povos Afrodescendentes (estabelecido pela ONU).

"Estamos saindo na frente no marco do Ano Internacional do Afrodescendente com essa iniciativa de investir na formação de professores. É muito importante ressaltar que esse é o único curso de Pedagogia que prepara o professor para ensinar a história e cultura africana na sala de aula. Precisamos formar educadores, ensinar a cultura afro para as crianças se tornarem cidadãos sem preconceito. Reduzir pela metade a mensalidade é um grande estímulo", ressalta a Profª Lina Moreira, coordenadora do vestibular da Faculdade Zumbi dos Palmares.

A inclusão - acadêmica, profissional e social - é o maior objetivo da Faculdade Zumbi dos Palmares, que, em apenas sete anos, formou mais de 800 jovens em administração, tecnólogos em transporte terrestre, publicitários e pedagogos. Mais de 80% desses profissionais estão atuando no mercado de trabalho, demonstrando que a formação universitária é o agente essencial para a mudança de vida de pessoas carentes, sejam afrodescendentes ou não.

O reitor José Vicente defende a liberdade pela educação. "É este o princípio que norteia nossas iniciativas, que sustenta nossas certezas e nos move em direção ao futuro. É a partir de uma comunidade consciente e organizada que construiremos a verdadeira cidadania e, a partir desta, o desenvolvimento capaz de abraçar a todos os brasileiros. A formação desta sociedade não pode continuar excluindo a maior parcela da população brasileira e nem condenando os afrodescendentes brasileiros a ficar "pelo caminho", fora das universidades e longe dos melhores postos de trabalho. Investir na formação de novos professores é nosso desafio".

As inscrições do vestibular do 2º semestre da Faculdade Zumbi dos Palmares estão abertas. O processo seletivo vai até 27 de agosto, custa R$ 20,00 e deve ser feita pessoalmente, das 9h às 20h30, na Secretaria da Faculdade Zumbi dos Palmares, na Av. Santos Dumont, 843 (Linha Azul - estação Armênia do Metrô) ou pela internet - http://www2.zumbidospalmares.edu.br

Mais informações pelo telefone: (11) 3325-1000.

Fonte: Faculdade Zumbi dos Palmares

segunda-feira, 25 de julho de 2011

Santa Catarina vai sediar o 2º Congresso Sul Brasileiro da Pastoral da Sobriedade

Com o tema "Prevenção e Recuperação", vai acontecer em Jaraguá do Sul (SC), nos próximos dias 19 a 21 de agosto, o 2º Congresso Sul Brasileiro da Pastoral da Sobriedade. De acordo com o coordenador regional da Pastoral no Regional Sul 4 da CNBB (Santa Catarina), Valério da Costa, o evento tem por objetivo formar e capacitar novos agentes para a implantação de grupos de auto-ajuda, além de motivar grupos do sul do país.

Devem participar da segunda edição do Congresso cerca de 400 pessoas. Durante os três dias de evento haverá dez conferências, entre elas, "Passos a serem dados para amar como Jesus amou", com o bispo de Lins (SP), dom Irineu Danelon; "Parar de fumar para quê?", com Carlos Humberto Gothchalk; "Desafio das famílias no mundo de hoje", com o bispo de Joinville (SC), dom Irineu Roque Scherer.

A Pastoral

A Pastoral da Sobriedade é a ação concreta da Igreja na Prevenção e Recuperação da dependência química. É uma ação pastoral conjunta que busca a integração entre todas as Pastorais, Movimentos, Comunidades Terapêuticas, Casas de Recuperação para, através da pedagogia de Jesus-Libertador, resgatar e reinserir os excluídos, propondo uma mudança de vida através da conversão.

No Brasil está presente em 24 estados, 17 Regionais, 132 dioceses e 627 paróquias. O país conta ainda com 707 grupos da Pastoral.

O primeiro Congresso aconteceu entre 6 e 8 de abril de 2001, em Curitiba (PR).
 

Fonte: CNBB
Local: Brasil

Exposição de Arte Sacra da arquidiocese de Juiz de Fora mostra peças do século XVIII

Um resgate artístico, histórico e cultural. É com esse propósito que a arquidiocese de Juiz de Fora (MG) realiza de 3 de agosto a 20 de setembro, a I Exposição de Arte Sacra "Juiz de Fora: Nossa história é de fé, nossa Igreja tem arte - dos primórdios ao jubileu áureo da arquidiocese". O evento tem entrada franca e acontece no salão térreo da catedral, de terça a domingo, das 10h às 20h. O evento expõe peças do século XVIII até os tempos atuais. A programação faz parte das comemorações dos 50 anos da arquidiocese de Juiz de Fora.

