segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

Em Fortaleza (CE), jovens utilizam teatro espontâneo para debater questões da comunidade

Na próxima sexta-feira (9), jovens participantes do Projeto Nossas Histórias irão à comunidade Trilha do Senhor, em Fortaleza (CE), ameaçada pelo projeto Veículo Leve sobre Trilhos (VLT), para realizar uma atividade de teatro espontâneo abordando o tema moradia.

A ação faz parte do Projeto Nossas Histórias,integrante do Segundo Ciclo do Programa pela Educação Integral, do Fundo Juntos pela Educação. Tal projeto é realizado pelo Tear Comunitário em parceria com Associação de Mulheres do Campo do América, Escola de Ensino Fundamental e Médio (EEFM) Paróquia da Paz e Centro de Referência de Assistência Social (Cras).

Sônia Paranaguá de Santana, professora de teatro espontâneo, explica que o Projeto Nossas Histórias tem o objetivo de promover a educação integral de crianças e adolescentes participantes da iniciativa. De acordo com ela, o projeto "resgata” as histórias dos adolescentes, das famílias deles e dos locais onde moram para serem trabalhados também na escola. "[A ideia é] lidar com temas que façam parte da vida deles”, comenta.

O projeto trabalha com o teatro espontâneo, ou seja, um teatro de improviso. Os atores e atrizes vão para as apresentações sem um roteiro pré-determinado. "É o grupo que estrutura. O que nós trabalhamos é a habilidade de improvisar as cenas, de traduzir, de se expressar pelo corpo”, destaca.

Atualmente, o grupo é formado por 11 jovens entre 15 e 17 anos da EEFM Paróquia da Paz. Os/as participantes realizam ações em diferentes escolas e comunidades. E o diferencial das apresentações do grupo não se resume somente ao improviso, mas também ao tema tratado.

Sônia explica que as temáticas têm relações com as comunidades e os locais em que ocorrem as apresentações. Como será o caso da comunidade Trilha do Senhor, onde o grupo trabalhará com a questão da moradia no dia 9. "Na Trilha do Senhor, a questão será moradia justamente por conta desse momento que estão vivendo de desalojamentos e despejos”, comenta, referindo-se às ameaças de remoção por conta das obras do VLT, um dos projetos para a Copa do Mundo de Futebol de 2014.

No mês passado, os jovens aproveitaram debates em torno do Dia da Consciência Negra (celebrado no dia 20 de novembro) e do Dia Internacional pela Não-Violência contra a Mulher (25 de novembro) para realizar atividades sobre essas temáticas. No dia 23, o auditório da EEFM Paróquia da Paz foi palco de ações pelo Dia da Consciência Negra. Já a violência contra a mulher foi tema de apresentações em uma escola municipal, no dia 25, e no Cras do Mucuripe, na última quarta-feira (30).

Para Sônia, o teatro espontâneo "é um teatro de transformação em sentido grupal”. Isso porque tanto a temática quanto o desenrolar dos fatos não são impostos para a comunidade, mas debatido e partilhado com ela. "Assim como os problemas são apresentados pela comunidade, quem sabe da solução para eles também é a própria comunidade”, ressalta.

Quer saber mais sobre o Projeto? Acesse: http://www.juntospelaeducacao.com.br/nossas_historias.htm
 

Fonte: Adital - Karol Assunção