A abertura oficial acontece às 20h, do dia 3, quarta-feira. Vão ser expostos documentos manuscritos, imagens sacras, objetos e paramentos litúrgicos e fotografias. A programação cultural também é uma atração a mais para quem participar das atividades. Visitas guiadas a instituições católicas, como Seminário Arquidiocesano Santo Antônio e Biblioteca Redentorista, e missa em ação de graça pelos artistas da cidade são exemplos dela.

O encerramento da exposição vai ser marcado, no dia 19 de setembro, pelo I Seminário de Bens Culturais da Igreja em Juiz de Fora. Também com entrada franca, o simpósio vai trazer importantes palestrantes no cenário nacional do patrimônio artístico/cultural.

Para o arcebispo, dom Gil Antônio Moreira, o evento enfatiza a presença da Igreja Católica desde o início do povoamento da região. “Mostrar a longa presença benfazeja da Igreja na região de Juiz de Fora, desde o início de seu povoamento, quando esses homens pioneiros trouxeram em seus corações a força de sua fé”, destaca.

O lema da exposição é "Arte Sacra: a beleza que evangeliza". É uma realização da Comissão de Bens Culturais da arquidiocese de Juiz de Fora. Dom Gil Antônio Moreira é responsável pela Comissão Regional de Bens Culturais da Igreja - Regional Leste 2 da CNBB (Minas Gerais e Espírito Santo).A entrada é franca, mas os interessados devem fazer inscrição, que está aberta até o dia 31 de agosto. Interessados de todo o Brasil podem participar. No site www.arquidiocesejuizdefora.org.br o interessado encontra a ficha de inscrição que deve ser enviada para o e-mail bensculturais@arquidiocesejuizdefora.org.br Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo. ou então encaminhada pelos correios: A/C Seminário de Bens Culturais / Rua Henrique Surerus, 30, Centro  CEP: 36010-030 Juiz de Fora –MG.

A expectativa é que cerca de 500 pessoas de todo o Brasil participem.

Fonte: CNBB

Igreja e ONGs no campo para salvar Wilfrida, jovem católica que corre risco de pena de morte

Uma jovem católica indonésia, Wilfrida Soik, está presa em um cárcere malês, acusada de assassinar a sua patroa, e corre o risco de ser condenada à morte. Em sua defesa, mobilizaram-se algumas organizações não-governamentais na Indonésia e na Malásia, além da Igreja indonésia em Atambua (Diocese na área ocidental da ilha de Timor, área de origem da jovem). O caso apresenta muitas ambiguidades e necessita de esclarecimentos em todos os níveis. Wilfrida é uma jovem deficiente mental, vítima de traficantes de seres humanos. É que informam à Fides fontes da Igreja indonésia e da “Coalizão contra a Pena de Morte” na Indonésia, que está tentando indagar sobre o caso, tutelar os direitos de Wilfida e evitar que seja executada.
A Igreja católica de Atambua, através do Bispo Dom Datu Serik, assinalou o caso à “Comissão para os Direitos Humanos” da Indonésia e está se esforçando em encontrar o caminho justo para pedir a graça para Wilfrida, para que possa retornar à sua casa. Sua história, relatada à Fides, é um caso de pobreza, marginalização e exploração. Wilfrida provém de uma família muito pobre. Nascida em 1993 na província de Belu (província de Nusa Tenggara oriental), aos dois anos, a menina começou a manifestar problemas mentais. No ano passado, foi avizinhada por dois homens que, através da Agência do Ministério do Trabalho de Belu, lhe ofereceram um emprego na Malásia. 

Para expatriá-la, os homens falsificaram seus documentos, de modo que constasse que ela fosse maior de idade. Com efeito, Wilfrida foi vítima de uma organização que trafica seres humanos, principalmente mulheres. Ao chegar à Malásia, Wilfrida foi assumida como doméstica na cidade de Pasir Mas (nas redondezas de Johor), na casa de uma senhora idosa, Yeap Seok Pen, doente, por sua vez, de mal de Parkinson. A senhora foi encontrada morta em 7 de dezembro de 2010 e Wilfrida foi acusada de assassinato, e presa. Em 9 de maio passado, o tribunal de Pasir realizou uma audiência para verificar se a jovem era culpada, mas, como informam fontes da Fides, “o resultado não é muito claro, nem existem provas contra a jovem”. O certo é que a jovem corre o risco de ser condenada à morte. A Coalizão contra a Pena de morte na Indonésia, que reúne numerosas associações, entre as quais a Comunidade de Santo Egídio, escreveu ao Ministério do Exterior Indonésio e a Embaixada indonésia na Malásia se encarregou do caso. O Presidente indonésio Susilo Bambang Yudhoyono instituiu recentemente a "Indonesian Migrant Workers Task Force", para abordar os casos difíceis de trabalhadores migrantes condenados à pena capital no exterior.
 
Charles Hector Fernandez, advogado católico de Kuala Lumpur, responsável da associação "Malaysians Against Death Penalty and Torture" (MADPET), declara à Agência Fides: “Tentaremos divulgar o caso de Wilfrida e fazer o que for possível para ajudá-la”. Ele explica: “Segundo a lei indonésia, em caso de homicídio, o juiz é obrigado a aplicar a pena capital. É um dos temas nos quais estamos nos concentrando, pedindo a revisão da norma a fim de que o juiz possa optar se com base nos atenuantes, pode transformar a sentença em prisão perpétua”.

“Na Malásia – prossegue – há mais de 640 detentos à espera de serem executados. As execuções prosseguem; não existe moratória, mas foram reduzidas ao ponto de terem sido feitas somente 2 em 2010. Ao que parece, o governo está propenso a reexaminar a questão da pena de morte, pelo menos para removê-la para alguns crimes e retirar a obrigatoriedade para os juízes. Seria um passo adiante, mesmo que nós gostaríamos da completa abolição. Para este fim, são importantes as pressões internacionais, que podem ajudar muito”. 

Fonte: Agência Fides
Local: Kuala Lumpur - Malásia

Jovens, dediquem o tempo que navegam na Internet a Deus, para transmiti-lo a seus coetâneos

Com a bênção concedida por Dom Peter Liu, Arcebispo de Kao Hsiung, à delegação da comunidade católica de Taiwan, de partida para a Jornada Mundial da Juventude a se realizar em Madri de 16 a 21 de agosto, encerrou-se em 17 de julho a Jornada da Juventude de Taiwan. Segundo informações enviadas à Agência Fides, mais de 600 jovens pertencentes às 7 Dioceses de Taiwan participaram da Jornada, que se realizou de 14 a 17 de julho na Diocese de Kao Hsiung, sob o tema "Reconstruir tudo em Jesus Cristo". 

Durante os 4 dias de encontro, os jovens conheceram as etapas dos 150 anos de evangelização da Diocese de Kao Hsiung, que foi a anfitriã do evento, e que correspondem também aos 150 anos da segunda fase da evangelização da ilha de Taiwan. Além disso, os jovens realizaram uma peregrinação a 8 igrejas, incluindo a basílica de Nossa Senhora de Wan Jin, e participaram de Seminários sobre temas ideológicos e vocacionais. Dom Peter Liu exortou os jovens a “dedicar o tempo que navegam na Internet a Deus, para transmiti-lo a seus coetâneos, para que eles também encontrem o Senhor e sejam salvos”. Enfim, o Arcebispo lançou um apelo aos jovens para que “renovem a Igreja”.

A Jornada da Juventude de Taiwan é uma iniciativa lançada pela Conferência Episcopal regional de Taiwan em 2004. O tema da primeira edição (1-3 de outubro, em Nan Tou) foi “Caminho rumo a Deus e rumo ao Amor”. A segunda edição foi em 2007 (de 22 a 26 de agosto em Tai Nan) com o tema "Assim como eu vos amei, amai-vos uns aos outros" (Jo,34). Desde então, tornou-se um encontro anual, com um tema para cada ano: “Receber o dom do Espírito Santo e testemunhar o Senhor” (de 9 a 12 de outubro de 2008 em Tai Pei); “Jovens, venham adiante para que Taiwan tenha a esperança; penso, falo e caminho como Jesus” (de 19 a 22 de agosto de 2009 em Tai Chung).

No ano passado, a Jornada foi celebrada de 23 a 30 de agosto na Diocese de Hsinchu, e teve o mesmo tema escolhido pelo Santo Padre Bento XVI para a Jornada Mundial da Juventude: “Mestre bom, o que devo fazer para receber a vida eterna?”


Fonte: Agência Fides
Local: Taiwan - Kao Hsiung

Universidade Católica de Brasília oferece cursos de alfabetização

A Diretoria de Programas Sociais da Universidade Católica de Brasília receberá, até o dia 29 de julho, inscrições para os cursos de Alfabetização de Jovens e Adultos e Inclusão Digital do Projeto Alfabetização Cidadã. O projeto pretende capacitar jovens e adultos, a partir dos 16 anos, por meio da alfabetização, e oferece também cursos de pós-alfabetização e de inclusão digital.

Neste semestre o curso de Inclusão Digital acontecerá no Campus I da Universidade Católica de Brasília, em Taguatinga, nos turnos matutino e vespertino e haverá turmas no Areal e Riacho Fundo II, no período noturno.

Os interessados em participar dos cursos devem dirigir-se ao Bloco L, sala 19, do Campus I portando original e cópia dos documentos pessoais (CPF, identidade, comprovante de renda e comprovante de residência). Os menores devem estar acompanhados pelo responsável legal. Os alunos serão chamados por ordem de inscrição.

 SERVIÇO

Projeto Alfabetização Cidadã

Local: Bloco L, Sala 19, Campus I – Taguatinga

Informações: 61 3356.9162
 

Fonte: Rádio Vaticano
Local: Brasília

Jovens da JMJ visitarão Santuário de Fátima

Vários grupos de jovens de diferentes nacionalidades que participarão da Jornada Mundial da Juventude (JMJ) de Madri, na Espanha, de 16 a 21 de agosto próximo, inseriram em seu roteiro de viagem uma peregrinação ao Santuário de Fátima.

Segundo informações da Sala de Imprensa do Santuário, alguns grupos passarão por Fátima antes da JMJ e outros depois desse grande evento juvenil. "Até o momento, 64 grupos de jovens confirmaram que visitarão o Santuário de Fátima. Destes, 45 vêm antes das jornadas e 19 vêm depois", disse a Diretora do Serviço de Peregrinos (SEPE) do Santuário de Fátima, Natalina Ferreira.

Dos grupos já inscritos, 42 têm até 100 peregrinos, 17 têm entre 100 e 500 peregrinos. Três grupos dos mais numerosos vêm do Brasil: um com 615 jovens, outro com 1.000 e outro com 1.500. De Lisboa irá ao santuário um grupo de 2.000 jovens. O grupo maior levará a Fátima 2.500 jovens. Este grupo de 2.500 pessoas, inclui peregrinos de língua espanhola de diferentes países, sobretudo da América do Sul.

Segundo a responsável, o Santuário de Fátima acolherá os grupos de peregrinos da melhor forma possível, pois esta é uma boa oportunidade de aprofundamento da fé e interiorização da mensagem de Fátima.

Durante os dias de peregrinação ao Santuário, os responsáveis pelo acolhimento conversarão com os jovens, apresentarão filmes e falarão sobre a espiritualidade de Fátima.


Fonte: Rádio Vaticano
Local:Fátima
   


sexta-feira, 22 de julho de 2011

Madri se prepara para acolher um milhão de jovens para a JMJ

Os dias de Jornada Mundial da Juventude (JMJ), este ano, em Madri 16 a 21 agosto, são os principais eventos religiosos e culturais organizados pela Igreja Católica, que se reúnem em torno do Papa milhares de jovens de todos os continentes . Segundo a plataforma de reservas "Forwardkeys" as reservas de passagens aéreas para Madri para os dias JMJ aumentaram 150% em relação a 2010. A Prefeitura de Madri estimou que 4.000 meios de comunicação provenientes dos cinco continentes vão acompanhar o evento.
A Autoridade de Turismo de Madri organiza para a ocasião três passeios específicos: "Madri imprescindível na JMJ" para pessoas com deficiência, "Madri Pontifícia" e "As Igrejas de Madri", em que serão visitados edifícios ligados à Igreja e o Papado, além de conventos e paróquias. "A Jornada Mundial da Juventude 2011" e "Madri para você, o patrimônio eclesiástico" são os títulos de duas publicações de boas-vindas oferecidos aos peregrinos que relatam informações úteis sobre a capital. Nos pontos fixos de informações turísticas, foi adicionado um banco de informações específicas sobre a JMJ e novas serão criados novos pontos com o aproximar-se do evento.
A cidade de Madri organiza eventos culturais de natureza espiritual, como a exposição "Moved, emocionado pela beleza", que reúne os motivos de inspiração do arquiteto Antonio Gaudi, o itinerário especial que oferece o Museu do Prado com pinturas importantes onde retrata a imagem de Cristo. 

Fonte: Agência Fides

Jovens e redes sociais em debate no Muticom

A professora do Departamento de Comunicação Social da PUC-Rio, Adriana Braga, foi uma das conferencistas do painel “Jovens, novas comunidades e redes sociais”, na manhã desta quinta-feira, 21, durante o 7º Mutirão Brasileiro de Comunicação (Muticom).

muticomrjalessandraA professora destacou as mudanças causadas pela internet nas relações sociais. “A Internet ampliou largamente a participação do público. Ela envelheceu as funções do telefone, do fax, da secretária eletrônica, do pincel, do papel”, pontuou. Segundo Adriana, as novas mídias reinventaram a carta no formato do e-mail e revitalizaram o próprio telefone com o celular, que não precisa de fio.

Adriana alertou, no entanto para o uso da internet. “Além de usar as ferramentas da internet é preciso saber como a internet muda as relações”, disse.

De acordo com a professora, a internet resgatou a palavra comunidade com as “comunidades virtuais”. Ela ressaltou, ainda, as características que marcam as relações nas redes sociais a partir do conceito de sociabilidade.

muticomrjpainelquintafeiramanhaUma das questões levantadas por Adriana foi em relação à acolhida na rede. Para ela a senha de entrada na internet é o elogio. “Na vida cotidiana a pessoa se utiliza de roupas e corte de cabelo, por exemplo, para dizer que está ali. Na internet é diferente”, comentou. “O elogio passa a ser a senha principal no processo de reconhecimento do pertencimento. Ela abre as portas digitais para quem chega. Nas redes sociais a mediação por excelência é ser amigo”.

A professora acentuou que, nesta relação virtual também existe o conflito porque há conteúdos que provocam ruptura no padrão ameno de sociabilidade.

Outro painelista que agradou muito ao público no Ginásio da PUC foi o consultor de educação, Ricardo Chagas. Interagindo com os participantes, ele apresentou o projeto “Caixa de Ferramenta”, que objetiva discutir com os jovens o adequado uso das novas mídias. Ele alertou para a pirataria que fomenta a divulgação de filmes pornográfica entre os jovens.

Fonte: Zenit

Igreja deve aprender linguagem dos jovens

Dom Fisichella afirma que liberdade e ciência são dois valores dominantes

Para evangelizar os jovens, a Igreja precisa compreender sua cultura, na qual a liberdade e a ciência são valores dominantes, considera o arcebispo Rino Fisichella.

Segundo o presidente do Conselho Pontifício para a Promoção da Nova Evangelização, não se pode falar de Cristo aos jovens “sem falar da liberdade, pois o jovem de hoje a colocou em sua cultura, mas a liberdade tem de estar sempre em relação com a verdade, pois é a Verdade que produz a liberdade”.

Ao mesmo tempo, acrescenta, “não se pode falar de Deus aos jovens sem conhecer a cultura dos jovens de hoje, que é a científica. A cultura de hoje, seu conteúdo, está repleto de axiomas de ciência”.

O prelado italiano compartilhou sua análise da evangelização dos jovens ao participar, em 20 de julho, do curso de verão “Os jovens e a Igreja Católica”, organizado pela Universidade Rei João Carlos.

Esclareceu que a Igreja está “a favor da ciência, mas esta tem de estar a favor da humanidade e nunca contra ela”.

“Chegará o momento em que a própria ciência pedirá ajuda à teologia para conhecer mais amplamente os âmbitos da realidade e poder dar resposta à dor, à traição, à morte”, em definitiva, “às grandes perguntas, as perguntas de sentido”, afirmou Dom Fisichella, em uma conferência intitulada “Os jovens e Deus, os jovens e Jesus Cristo, os jovens e a vida eterna”.

O prelado destacou que “a interação ciência-vida pessoal-ética é necessária, não se pode viver sem ela”.

Como exemplo, Fisichella contou o caso do diretor do Projeto Genoma, Francis S. Collins, que se adentrou na linguagem de Deus, porque “a verdadeira ciência nos coloca às portas do transcendente”.

E concluiu afirmando que “se pode ser católico e cientista ao mesmo tempo. Viver o conhecimento científico não implica em ser ateu. O cientista tem seus limites, não pode afirmar a não-existência de Deus”.

Fonte: Zenit